Colônia Leopoldina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Colônia Leopoldina
Bandeira de Colônia Leopoldina
Brasão de Colônia Leopoldina
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 16 de julho de 1901
Fundação 1852
Gentílico leopoldinense
Prefeito(a) Paula Roselma da Rocha Nascimento (PTB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Colônia Leopoldina
Localização de Colônia Leopoldina em Alagoas
Colônia Leopoldina está localizado em: Brasil
Colônia Leopoldina
Localização de Colônia Leopoldina no Brasil
08° 54' 32" S 35° 43' 30" O08° 54' 32" S 35° 43' 30" O
Unidade federativa  Alagoas
Mesorregião Leste Alagoano IBGE/2008[1]
Microrregião Mata Alagoana IBGE/2008[1]
Região metropolitana Zona da Mata
Municípios limítrofes a norte com o Estado de Pernambuco, a sul com Joaquim Gomes, a leste com Novo Lino e a oeste com Ibateguara.
Distância até a capital 117 km
Características geográficas
Área 287,459 km² [2]
População 20 022 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 69,65 hab./km²
Altitude 140 m
Clima Tropical Chuvoso com verão seco As´
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,578 baixo PNUD/2000[4]
PIB R$ 99 685,065 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 4 997,75 IBGE/2008[5]
Página oficial

Colônia Leopoldina é um município brasileiro do estado de Alagoas. Sua população estimada em 2004 era de 17.880 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

O nome anterior da cidade era Colônia Militar. O nome atual da cidade tem origem em uma visita do Imperador Dom Pedro II acompanhado da princesa Leopoldina. A passagem pode ser comprovada pela construção de um marco e o plantio de duas castanheiras, que existem até hoje.

Situada no Vale do Rio Jacuípe, próximo à Serra do Teixeira, a primitiva povoação surgiu no começo do século XIX. Sabe-se que o território chegou a pertencer a Porto Calvo até 1901. A partir de 1852, com a instalação da colônia militar efetivou como povoado.

A colônia foi criada com festa e com a presença do presidente da província de Alagoas, José Bento da Cunha Figueredo. A história não registra os motivos para a instalação da colônia militar. Os antigos moradores contam que o objetivo era combater e exterminar o banditismo que dominava as matas de Porto Calvo. O primeiro comandante e diretor-fundador da colônia foi o tenente João da Gama Lobo Bentes. A colônia também foi dirigida por Olavo Elói Pessoa da Silva e pelo alferes Augusto Pereira Ramalho.

Em 5 de janeiro de 1860 a colônia recebeu o Imperador Dom Pedro II. A passagem de Dom Pedro consolidou o povoado e se tornou fato histórico. A antiga casa da diretoria onde se hospedou o Imperador existe até hoje. Quando a colônia militar foi extinta, em 1867, Leopoldina continuou sob a jurisdição de Porto Calvo e logo depois entrou em decadência. A Lei 372, de 1861, criou o distrito de Leopoldina e uma outra lei, em 1901, elevou-o à vila e depois município. Isso contribuiu para que a antiga colônia voltasse a progredir. Em 1923, passou à condição de cidade.

A freguesia foi criada sob as bênçãos de Nossa Senhora do Carmo, mas a comunidade festeja, também, São Sebastião, São João e São Pedro. Além das festas cristãs, a Colônia comemora também sua emancipação no dia 16 de julho.

Atualmente está crescendo com a produção de cachaça com a vinda da cachaça Piturama que está ganhando o mercado local e crescendo no estado.

População Total do Município era de 17.493,00 de habitantes, de acordo com o Censo Demográfico do IBGE (2000).

Geografia[editar | editar código-fonte]

Sua área é de 287,46 km² representando 1,04 % do Estado, 0,02 % da Região e 0,00 % de todo o território brasileiro.

Seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,578, segundo o Atlas de Desenvolvimento Humano/PNUD (2000).

Área Territorial: 295,7 km² Fonte: IBGE

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Alagoas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.