Colelitíase

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde fevereiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Colelitíase
Classificação e recursos externos
CID-10 K80
CID-9 574
OMIM 600803
DiseasesDB 2533
MedlinePlus 000273
eMedicine emerg/97
MeSH D042882
Star of life caution.svg Aviso médico

Colelitíase ou pedra na vesícula é a presença de cálculos na vesícula biliar.[1]

Esses cristais ou cálculos podem ocorrer em diversas porções do trato biliar, como o ducto colédoco (causando Coledocolitíase) e a vesícula biliar. Os cristais podem obstruir o trato biliar, causando icterícia, e o ducto pancreático, levando à pancreatite. A colelitíase se trata especificamente da formação desses cristais na vesícula biliar.

Características[editar | editar código-fonte]

Tamanho[editar | editar código-fonte]

Os cristais variam bastante em forma e tamanho, dependendo de sua composição. Os pequenos são mais perigosos pois podem migrar e obstruir os dúctos. Geralmente na vesícula são formados vários cristais pequenos, ou um único cristal grande.

Composição[editar | editar código-fonte]

Os cristais podem ser formados por uma grande variedade de substâncias, porém as mais comuns são:

  • Colesterol: Forma cristais de coloração esverdeada, ou às vezes com tom mais amarelado.
  • Mistos: Caracterizam a maior parte dos casos, cerca de 80%, e contém colesterol misturado a sais de cálcio.

Fatores de risco[editar | editar código-fonte]

É mais comum em mulheres, obesos e pessoas em idade fértil. O que dá origem à referência memônica dos "5 F's", do inglês: Fat, Fertile, Females, Forty e Family

É importante ressaltar que o simples fato de não se encaixar nesse perfil, não impede que os cristais se desenvolvam. Esse perfil é apenas o mais comum entre pessoas que apresentam o problema.

Tratamentos[editar | editar código-fonte]

Cirúrgico[editar | editar código-fonte]

Atualmente é mais comum a remoção total da vesícula biliar, chamada colecistectomia, pois era muito comum a formação de novos cristais após a cirurgia de remoção dos mesmos. Existem outros tratamentos como litotripsia, antiespasmodicos, anticolinergicos, acido desoxicocolico ou ursococolico e outros dependendo do tipo do cálculo e do paciente.

Sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sintomas mais comuns de colelitíase são desconforto na região abdominal e dores no hipocôndrio direito. Entretanto, ela geralmente é assintomática até os estágios avançados.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Colelitíase (em português) lookfordiagnosis.com.