Cometa Hyakutake

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hyakutake
Hyakutake.jpg
Descoberta
Descoberto por Yuji Hyakutake
Data 1996
Outros nomes C/1996 B2
Informações orbitais
Excentricidade (e) 0,999902
Semi-eixo maior (a) 2349,02 UA
Periélio (q) 0,230204 UA
Afélio (Q) 4698,77 UA
Período orbital (P) 70.000-114.000 anos
Inclinação (i) 124.9°
Último periélio 1 de Maio de 1996
Próximo periélio 72,000-116,000 anos
Propriedades físicas
Dimensões
Massa
Velocidade de escape

O Cometa Hyakutake (formalmente designado C/1996 B2) é um cometa descoberto em Janeiro de 1996, que passou muito perto da Terra no mês de Março desse mesmo ano. Foi considerado o maior cometa de 1996 (media 4.2 km), e um dos cometas que passaram mais perto do planeta Terra nos últimos 200 anos, o que fez com que fosse facilmente observado no céu nocturno sendo visto por um grande número de pessoas em todo o mundo. O cometa cobriu temporariamente o muito aguardado cometa Hale-Bopp, que se aproximava do interior do Sistema solar, apesar do Hyakutake estar no seu estado mais brilhante por apenas alguns dias.

Observações ciêntificas do cometa levaram a algumas descobertas notáveis. A mais surpreendente para os cientistas foi a descoberta de emissão de raios X a partir do cometa, pois foi a primeira vez que essa emissão foi encontrada. Os cientistas acreditam que esta emissão é causada pelas particulas ionizadas de vento solar que interagem com os átomos neutros do cometa.

A nave espacial Ulysses também cruzou inesperadamente a cauda do cometa a um distância de mais de 500 milhões de quilómetros do núcleo, mostrando que o Hyakutake tinha a cauda mais longa até então conhecida para um cometa. O Hyakutake é um cometa de período longo, antes desta sua passagem pelo Sistema Solar, o seu período orbital era de cerca de 15,000 anos, mas a influência gravitacional dos planetas gigantes aumentou-o para 72,000 anos.

A descoberta[editar | editar código-fonte]

O cometa foi descoberto a 30 de Janeiro de 1996 por Yuji Hyakutake, um astrónomo amador do sul do Japão. Ele procurou cometas durante alguns anos e se mudou para a área rural da província de Kagoshima por causa do céu das áreas rurais com pouca interferência da iluminação noturna. Ele usava uns potentes binóculos com objectivas de seis polegadas para ver o céu na noite da descoberta.

O cometa que ele encontrou era realmente o segundo cometa Hyakutake, o primeiro era o cometa C/1995 Y1, que Hyakutake tinha descoberto apenas algumas semanas antes. Quando re-observava seu primeiro cometa (que nunca se tornou visível a olho nu), Hyakutake olhou para o céu e ficou surpreendido quando viu que havia um outro cometa, quase no mesmo local em que o outro tinha estado. Embora ele mal pudesse acreditar que tinha descoberto um segundo cometa tão próximo do primeiro, Hyakutake, relatou a sua observação na manhã seguinte ao Observatório Astronómico National do Japão. Mais tarde desse mesmo dia, a descoberta foi confirmada por observações independentes.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Jones, G. H., Balogh, A., Horbury, T. S., (2000). Identification of comet Hyakutake's extremely long ion tail from magnetic field signatures. Nature 404: 574.
  • Gloeckler, G., Geiss, J., Schwadron, N.A., et al (2000). Interception of comet Hyakutake's ion tail at a distance of 500 million kilometres. Nature 404: 576.
  • Mumma, M.J., Disanti, M.A., dello Russo, N., Fomenkova, M., Magee-Sauer, K., Kaminski, C.D., and D.X. Xie (1996). Detection of Abundant Ethane and Methane, Along with Carbon Monoxide and Water, in Comet C/1996 B2 Hyakutake: Evidence for Interstellar Origin. Science 272: 1310.
  • Bockelee-Morvan, D., Gautier, D., Lis, D.C., et al (1998). Deuterated Water in Comet C/1996 B2 (Hyakutake) and Its Implications for the Origin of Comets. Icarus 133: 147.
  • Glanz, J (1996). Comet Hyakutake Blazes in X-rays. Science 272: 194.
  • Sarmecanic, J., Fomenkova, M., Jones, B., and T. Lavezzi (1997). Constraints on the Nucleus and Dust Properties from Mid-Infrared Imaging of Comet Hyakutake. Astrophysical Journal Letters 483: L69.
  • Lisse, C.M., Fernández, Y.R., Kundu, A., et al (1999). The Nucleus of Comet Hyakutake (C/1996 B2). Icarus 140: 189.
  • Fulle, M., Mikuz, H., and S. Bosio (1997). Dust environment of Comet Hyakutake 1996 B2. Astronomy and Astrophysics 324: 1197.
  • Jewitt, D.C. and H.E. Matthews (1997). Submillimeter Continuum Observations of Comet Hyakutake (1996 B2). Astronomical Journal 113: 1145.
  • Schleicher, D.G., Millis, R.L., Osip, D.J., and S.M. Lederer (1998). Activity and the Rotation Period of Comet Hyakutake (1996 B2). Icarus 131: 233.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]