Comando Militar da Amazônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde agosto de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Comandos Militares do Brasil
CMA
Comando Militar da Amazônia
Região Militar 12ª RM
Ano de criação 1969
Comandante Gen Ex Guilherme Cals Theophilo Gaspar de Oliveira[1]
Localização Avenida do Expedicionário, 4715, Ponta Negra
Manaus
 Amazonas
Abrangência Região Norte do Brasil, exceto parte de Tocantins e inclusive parte do Maranhão

O Comando Militar da Amazônia (CMA) é um dos Comandos Militares de Área do Brasil. É o Comando de Área que compreende os Estados de Acre, Amazonas, Rondônia e Roraima, e envolve a 12ª Região Militar, sediado em Manaus (AM). Possui em sua estrutura organizacional, unidades reconhecidas como as melhores unidades de combate na selva do mundo, formada por índios da região amazônica e por militares oriundos de outras regiões, profissionais especialistas em guerra na selva pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva, também subordinado à sua estrutura.

História[editar | editar código-fonte]

A Amazônia Brasileira compreende vastíssima extensão de terras e a maior bacia hidrográfica do mundo - a bacia do Amazonas. Além da Região Norte, dela fazem parte os estados do Mato Grosso e fração do Estado do Maranhão. É o que chamamos de Amazônia Legal.

Pedro Teixeira, desbravador e explorador português, foi o responsável, há mais de três séculos, pela posse da Amazônia para Portugal. Deve-se a ele a exploração de mais de 10.000 km² de rios e trilhas, em toda a bacia Amazônica, partindo de Belém do Pará e chegando até Quito, no Equador.

A presença militar nessa região vem do início do século XVII, quando os portugueses efetivamente passaram a desbravá-la e a consolidar sua posse.

O embrião do Comando Militar da Amazônia (CMA) remonta ao ano de 1956, com o então Grupamento de Elementos de Fronteira, em Belém do Pará, porta de entrada para a conquista da Amazônia e, hoje, ponto de partida para o seu desenvolvimento. Mudou-se para Manaus em 1969, sede atual. Com o passar dos anos, o CMA cresceu de importância no cenário nacional e, hoje, engloba organizações militares de todas as armas e todos os serviços, participando do processo de consolidação da defesa do território nacional, haja vista guarnecer mais de 11 mil km de fronteiras com sete países sul-americanos, fator que impõe ao CMA preocupação constante com o adestramento de seu contingente.

Organização[editar | editar código-fonte]

Guerreiros de selva em desfile militar no 2º Pelotão Especial de Fronteira - Ipiranga.

O CMA está organizado com quatro brigadas de infantaria de selva o além dessas grandes unidades operacionais, dispõe, ainda, da 12ª Região Militar, em Manaus - AM, que é o grande comando logístico-administrativo, além do 2º Grupamento de Engenharia de Construção, Grande Comando encarregado da construção de aquartelamentos e suas infra-estruturas e, principalmente, construção e manutenção de estradas.

Conta, também, com organizações militares diretamente subordinadas que completam os meios necessários para o apoio ao Comando. Pode operar em conjunto com a Marinha, por meio do Comando Naval da Amazônia Ocidental e do 4º Distrito Naval, e com a Força Aérea, por intermédio do I e VII Comando Aéreo Regional. Com esses meios, o CMA pode projetar o poder militar em toda a área amazônica, em curtíssimo espaço de tempo, e sustentar o apoio logístico a grandes distâncias indefinidamente.

O CMA é, na região amazônica, o mais importante vetor de colonização, ocupação dos grandes espaços e vazios demográficos ainda existentes. Cumprindo seu papel social, coopera na modernização e no progresso de todas as comunidades da área, não só com componente militar, mas, também, na saúde, educação, nos estudos e nas pesquisas científicas e em muitos outros campos. Presta inestimável ajuda às populações indígenas ribeirinhas, principalmente pelo atendimento médico nos hospitais militares. É importante coadjuvante no Projeto Calha Norte de revitalização e vivificação da fronteira e desfruta excelentes relações com as Forças Armadas dos países lindeiros.

Em março de 2013, foi aprovada a sua divisão, criando o Comando Militar do Norte, sediado em Belém[2] [3] . Hoje, o Comando Militar da Amazônia enquadra um efetivo aproximado de 17 mil homens, numa área de responsabilidade que se estende pelos Estados do Acre, Amazonas, de Rondônia e Roraima[3] .

Organizações militares subordinadas[editar | editar código-fonte]

Estrutura do Comando Militar da Amazônia.

Regiões Militares[editar | editar código-fonte]

12ª Região Militar - com jurisdição sobre os Estados do Amazonas, do Acre, de Roraima e de Rondônia, e sede do Comando na cidade de Manaus - AM.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]