Comoditização

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo está a ser traduzido (desde junho de 2009). Ajude e colabore com a tradução.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Tradução.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde dezembro de 2009.

Comoditização (ou comodificação) é a transformação de bens e serviços (ou coisas que podem não ser normalmente percebidos como bens e serviços)[1] em um commodity.

O entendimento marxista de commodity é distinto do significado de commodity na teoria econômica geral .

O uso mais antigo da palavra Comoditização em inglês (Commodification) é atestado no Oxford English Dictionary data de 1975.[carece de fontes?]

O uso do conceito de comoditização se tornou comum com o aumento da análise crítica do discurso na semiótica.[carece de fontes?]

Teoria Marxista[editar | editar código-fonte]

Em economia política Marxista,[2] Comoditização toma lugar quando o valor econômico é assinalado a algo não previamente considerado em termos econômicos; por exemplo, uma idéia, identidade ou sexo. Então, comoditização se refere a expansão do mercado para áreas anteriormente não comerciais, e o tratamento de coisas como se elas fossem commodities comerciáveis.


Referências

  1. Isto inclui dinheiro em si, seres humanos, e o meio-ambiente, que não são bens e serviços, além de commodities. Ver Karl Polanyi, "The Self-Regulating Market", pg. 40 em Economics as a Social Science, 2.a ed, 2004.
  2. "Commodification". Encyclopedia of Marxism. Ed. Andy Blunden. Consultado em 2008-07-21. 

Ver também[editar | editar código-fonte]