Cometa extinto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Cometas extintos são cometas que expeliram a maior parte do gelo volátil e têm pouco para formar uma cauda ou coma. O material volátil contido no núcleo cometário evapora-se, e tudo que sobra é uma rocha inerte ou pedras que se parecem com um asteroide. Os cometas podem passar por uma fase de transição à medida que se aproximam da exinção. Um cometa pode estar dormente em vez de extinto, se seus componentes voláteis estiverem selados abaixo de uma camada superficial inativa.

História[editar | editar código-fonte]

Thomas Rutherford, em 1748, supôs que os cometas fossem formados de matéria sólida, como os planetas, e não de matéria volátil. Os cometas, portanto, seriam astros fixos e duráveis, assim como os planetas. Seu raciocínio foi baseado na observação de cometas que passaram muito próximos ao Sol e que, aparentemente, não sofreram nenhum efeito. De fato, o cometa de 1680 passou, em 18 de dezembro,[Nota 1] a 6 milésimos de uma unidade astronômica [Nota 2] e recebeu uma quantidade de calor vinte e oito mil vezes maior do que o calor de um dia de verão, pois a quantidade de luz é inversamente proporcional ao quadrado da distância. Se o cometa fosse formado de vapores, estes teriam sido consumidos ou dissipados, mas como o cometa permaneceu inteiro após a passagem pelo periélio, conclui-se que os cometas são feitos de material fixo e durável, como os planetas.[1]

Natureza dos cometas extintos[editar | editar código-fonte]

A órbita excêntrica (0.66), como a de um cometa, do Hypnos.

Com o tempo, a maior parte do material volátil em um núcleo cometário evapora-se, e o cometa se torna um bloco de rochas ou pedras pequeno, escuro e inerte[2] que pode ser confundido com um asteroide.[3]

Outros tipos relacionados de cometas incluem os cometas em transição, que estão perto de se tornar extintos, como os que foram buscados na busca do Hubble por cometas em transição.[4]

Cometas dormentes são aqueles cujos materiais voláteis podem estar selados, mas que tem superfícies inativas. Por exemplo, 14827 Hypnos pode ser o núcleo de um cometa extinto que está coberto por uma crosta de vários centímetros de espessura que impede que qualquer componente volátil seja ejetado.[5]

A expressão cometa dormente também é usada para descrever cometas que podem se tornar ativos, mas não estão ejetando gases ativamente. Por exemplo, 60558 Echeclus apresentou uma coma cometária e agora também tem a designação cometária de 174P/Echeclus. Após passar pelo periélio no início de 2008, o centauro 52872 Okyrhoe aumentou seu brilho de forma significante..[6]

A distinção entre cometas e asteroides[editar | editar código-fonte]

Quando foram descobertos, os asteroides pareciam uma classe de objetos distinta dos cometas, e não havia um termo unificado para os dois até que "Corpo menor do Sistema Solar" foi usado em 2006 pela IAU. A diferença principal entre um asteroide e um cometa é que um cometa apresenta uma cauda devido à sublimação de gelos próximos da superfície pela radiação solar. Poucos objetos acabaram sendo duplamente listados por que foram classificados primeiro como asteroides mas mais tarde apresentaram evidência de atividade cometária. Inversamente, alguns (talvez todos) os cometas sofrem eventualmente a depleção dos gelos voláteis de sua superfície e se tornam asteroides. Uma outra distinção é que cometas tipicamente possuem órbitas mais excêntricas que os asteroides; a maioria dos "asteroides" com órbitas notavelmente excêntricas são provavelmente cometas dormentes ou extintos.Além disso, teoriza-se que eles sejam objetos comuns entre os corpos celestiais que orbitam próximo ao Sol.[7]

Perto de seis por cento dos asteroides próximos da Terra podem ser núcleos de cometas extintos que não mais apresentam jatos de gás.[5] [8] [9]

Núcleo cometário do 9P/Tempel 1 conforme fotografado pela sonda espacial Deep Impact da NASA

Cometas extintos[editar | editar código-fonte]

A lista de corpos que se supõe sejam cometas extintos incui:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. Segundo Thomas Rutherford, que usa a data no calendário juliano, o periélio foi no dia 8 de dezembro.
  2. No texto de Rutherford, a distância média da Terra ao Sol.

Referências

  1. Thomas Rutherford, A system of natural philosophy: being a course of lectures in Mechanics, Optics, Hydrostatics, and Astronomy, Volume 2 (1748), 364. Os cometas são corpos fixos e duráveis, como os planetas, p.954 [google books]
  2. "If comets melt, why do they seem to last for long periods of time?", Scientific American, November 16, 1998
  3. "What is the difference between asteroids and comets?", Rosetta FAQ, ESA
  4. Space Telescope Science Institute, 'Amateur Astronomers Will Use NASA's Hubble Space Telescope', Media Release STScI-1992-23, 10 September 1992, retrieved 18 March 2009.
  5. a b c Whitman, Kathryn; Alessandro Morbidelli and Robert Jedicke. (2006). "The Size-Frequency Distribution of Dormant Jupiter Family Comets".
  6. Trigo-Rodríguez, Melendo, García-Hernández, Davidsson, Sánchez (2008). A continuous follow-up of Centaurs, and dormant comets: looking for cometary activity. (PDF) European Planetary Science Congress. Página visitada em 2008-10-12.
  7. a b SOHO's new catch: its first officially periodic comet European Space Agency (25 September 2007). Página visitada em 2007-11-19.
  8. A. Morbidelli, W. F. Bottke Jr., Ch. Froeschlé, P. Michel. (janeiro 2002). "Origin and Evolution of Near-Earth Objects" (PDF). Asteroids III: 409–422. University of Arizona Press.
  9. a b c D.F. Lupishko, M. di Martino and T.A. Lupishko. (setembro 2000). "What the physical properties of near-Earth asteroids tell us about sources of their origin?". Kinematika i Fizika Nebesnykh Tel Supplimen: 213–216.

Ver também[editar | editar código-fonte]