Coluna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Coluna de influência islâmica em Espanha.

Uma coluna é um elemento arquitetónico destinado a receber as cargas verticais de uma obra de arquitetura (arco, arquitrave, abóbada) transmitindo-as à fundação. Embora tenha a mesma função de um pilar, este é geralmente mais robusto e de secção quadrada, (o que poderia corresponder genericamente ao fuste da coluna). A coluna costuma ser caracterizada por uma estrutura mais esbelta e esguia em prumo (tradicionalmente de secção cilíndrica podendo também ser poligonal) e que acarreta um significado histórico, decorativo e simbólico mais acentuado. Os materiais de construção podem variar entre a pedra, alvenaria, madeira, metal ou mesmo tijolo atingindo-se uma grande variedade formal e decorativa que se pode observar desde a antiguidade.

Componentes[editar | editar código-fonte]

Base[editar | editar código-fonte]

A base (d no esquema), do latim base (planta do ), é o ponto de ligação do fuste com o pedestal ou pavimento do edifício. Surge inicialmente como uma simples placa de pedra, consequência da necessidade de evitar que a humidade do chão danificasse as primeiras colunas de madeira.

Em geral possui um tratamento estético próprio (no caso da antiguidade clássica, seguindo os princípios da ordem utilizada). Na antiguidade clássica a base inicia com uma placa quadrada designada plinto (k no esquema) podendo ser seguida de outros discos de perfil côncavo ou convexo (l no esquema) e que têm por objectivo dar maior plasticidade visual à base.

Esquema dos componentes de uma coluna.

Nas ordens clássicas a base assenta numa construção em degraus designada crépis ou estereóbata (a no esquema) cujo último nível é a estilóbata (E no esquema). Ainda um elemento, o scamillus (j no esquema), surge entre a estilóbata e a base da coluna. O templo grego apresenta uma ligeira curvatura na base e na arquitrave em direcção ao centro, quase imperceptível, mas o suficiente para transmitir uma imagem total de harmonia. O scamillus define-se então como um pequeno elemento (em cunha) de ajuste ou nivelamento que permite que a base da coluna assente numa superfície horizontal.

Podem-se encontrar bases decoradas com elementos geométricos, vegetais ou animais fantásticos.

Fuste[editar | editar código-fonte]

O fuste (e no esquema), do latim fuste (pau de madeira), é, de uma certa forma, a própria coluna (elemento vertical de apoio), constituindo a sua central e maior parte e fazendo a ligação entre a base e o capitel. Pode ser composto por um só bloco (monolítico) ou segmentado pela sobreposição de diversos blocos (também designados tambores). Caso a coluna só apresente fuste, o extremo inferior deste designa-se imoscapo e o superior sumoscapo.

Nalguns casos pode existir uma ligeira curvatura do fuste (engrossamento) designada entasis (D no esquema), em que o diâmetro aumenta a 1/3 da sua altura de modo a reduzir a distorção óptica, uma espécie de desproporção oferecida pelo nível baixo do ponto de vista do observador. Outras deformações são também possíveis, como a redução do diâmetro numa das extremidades do fuste (afunillamento).

Na antiguidade clássica as caneluras (finas estrias ou sulcos longitudinais) são a decoração do fuste por excelência. Outros estilos apresentam um fuste totalmente desprovido de decoração e ainda outros revestem-no de uma extrema profusão de relevos, descrições de cenas, decorações vegetais ou geométricas.

  • Tipologias de acordo com variações do fuste:
Coluna anelada (com aneis que dividem o fuste em várias faixas);
Coluna canelada (com caneluras verticais);
Coluna cóclida (de maiores dimensões, com escada em caracol no seu interior);
Coluna corolítica (decoração com espiral em forma de grinalda de flores e folhas;
Coluna de tambores (composta por blocos sobrepostos);
Coluna entrelaçada (em que 2 ou 3 fustes se entrelaçam numa mesma coluna);
Coluna estriada (com estrias verticais);
Coluna fasciculada (composta por grupo de fustes delgados adossados entre si, oposto da coluna monocilíndrica);
Coluna galbada (com convexidade, entasis);
Coluna monocilíndrica ou monolítica (composta por um único bloco, oposto da fasciculada);
Coluna monofasciculada (fuste liso composto por vários elementos agrupados na vertical)
Coluna prismática (de secção poligonal);
Coluna rostrada (com decoração náutica. Coluna rostral com aríetes no fuste, elementos de proa de uma galera)
Coluna rusticada (elementos cilíndricos alternam com elementos paralelepipédicos)
Coluna salomónica: (em espiral, helicoidal ou torsa)

Capitel[editar | editar código-fonte]

O capitel (f no esquema), do latim capitellum diminutivo de caput (cabeça, extremidade), faz a união entre o elemento vertical (fuste) e horizontal (arquitrave ou imposta de um arco) de características estáticas muito diferentes. Assim, o capitel não só soluciona problemas técnicos como assume, acima de tudo, um papel estético sendo normalmente a parte mais trabalhada da coluna, a parte mais característica de uma dada ordem ou estilo.

Consoante o momento histórico (principalmente nas ordens clássicas) o capitel pode ainda ser subdividido nos seguintes elementos:

Astrágalo - (do grego astrágalos). Moldura em forma de filete semi-circular na zona superior após o fuste e que antecede o capitel.
Equino - (do grego echînos, ouriço). Presente no capitel da ordem dórica é um elemento em forma de almofada sob o ábaco.
Ábaco (n no esquema) - (do grego abax, quadro, mesa). Placa quadrada e espessa que remata o capitel.

Posicionamento[editar | editar código-fonte]

Coluna comemorativa, Coluna de Trajano de fuste espiralado dividido por anéis com relevos.

A sua situação ou posicionamento relativamente ao espaço envolvente pode diferir consoante a necessidade ou objectivo. Assim, a coluna pode ser independente ou exenta (no caso, por exemplo, de colunas comemorativas), isolada (em que os únicos pontos de contacto com a construção são as extremidades), geminada (agrupadas a duas, como se pode observar no caso de claustros medievais), adossada (em que o fuste entra em contacto com outra superfície, como em casos de pilares complexos com várias colunas adossadas nos cantos) ou embebida (em que só uma determinada parte da coluna é visível, como estando “embutida” verticalmente noutro elemento. Nestes casos o mais comum é a secção vertical resultando numa meia-coluna). Quando se situa no cruzamento de duas superfícies (ângulo) designa-se por angular ou acantonada, resultando numa coluna de ¾.

Outros termos e aplicações[editar | editar código-fonte]

  • Colunelo ou coluneta: Trata-se de uma coluna geralmente de diâmetro inferior, mais delgada, que pode estar adossada a outros elementos, como uma parede, um pilar, jamba de um portal, etc.
  • Coluna comemorativa ou triunfal: isolada (numa praça, p. ex.), erguida como monumento em memória de um acontecimento histórico marcante.
  • Colunata: Trata-se de uma sequência de colunas em linha recta ou curva.
  • Arcada: Série de arcos apoiados em colunas (presente, p. ex. em claustros).

Desenvolvimento histórico[editar | editar código-fonte]

Antiguidade[editar | editar código-fonte]


Antiguidade clássica[editar | editar código-fonte]


ver artigo principal: Ordens arquitectónicas

O desenho das colunas foi, em várias culturas, uma actividade bastante importante. Entre todas, porém, a arquitectura clássica (desenvolvida pelos gregos e romanos) foi a que mais se dedicou ao assunto, dando ao tratamento das colunas um lugar especial na categorização de suas ordens arquitectónicas.

Coluna de fuste humano: Trata-se de uma coluna onde o fuste é substituído pela representação escultórica de uma figura feminina (cariátide, kanephoren ou koren) ou masculina (atlante, com os braços levantados a suportar o peso da arquitrave, ou kouroi - da arte arcaica grega do mar Egeu, com os braços ao longo do corpo).

Coluna das bestas: Trata-se de uma coluna independente que surge somente na época do Império Romano, mais especificamente em França e Itália. Esta coluna apresenta o fuste totalmente coberto por relevos escultóricos representando leões e animais fantásticos em situação de luta.

Idade Média[editar | editar código-fonte]


Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Coluna

Fontes bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • CALADO, Margarida, PAIS DA SILVA, Jorge Henrique, Dicionário de Termos da Arte e Arquitectura, Editorial Presença, Lisboa, 2005, ISBN 20130007
  • JANSON, H. W., História da Arte, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1992, ISBN 972-31-0498-9
  • KOEPF, Hans; BINDING, Günther (Überarbeitung), Bildwörterbuch der Architektur, Alfred Kröner Verlag, Stuttgart, 1999, ISBN 3-520-19403-1
  • MÜLLER, Werner, VOGEL, Gunther, dtv-Atlas Baukunst; Band 1 - Allgemeiner Teil. Baugeschichte von Mesopotamien bis Byzanz, Deutscher Taschenbuch Verlag, München, 2002, ISBN 3-423-03020-8
  • MÜLLER, Werner, VOGEL, Gunther, dtv-Atlas Baukunst; Band 2 - Baugeschichte von der Romanik bis zur Gegenwart, Deutscher Taschenbuch Verlag, München, 2002, ISBN 3-423-03021-6