DeRose

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Comendador De Rose)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
DeRose
Comendador DeRose
DeRose
Nome completo Luís Sérgio Álvares De Rose
Nascimento 18 de Fevereiro de 1944 (71 anos)
Rio de Janeiro
Residência São Paulo
Nacionalidade  brasileiro
Ocupação Educador, escritor
Prêmios Medalha da Paz - ABFIP ONU (2006)
Página oficial
http://www.MetodoDeRose.org

Luís Sérgio Álvares De Rose (Rio de Janeiro, 18 de Fevereiro de 1944), conhecido como DeRose é um escritor e empresário e mestre de ioga brasileiro. É proprietário da marca de escolas de ioga mais bem sucedida do Brasil. [1] [2] Seu trabalho já recebeu inúmeras críticas de algumas áreas da imprensa e de profissionais que realizam trabalhos relacionados ao ioga. [3] Atualmente trabalha com outro segmento por levar em consideração a inadaptabilidade da palavra ioga (Yôga) para a comunicação[4] e notadamente gerou a atenção de executivos e atletas[5] , como Lyoto Machida.

Biografia[editar | editar código-fonte]

DeRose Começou a lecionar no ano de 1960 e inaugurou sua primeira escola em 1964. Publicou o seu primeiro livro em 1969 aos 25 anos de idade. Fundou a União Nacional de Yôga em 1975. Promoveu o primeiro projeto de lei pela regulamentação profissional em 1978. Organizou o primeiro Congresso Brasileiro de Yôga em 1981. Criou a Confederação Nacional de Yôga em 1988. Fundou a Primeira Universidade de Yôga do Brasil em 1994 e o Sindicato Nacional dos profissionais de Yôga em 1997.

DeRose recebeu em 2001 e 2002 o reconhecimento do título de Mestre em Yôga (não-acadêmico) e Notório Saber em Yôga pela FATEA – Faculdades Integradas Teresa d’Ávila (SP), pela Universidade de Cruz Alta (RS), pela Universidade Estácio de Sá (MG), pelas Faculdades Integradas Coração de Jesus (SP), pela Câmara Municipal de Curitiba (PR).

DeRose, formou mais de 5.000 instrutores no Brasil, Américas e Europa, começou a lecionar aos 16 anos de idade. Com 25 anos de viagens à Índia e mais de 20 livros publicados, ensina o seu método nas Américas e Europa.

Transição para o Método DeRose[editar | editar código-fonte]

Em 2007, DeRose deixou de trabalhar no segmento do ioga e passou a trabalhar com o Método DeRose, uma sistematização de técnicas e conceitos cuja proposta é a de elevar o praticante a um patamar de alta performance e a de melhorar a sua qualidade de vida.

Os seus conceitos baseiam-se na fomentação de boas relações humanas, boa alimentação, boa forma e boa qualidade de vida.

Na parte técnica, faz uso de ferramentas como a reeducação respiratória, administração do stress, técnicas que se propõe a aumentar o tônus muscular e a flexibilidade, procedimentos para o aprimoramento da descontração emocional e da concentração mental.

Críticas[editar | editar código-fonte]

Marcos Rojo Rodrigues, coordenador do curso de Difusão Cultural e Ioga da Universidade de São Paulo contesta a formação autodidata de De Rose, defende que todo mestre deva ser preparado por outro mestre e rejeita sua teoria da existência de duas disciplinas distintas: yôga e ioga. Segundo Rodrigues, isso voltado à promoção pessoal.[2]

Rui Afonso, professor de hatha yoga classifica De Rose como um dos inimigo da ioga séria, segundo ele, "eles se isolam em guetos, desrespeitam tradições de 5 mil anos, inventam métodos, são sociopatas. DeRose ordena aos discípulos que não se misturem a seres inferiores – os que não praticam seu método swásthya. Ele diz que só seus alunos são inteligentes, bonitos e ricos. E os outros tipos de ioga são para gente pobre e menos instruída. Está escrito em seu livro Faça Yôga antes Que Você Precise. O fascismo começa com o discurso vegetariano radical." [3]

Prêmios e honrarias[editar | editar código-fonte]

São atribuídos a DeRose inúmeros galardões.

Em 2001 recebeu da Sociedade Brasileira de Educação e Integração a Comenda da Ordem do Mérito de Educação e Integração.[6]

Em 2003 recebeu outro título de Comendador, desta vez pela Academia Brasileira de Arte, Cultura e História.

Em 2004 recebeu o grau de Cavaleiro, pela Ordem dos Nobres Cavaleiros de São Paulo, reconhecida pelo Comando do Regimento de Cavalaria Nove de Julho, da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

Em 2006 recebeu a Medalha Tiradentes pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro e a Medalha da Paz, pela ONU Brasil. No mesmo ano, recebeu o Diploma do Mérito Histórico e Cultural no grau de Grande Oficial. Foi nomeado Conselheiro da Ordem dos Parlamentares do Brasil.

Em 2007, recebeu o título de Sócio Honorário do Rotary e a medalha Paul Harris da Fundação Rotária do Rotary International. No mesmo ano foi agraciado com a Medalha Internacional dos Veteranos das Nações Unidas e dos Estados Americanos. Nesse mesmo ano recebeu a Cruz Acadêmica da Federação das Academias de Letras e Artes do Estado de São Paulo “por ações meritórias e enaltecedoras ao desenvolvimento da Nação”. Em 30 de janeiro de 2007, recebeu Moção de Votos de Júbilo e Congratulações da Câmara Municipal de São Paulo (RDS 3059/2006). Em 27 de março de 2007, recebeu Voto de Louvor e Congratulações da Assembleia Legislativa do Estado do Paraná “por seus relevantes serviços prestados”. Em dezembro de 2007 recebeu a Medalha Marechal Falconière.

Em 2008 recebeu a Láurea D. João VI em comemoração pelos 200 anos da Abertura dos Portos. No Dia Estadual do Yôga, 18 de fevereiro, recebeu da Câmara Municipal o título de Cidadão Paulistano. Em março, foi agraciado pelo Governador do Estado de São Paulo com o Diploma Omnium Horarum Homo, da Defesa Civil. Neste ano, recebeu também a Cruz da Paz dos Veteranos da Segunda Guerra Mundial, a Medalha do Mérito da Força Expedicionária Brasileira, a Medalha MMDC pelo Comando da Polícia Militar do Estado de São Paulo, a Medalha do Bicentenário dos Dragões da Independência do Exército Brasileiro e a Medalha da Justiça Militar da União.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • DeRose: Quando é preciso ser forte. São Paulo: Egrégora, 2007. ISBN 978-85-213-1374-8
  • DeRose: A Evolução para o Método DeRose. São Paulo: Egrégora, 2013 ISBN 978-85-626-1734-8
  • DeRose: Tratado de Yôga, Yôga Shástra. São Paulo: Nobel, 2007. ISBN 978-85-213-1361-8
  • DeRose: Tudo o que você nunca quis saber sobre Yôga, L&PM.
  • DeRose: Programa do Curso Básico de Yôga, Uni-Yôga. ISBN 85-7232-406-2
  • DeRose: Método de Boas Maneiras, Uni-Yôga. ISBN 85-213-1275-X
  • DeRose: Eu me lembro..., Nobel. ISBN 972-36-0734-4
  • DeRose: Encontro com o Mestre, Matrix. ISBN 972-36-0821-9
  • DeRose: Sútras - máximas de lucidez e êxtase, Nobel. ISBN 972-36-0782-4
  • DeRose: Tantra, a sexualidade sacralizada, Uni-Yôga.
  • DeRose: Yôga Sútra de Pátañjali, Uni-Yôga.
  • DeRose: Mensagens do Yôga, Uni-Yôga.
  • DeRose: Karma e dharma - transforme a sua vida, Uni-Yôga.
  • DeRose: Chakras e kundaliní, Uni-Yôga. ISBN 85-213-1333-0
  • DeRose: Alimentação vegetariana: chega de abobrinha!, Uni-Yôga.
  • DeRose: Meditação, Uni-Yôga.
  • DeRose: Origens do Yôga Antigo, Uni-Yôga. ISBN 85-213-1299-7
  • DeRose: Corpos do Homem e Planos do Universo, Uni-Yôga.
  • DeRose: Guia do Instrutor de Yôga, Uni-Yôga (esgotado).
  • DeRose: Prontuário de Yôga Antigo, (edição histórica só para colecionadores).
  • DeRose: A regulamentação dos profissionais de Yôga, Uni-Yôga.
  • DeRose: Alternativas de relacionamento afetivo, Afrontamento (Portugal). ISBN 972-36-0687-9
  • DeRose: Yôga: Mitos e Verdades, Uni-Yôga. São Paulo, 2006. ISBN 85-213-1266-0

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]