Vale S.A.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Companhia Vale do Rio Doce)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Vale
Vale S.A.
Slogan Vale:"Para um mundo com novos Valores."
Tipo Empresa de capital aberto
Cotação (BM&F Bovespa: VALE3, VALE5)
(NYSE: VALE, VALEP)
(Euronext: VALE3:, VALE5)
(BMAD: XVALO, XVALP)
(SEHK: 6210, 6230)
Indústria Mineração, Logística, Energia, Siderurgia
Gênero Sociedade Anônima
Fundação 1942 (72 anos)
Fundador(es) Brasil sob a presidência de Getúlio Vargas, tendo como articulador principal o presidente
Sede Rio de Janeiro, RJ,  Brasil
Áreas servidas Todo o mundo
Pessoas-chave Murilo Ferreira (CEO)
Empregados 119.000
Produtos Pesquisa, extração, produção e comércio de minérios, geração de energia, transporte ferroviario, operação portuária.
Subsidiárias Vale Inco
Vale Fertilizantes
Acionistas Bradespar
Mitsui
BNDESpar
Valor
de mercado
Aumento R$ 156,656 bilhões (Ago/2014)[1]
Lucro Baixa R$ 115 milhões (2013)[2]
LAJIR Baixa R$ 258 milhões (2013)[2]
Faturamento Aumento R$ 106,274 bilhões (2013)[3]
Página oficial www.vale.com

A Vale é uma das maiores mineradoras do mundo. Brasileira, criada para a exploração das minas de ferro na região de Itabira, no estado de Minas Gerais em 1942 no governo Getúlio Vargas, a Vale é hoje uma empresa privada, de capital aberto, com sede no Rio de Janeiro [4] , e com ações negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBOVESPA), na Bolsa de Valores de Paris (L15) (NYSE Euronext (L16), na Bolsa de Valores de Madrid (L17) (LATIBEX (L18), na Bolsa de Valores de Hong Kong (L19) (R4) (HKEx (L20) (R5) [5] (HKEx) e na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), integrando o Dow Jones Sector Titans Composite Index.[6]

É considerada a terceira maior mineradora do mundo [7] , a maior produtora de minério de ferro e a segunda maior de níquel. A Vale destaca-se ainda na produção de manganês, cobre, carvão, cobalto, pelotas, ferroligas e alguns fertilizantes, como os fosfatados (TSP e DCP) e nitrogenados (ureia e amônia).

O Conselho de Administração da Vale é controlado pela Valepar S.A,[8] que detém 53,3% do capital votante da Vale (33,6% do capital total). Por sua vez a constituição acionária da Valepar é a seguinte: Litel/Litela (fundos de investimentos administrados pela Previ) com 49% das ações, Bradespar com 17,4%, Mitsui com 15%, BNDESpar com 9,5%, Elétron (Opportunity) com 0,03%.

Opera em 13 estados brasileiros e nos cinco continentes e possui mais de dez mil quilômetros de malha ferroviária e 9 terminais portuários próprios.[9] É a maior empresa no mercado de minério de ferro e pelotas (posição que atingiu em 1974 e ainda mantém) e a segunda maior produtora integrada de manganês e ferroligas, além de operar serviços de logística, atividade em que é a maior do Brasil.

No Brasil, os minérios são explorados por quatro sistemas totalmente integrados, que são compostos por mina, ferrovia, usina de pelotização e terminal marítimo (Sistemas Norte, Sul e Sudeste). A Vale consome cerca de 5% de toda a energia produzida no Brasil.[10]

Em 24 de outubro de 2006 a Vale anunciou a incorporação da canadense [Inco][11] , a maior mineradora de níquel do mundo, que foi efetivada no decorrer de 2007.[12] Após essa incorporação, o novo conglomerado empresarial CVRD Inco - que mudou de nome em novembro de 2007 - tornou-se a 31ª maior empresa do mundo, atingindo um valor de mercado de R$ 298 bilhões, à frente da IBM. Em 2008 seu valor de mercado foi estimado em 196 bilhões de dólares pela consultoria Economática, perdendo no Brasil apenas para a Petrobras (287 bilhões) e se tornando a 12ª maior empresa do mundo.

Em 2012 foi eleita a pior empresa do mundo pelo “Public Eye Awards”,[13] , por conta dos impactos de suas atividades em questões de direitos humanos e meio ambiente.

História[editar | editar código-fonte]

Primórdios[editar | editar código-fonte]

Vários grupos de investidores internacionais adquiriram extensas glebas de terra próximas a Itabira e, em 1909, se reuniram fundando o Brazilian Hematite Syndicate, um sindicato que visava a explorá-las.

Em 1911, o empresário estadunidense Percival Farquhar adquiriu todas as ações do Brazilian Hematite Syndicate e mudou seu nome para Itabira Iron Ore Company. Percival Farquhar fez planos para que a Itabira Iron Ore Co. exportasse 10 milhões de toneladas/ano de minério de ferro para os Estados Unidos, usando navios pertencentes a seu sindicato, que trariam carvão dos EUA ao Brasil, tornando assim o frete mais econômico. Esse plano antecipava em mais de 40 anos um conceito que, modificado e atualizado, viria a se tornar realidade, sob a direção de Eliezer Batista, na década de 1960, quando da inauguração do Porto de Tubarão.

Percival Farquhar não logrou sucesso. Embora pudesse contar com a simpatia do presidente Epitácio Pessoa, que lhe deu uma concessão conhecida como Contrato de Itabira de 1920, Farquhar encontrou ferozes opositores a seu projeto, dentre eles o governador do estado de Minas Gerais (então quase autônomo), Artur Bernardes, que depois se elegeria presidente da República.

Décadas de debates acalorados se seguiram, com o país praticamente dividido entre os adeptos das duas posições, sem que o projeto de Farquhar saísse da prancheta.

Esse plano foi inviabilizado quando Getúlio Vargas assumiu o poder, à frente da Revolução de 1930, e encampou as reservas de ferro que pertenciam a Farquhar, criando com elas, em 1942, a Companhia Vale do Rio Doce, como uma empresa estatal, para o que obteve o beneplácito dos Estados Unidos e da Inglaterra nos Acordos de Washington.[14]

Os primeiros cinquenta anos[editar | editar código-fonte]

Após sua fundação, a Vale conseguiu ir, pouco a pouco, expandindo sua produção de minério de ferro, mas de forma ainda muito lenta.

O Brasil tinha grandes reservas do mineral, mas a demanda era reduzida. A Vale vivia praticamente só para fornecer matéria prima para as siderúrgicas nacionais, sendo a maior delas, então, a Companhia Siderúrgica Nacional.

Em dezembro de 1952 Francisco de Sá Lessa, engenheiro civil de formação, assumiu a presidência da Vale, ainda denominada Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), permanecendo no cargo até 1960. Neste período a Companhia modernizou seus postos e conquistou novos mercados. Sá Lessa inaugurou os primeiros escritórios da empresa no exterior.

Em 1961, nomeado por Jânio Quadros - em seu último ato político antes da renúncia - entra em cena seu novo presidente, Eliezer Batista, "o engenheiro ferroviário que ligou a Vale ao resto do mundo". Percebendo a necessidade dos japoneses de expandir seu parque siderúrgico, grandemente danificado na segunda guerra, criou o conceito de distância econômica, o que permitiu à Vale entregar minério de ferro ao Japão - antípoda do Brasil - a preços competitivos com o das minas da Austrália, através do Porto de Tubarão.

Abrimos o mercado para um produto que podia valer pouco, mas a idéia era ganhar dinheiro com a "logística", transformando uma distância física (a rota Brasil-Japão-Brasil) numa "distância econômica" , (o valor para colocar o minério nas usinas japonesas), explica Eliezer.[15]

Foram assinados, em 1962, contratos de exportação, válidos por 15 anos, com 11 siderúrgicas japonesas, num total de 5 milhões de toneladas/ano - quase que dobrando a produção da Vale.

Em 1962 a Vale produziu cerca de 8 milhões de toneladas de minério de ferro.[16]

Com a criação da Docenave, em 1962, e a inauguração do Porto de Tubarão, em 1966, a Vale entrou numa fase de crescimento vertiginoso, em que sua produção passou de 10 milhões de toneladas/ano, em 1966, para 18 milhões, em 1970, e atingiu a incrível marca de 56 milhões de toneladas/ano, em 1974, ano em que a então estatal assumiu a liderança mundial na exportação de minério de ferro, a qual nunca mais perdeu.

A Docenave, empresa de navegação da Vale, criada em 1962 para levar parte do minério (40%) ao Japão, chegou a ser a terceira maior empresa de navegação graneleira do mundo.

Em 1979, quando tomou posse como presidente da República, o general João Batista Figueiredo reconduziu Eliezer Batista à presidência da Vale. Ex-ministro do presidente deposto João Goulart, Eliezer foi, durante o regime militar, diretor-presidente da Minerações Brasileiras Reunidas S/A (MBR), vice-presidente da Itabira lnternational Com­pany, diretor da Itabira Eisenerz GMPH, com sede em Dusseldorf, na Alemanha Ocidental, presidente da Rio Doce Internacional S/A, subsidiária da Vale com sede em Bruxelas, consultor e promotor de negócios para o governo mineiro e presidente da Paranapanema, uma das maiores mineradoras do país.

Após duras e complexas negociações, Eliezer conseguiu tornar a Vale (que era minoritária, com participação de 49,75%) sócia majoritária do complexo Carajás que fora descoberto, na década de 1960, pela U.S. Steel.

Situado na Serra dos Carajás, o Projeto Grande Carajás é uma imensa província mineralógica que contém a maior reserva mundial de minério de ferro de alto teor, além de grandes reservas de manganês, cobre, ouro e minérios raros.

Para a realização desse projeto, foi criada uma grande infra-estrutura, que inclui a Usina Hidrelétrica de Tucuruí, uma das maiores do mundo, a Estrada de Ferro Carajás-Itaqui e o Porto de Ponta da Madeira, localizado em Itaqui, (MA).

O projeto Grande Carajás entrou em operação em 1985, o que permitiu à Vale bater novo recorde na extração de minério de ferro, em 1989, com 108 milhões de toneladas métricas .

Tempos atuais[editar | editar código-fonte]

Quando foi privatizada, em 1997, a Vale produzia 114 milhões de toneladas/ano, nível que se manteve praticamente estável nos dois anos subsequentes à privatização, para subir acentuadamente em 2000 - quando da incorporação à Vale da Samitri, Socoimex e da participação na GICC. Devido a essas aquisições, torna-se mais difícil a comparação direta dos números de produção, de 2000 em diante, com os anteriores.[15] Logo após a privatização, entretanto, os lucros da empresa aumentaram consideravelmente.[14]

Em 2002 a Vale adquiriu a Ferteco e, em 2003, a Caemi.

Em 2005, sua produção de minério de ferro - que engloba a produção da Samitri e de todas as suas incorporadas a partir de 2000 - se elevou a 255 milhões de toneladas, sendo 58 milhões destinadas às siderúrgicas brasileiras e 197 milhões destinadas à exportação.[17]

Hoje a Vale realiza investimentos importantes para a produção de cobre, devendo tornar-se, em poucos anos, uma das maiores players mundiais desta commodity.

Dentre outros investimentos importantes que a Vale realiza, pode-se citar o incentivo à implantação de novas siderúrgicas no Brasil através de participação minoritária e o controle de uma das maiores estruturas de logística do país, incluindo ferrovias e navios.

Em 2006, a Vale adquiriu 100% das ações da Caemi, a qual detinha 85% das ações da MBR - Minerações Brasileiras Reunidas, empresa sediada em Nova Lima, região metropolitana de Belo Horizonte,segunda maior produtora e exportadora de minério de ferro do Brasil. Com essa aquisição, a Vale que já detinha diretamente 5% da MBR, passa a ser detentora de 90% das ações da MBR.

Em outubro de 2006, a Vale comprou a canadense Inco, tornando-se a segunda maior empresa de mineração do mundo, atrás da anglo-australiana BHP Billiton.[18] A empresa brasileira comprou 75,66% das ações ordinárias da Inco por cerca de 18 bilhões de dólares.

A partir de 29 de novembro de 2007, a marca e o nome de fantasia da empresa passaram a ser apenas Vale S.A, nome pelo qual sempre foi conhecida nas bolsas de valores, mas foi mantida a razão social original. Em uma assembleia geral realizada em 22 de maio de 2009, foi aprovada a alteração da razão social da empresa para Vale S. A.

Em 2008, a Companhia Vale do Rio Doce deixou de usar a sigla CVRD, passando a usar o nome Vale e se tornou a 33° maior empresa do mundo (de acordo com o Financial Times de 2008) é a maior do Brasil em volume de exportações, com quantidade superior à da Petrobras.[19]

Em assembleia geral extraordinária de acionistas, ocorrida no dia 22 de maio de 2009, foi decidida a mudança de nome legal da empresa para Vale S.A.[20] [21]

O Instituto Tecnológico da Vale (ITV), instituição de ensino e pesquisa da empresa, foi criado em 2009 com o objetivo de criar opções de futuro por meio da pesquisa científica e do desenvolvimento de tecnologias. Atualmente possui duas unidades: em Belém, com foco em Desenvolvimento Sustentável e em Belo Horizonte, com foco em Mineração.[22]

Em 2010 fez uma grande aquisição no segmento de fertilizantes por meio da sua subsidiária Mineração Naque S.A.. Adquiriu as ações de propriedade da Mosaic (The Mosaic Company), da Fertifos (Fertifos Administração e Participações S.A.) e da Fosfertil (Fertilizantes Fosfatados S.A.), além de 100% do capital da Bunge Participações e Investimentos S.A. (BPI). Nessa mesma operação a Vale também adquiriu uma planta de processamento localizada em Cubatão, no estado de São Paulo, com capacidade para produzir 300.000 toneladas métricas por ano de superfosfato simples.[23]

Em 28 de julho de 2011 a Vale divulga lucro líquido de pouco menos de 6 e meio bilhões de dólares no segundo trimestre de 2011.[24]

Segmentos de atuação[editar | editar código-fonte]

Minerais ferrosos[editar | editar código-fonte]

Em 2005 a produção de minério de ferro da Vale atingiu um novo recorde de 240,4 milhões de toneladas, 10,3% acima do volume produzido em 2004. Entre 2001 e 2005, a produção da companhia cresceu à taxa média anual de 15%. Contribuíram para esse resultado a entrada em operação da mina de Fábrica Nova no Sistema Sul, ramp-up de Capão Xavier, expansão de capacidade de Carajás e ganhos de produtividade em quase todas as demais minas. Em 2005 a produção de pelotas foi de 36,376 milhões de toneladas, 2,2% acima do volume de 2004. Foram produzidas 22,8 milhões de toneladas de pelotas de alto-forno e 13,6 milhões de toneladas de pelotas de redução direta.

Em 2005, fechou o preço benchmark com a Nippon Steel, uma das maiores siderúrgicas da Ásia, com aumento de 71,5% para o sinter feed Carajás em relação ao preço de 2004, o que corresponde ao maior reajuste da história. Já o preço FOB-Tubarão de pelotas subiu 86,67%, e para o minério de ferro granulado o aumento foi de 79%.

As vendas de minério de ferro e pelotas bateram recorde em 2005, com 252,189 milhões de toneladas.

A cadeia do alumínio: bauxita, alumina, e alumínio primário[editar | editar código-fonte]

A produção da cadeia do alumínio em 2005 foi de 6,9 milhões de toneladas de bauxita, 2,6 milhões de toneladas de alumina e 496 mil toneladas de alumínio primário, níveis recordes.

Após a entrada em operação de seus módulos 4 e 5, inaugurados no primeiro trimestre de 2006, a Alunorte se tornou na maior refinaria de alumina do mundo.

Foi desenvolvida a mina de bauxita de Paragominas, no Estado do Pará, cujo início de produção ocorreu no primeiro trimestre de 2007.

Em 2011 a Vale anunciou a conclusão da transação com a Norsk Hydro ASA (Hydro) para transferir todas as suas participações na Albras - Alumínio Brasileiro S.A., Alunorte - Alumina do Norte do Brasil S.A. e Companhia de Alumina do Pará (CAP). A Vale também criou a empresa Mineração Paragominas S.A. (Paragominas) e transferiu a mina de bauxita de Paragominas e todos os seus demais direitos minerários de bauxita do Brasil. A Vale vendeu 60% da Paragominas a Hydro e os outros 40% serão vendidos até 2015.[25] . Ainda assim, a Vale continua exposta ao negócio de alumínio.

Minerais não ferrosos[editar | editar código-fonte]

Em 2005 a Vale inaugurou sua atuação na indústria de concentrado de cobre (o primeiro ano completo de operação da Mina do Sossego) e já conta com 13 clientes, situados em 11 diferentes países.

Foram iniciadas as obras da usina hidrometalúrgica de Carajás, com capacidade de 10 mil toneladas anuais de cobre catodo. Construída junto à Mina do Sossego, objetiva testar a tecnologia da rota hidrometalúrgica para o processamento do minério de cobre, com vistas a processar, no futuro, o minério a ser produzido pelos depósitos do Salobo e Alemão.

A Vale também atua na recuperação de cobre no Canadá em Sudbury e Voisey's Bay e no Chile por meio da planta Tres Valles.

A produção de cloreto de potássio, matéria-prima da indústria de fertilizantes, foi de 641 mil toneladas, outro recorde histórico, e suas vendas foram de 640 mil toneladas.

A produção de total caulim, em 2005, foi de 1,218 milhão de toneladas.

Carvão[editar | editar código-fonte]

A Vale associou-se à Henan Longyu Energy Resources Ltda. (Longyu), empresa localizada na China e da qual a companhia possui 25% do capital, em associação com empresas chinesas. [26]

Em 2006, chegou ao terminal de Praia Mole, em Vitória (Espírito Santo), o primeiro carregamento de carvão antracito, de 40 mil toneladas produzido pela Longyu.

A Vale adquiriu 25% do capital da Shandong Yankuang International Coking Co., associação com o Yankuang Group Co. e Itochu Corporation, para a produção de coque metalúrgico.

Desde 2009 a Vale adquiriu a produção de carvão térmico e passou a exportar ativos da Colômbia de Cementos Argos S.A. com um acordo de US$305 milhões.[27]

Em 2011 a Vale passou a administrar o depósito de carvão de Moatize, em Moçambique, onde estima ser possível prodruzir 14 milhões de toneladas de produtos de carvão metalúrgico, e pesquisa ainda o depósito de carvão subterrâneo Belvedere, em Queensland, Austrália, com reservas estimadas em 2,7 bilhões de toneladas.

Serviços de logística[editar | editar código-fonte]

A Vale é a principal fornecedora de serviços de logística no Brasil, sendo responsável por 68% da movimentação de cargas em ferrovias e 27% da movimentação portuária.

Em 2005 movimentou 10,7 milhões de toneladas de soja em grãos, farelo de soja, açúcar, fertilizantes e outros produtos.

A Vale foi responsável pela movimentação, incluindo transporte ferroviário e serviços portuários, de 18% das exportações brasileiras de soja e por 9% da movimentação na importação de fertilizantes.

A empresa foi a principal empresa no transporte marítimo de carga entre Brasil e Argentina em 2005.

A Vale investiu 1,8 bilhão de reais em 2005 na sua infra-estrutura de logística, tendo adquirido 5.414 vagões e 125 locomotivas para utilização no transporte de seus produtos e de carga geral para clientes na Estrada de Ferro Carajás ­- EFC, Estrada de Ferro Vitória a Minas -­ EFVM e Ferrovia Centro-Atlântica - ­FCA. Existe também o TVV - Terminal Marítimo de Vila Velha no Espírito Santo.

Recentemente adquiriu a concessão para exploração da Ferrovia Norte-Sul, que interliga-se com a Estrada de Ferro Carajás, seguindo em direção ao centro-oeste do Brasil.

Energia[editar | editar código-fonte]

A Vale atua na produção de energia através de hidrelétricas, gás natural e biodiesel, e possui uma subsidiária neste segmento, a Vale Soluções em Energia (VSE).[28]

A VSE atua em sistemas de potência, com ênfase em motogeradores, gaseificadores e turbogeradores, e conta com um centro de desenvolvimento de produtos instalado numa área de 100 mil m² no Parque Tecnológico de São José dos Campos.[29]

Reservas[editar | editar código-fonte]

O ICEE-98 - International Conference on Engeneering Education, realizado no Rio de Janeiro em 1998, calculou que suas reservas de minério de ferro, só em Carajás, sem contar com outros minérios, podiam durar 400 anos, com extração contínua aos níveis de então.[30]

Com a extração mantida aos níveis de 2005, o diretor-presidente da Vale, Roger Agnelli, estima que as reservas de minério de ferro totais da companhia perdurem por 200 anos.

As reservas de ferro de Corumbá durarão 30 anos, e as de manganês, 80 anos.[31]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2012 foi eleita como a pior empresa do mundo, no que refere-se a direitos humanos e meio ambiente, pelo “Public Eye People´s”,[13] premiação realizada desde o ano 2000 pelas ONG's Greenpeace e Declaração de Berna. Dessa forma a Vale tornou-se a primeira empresa brasileira a "vencer" tal eleição, também conhecida como "Oscar da Vergonha". A escolha foi realizada por meio de votação pública, tendo a Vale recebido 25 mil votos. Em segundo lugar na eleição ficou a japonesa Tepco, responsável pela operação das usinas nucleares de Fukushima, atingidas por um tsunami em março de 2011.[32]

Privatização da companhia[editar | editar código-fonte]

A Vale foi privatizada no dia 6 de maio de 1997 - durante o governo de Fernando Henrique Cardoso - com financiamento subsidiado, disponibilizado aos compradores pelo BNDES.

A venda do controle acionário da Vale foi concretizada em 6 de maio de 1997 para consórcio Brasil, liderado pela Companhia Siderúrgica Nacional, de Benjamin Steinbruch, que adquiriu o controle acionário da Vale por US$ 3.338.178.240 ou cerca de 3,3 bilhões de dólares, na ocasião.,[33] representando 27% do capital total da empresa, antes pertencente à União, que representavam 41,73% das ações ordinárias (com direito a voto) da empresa.[14] As ações preferenciais (sem direito a voto) continuaram em mãos de acionistas privados.

Esse enorme ganho de lucratividade se deveu, sobretudo, ao grande aumento havido no preço do minério de ferro - que subiu 123,5% entre 2005 e 2006 [34] - graças ao aumento da procura mundial, sobretudo pela China - o que permitiu à Vale, a maior detentora de reservas de minério de ferro do mundo, fazer pesados investimentos e implementar controles de gestão, tornando-se ainda mais competitiva para atender, assim, às novas necessidades chinesas e, conseqüentemente, manter sua posição de maior exportadora de minério de ferro do mundo.

Este ganho refletiu-se em elevação da competitividade da empresa no cenário internacional.[35] Mas, por outro lado, o valor das ações da Petrobras, não privatizada, subiu 1200% no período entre maio de 1997 e junho de 2007 (50% a mais que as ações da Vale, privatizada), seu valor de mercado superou a marca dos cem bilhões de dólares.[36] A Vale incorporou a INCO canadense, em 2006. Após essa incorporação, o novo conglomerado empresarial CVRD Inco tornou-se a 31ª maior empresa do mundo, atingindo um valor de mercado de R$ 298 bilhões, ultrapassando assim a IBM e - por algumas semanas - até 8 de novembro de 2007, superando a Petrobras em cerca de R$ 8 bilhões [37] [38] [39] .

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

A privatização da Vale S.A. foi controversa por não ter levado em conta o valor potencial das reservas de ferro em possessão da companhia na época, apenas o valor de sua infraestrutura. Contudo houve um contexto político, histórico e econômico para que tal decisão fosse tomada, pois desde os fins da década de 1970, o mundo passou a seguir a corrente de pensamento econômica neoclássica, e consequentemente o FMI criou um conjunto de normas, conhecido como o Consenso de Washington, que defendia a privatização de todas as empresas estatais, indiscriminadamente, como uma fórmula que deveria acelerar o desenvolvimento econômico mundial. Enquanto, para os economistas ortodoxos tradicionais, a privatização representa um conceito hegemônico, outras disciplinas vêem esse fenômeno sob diversos ângulos. Assim, Feigenbaum e Henig (1994) [40] [41] encaram a privatização como sendo um fenomeno fundamentalmente político - e não econômico, administrativo ou fiscal - que deve ser analisado como tal; não seria uma reação natural em oposição ao aumento do tamanho do Estado, ou aos custos relacionados à sua manutenção. A privatização freqüentemente tem objetivos políticos explicítos, e tem consequências, que redistribuem os custos e benefícios dentre diferentes grupos numa sociedade.[41]

Muitos defendem as privatizações, por entenderem que não cabe ao Estado exercer atividades econômicas. Os favoráveis às privatizações citam freqüentes casos de corrupção, de empreguismo e de ineficiência ocorrida em grande parte das empresas estatais. Já os contrários à privatização alegam que o Estado brasileiro vendeu para grupos multinacionais patrimônio público por um valor muito inferior ao real, dando a esses grupos econômicos privilegiados a oportunidade de realizar lucros extraordinários.

Por outro lado, muitos setores da sociedade alegaram que a privatização da Vale foi executada de maneira irregular, que a empresa foi vendida sem ter sido corretamente avaliada, que o Brasil abriu mão de sua soberania sobre reservas do estratégico minério de ferro - que durariam séculos - e que o assunto não foi democraticamente discutido com a população - em tese sua proprietária - além de considerarem a privatização, em si, desnecessária.

Argumentam que se o objetivo das privatizações era evitar as mazelas mais comuns em algumas empresas estatais, teria sido possível incorporar aos estatutos da Vale cláusulas determinando que os cargos de Diretoria deveriam ser obrigatoriamente preenchidos por funcionários de carreira, promovidos por merecimento, como aconteceu, nos anos 1960, com Eliezer Batista. Métodos modernos de governança corporativa poderiam ter sido implantados na empresa para evitar quaisquer desvirtuamentos de suas finalidades. Porém, os defensores da privatização afirmam que esta é uma situação onde se diz que "o lobo toma conta do galinheiro", ou seja, é uma situação utópica, de dificílima aplicação, visto que se políticos quiserem usar uma estatal como moeda de troca e cabide de empregos, será impossível impedir; já numa empresa privada é impossível ocorrer tal interferência.

Tão polêmica tornou-se sua privatização que o jornalista Elio Gaspari apelidou essa operação de privataria, criando um neologismo. Supostos desvios de finalidades nas privatizações não teriam ocorrido só no Brasil, mas no mundo. Joseph E. Stiglitz, ex-Vice-Presidente Sênior para políticas de desenvolvimento do Banco Mundial, apelidou esse processo, ocorrido sobretudo nas privatizações dos anos 1990, de briberization ("propinização").[42]

Setores descontentes da sociedade impetraram mais de cem ações populares para tentar anular a venda da Vale - dentre elas a proposta por um grupo de juristas de São Paulo, liderados pelo professor Fábio Konder Comparato a quem se juntaram Celso Antônio Bandeira de Mello, Dalmo de Abreu Dallari, Goffredo da Silva Telles Jr. e Eros Grau. Estas ações se arrastam na justiça até hoje, com remotas possibilidades de sucesso, segundo alguns especialistas .[43] [44]

Dois bancos internacionais foram chamados pelo governo FHC para fazer a avaliação da companhia que seria leiloada, sendo um deles a Merrill Lynch. Por uma razão que até hoje muitos economistas não conseguem entender, os bancos escolhidos por FHC concordaram em avaliar a Vale apenas pelo critério de fluxo de caixa existente à época, descontado,[45] não levando em conta o valor potencial de suas reservas de minério de ferro (que entraram no negócio por valor zero) [34] - e que eram capazes de abastecer o mundo pelos próximos 400 anos.[30] [46] Estes critérios continuam sendo fortemente questionados e há certos setores da sociedade tentando organizar um plebiscito para reverter a privatização da Vale, que julgam ter sido feita de uma forma lesiva ao patrimonio do Brasil.[47]

Após a privatização, a Vale pôde arcar com pesados investimentos, que até o momento somam a quantia de 16,5 bilhões de dólares, fazendo seu lucro anual subir de cerca de 500 milhões de dólares em 1996 para aproximadamente 12 bilhões de dólares em 2006. O número de empregos gerados pela companhia também aumentou desde a privatização - em 1996 eram 13 mil e em 2006 são mais de 41 mil. Atualmente, o principal acionista da Vale é a a União, através do BNDES Participações, de fundos de previdência de suas estatais e de participação direta, que detêm a maioria das ações da Vale. Em 2005, a empresa pagou 2 bilhões de reais de impostos no Brasil, cerca de 800 milhões de dólares ao câmbio da época.[43] [48] .

Notas e referências

  1. http://www.bloomberg.com/quote/VALE5:BZ
  2. a b Desempenho da Vale em 2013
  3. http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/prejuizo-da-vale-mais-que-dobra-no-4o-tri-e-derruba-lucro-em-2013-4?page=2
  4. Infoplex: Dados cadastrais da matriz
  5. http://saladeimprensa.vale.com/pt/release/interna.asp?id=20302
  6. http://www.vale.com/pt-br/investidores/acoes-e-titulos-da-divida/listagem-em-bolsa-de-valores/paginas/default.aspx
  7. http://guilhermebarros.istoedinheiro.com.br/2012/12/10/vale-perde-2o-lugar-de-maior-mineradora-para-rio-tinto/
  8. Bradespar: Valepar
  9. http://www.vale.com/pt-br/o-que-fazemos/logistica/paginas/default.aspx
  10. http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2007-09-05/subsidio-indireto-em-energia-garante-competitividade-da-vale-diz-campanha
  11. http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u111871.shtml
  12. Compra da Inco pela Vale é formalizada. Negócios.O Estado de S. Paulo. p. B13, 4 de janeiro de 2007
  13. a b http://www.publiceye.ch/en/ranking/
  14. a b c CVRD - História da Vale
  15. a b FARO,Luiz Cesar, POUSA, Carlos e FERNANDEZ, Claudio. Apanhado de entrevistas com Eliezer Batista. Patrocínio Cia. Vale do Rio Doce e Sepetiba Tecon - Tiragem dirigida, 2005
  16. (em inglês)CVRD: 62 Years of successful presence in he iron ore market.Iron ore products. Cia Vale do Rio Doce: 2004
  17. Booklet da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) Iron Ore Products 2006.
  18. Portal G1 - VALE COMPRA EMPRESA CANADENSE E SE TORNA 2ª MAIOR DO MUNDO
  19. estat[isticas de Com[ercio Exterior
  20. Vale muda seu nome legal para Vale S.A.
  21. Vale muda seu nome legal para Vale S.A.
  22. ITV. Visitado em 7/10/2014.
  23. http://exame.abril.com.br/negocios/empresas/noticias/vale-compra-fosfertil-minas-bunge-us-3-8-bi-528992
  24. http://economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idnoticia=201107282113_RTR_1311887193nE5E7HG00L
  25. http://economia.estadao.com.br/noticias/neg%C3%83%C2%B3cios,vale-vende-participacoes-em-aluminio-e-bauxita-para-a-norsk-hydro,16217,0.htm
  26. Yahoo! Finanças
  27. http://paguntaka.org/2008/12/29/brazilian-mining-company-vale-to-buy-coal-mine-asset-from-cementos-argos/
  28. Energia
  29. Vale Soluções em Energia
  30. a b (em inglês) Carajás Mining in the Amazon Region - Iron Ore. Rio de Janeiro: International Conference on Engeneering Education, 1998
  31. Vale do Rio Docê prevê US$ 1 bilhão para pólo siderúrgico em Corumbá, MS. Fonte: Correio do Estado, 09/09/04
  32. http://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2012/01/vale-recebe-premio-de-empresa-com-pior-atuacao-social-e-ambiental.html
  33. Consórcio da CSN compra a Vale em leilão. O ValeParaibano, Vale do Paraíba, quarta-feira, 7 de maio de 1997
  34. a b HOFFMANN, Geraldo. Vale do Rio Doce, uma empresa com pulmão de ferro. Deutsche Welle: Brasil, 26.11.2006
  35. NUNES, Ricardo da Costa - Privatização e Ajuste Fiscal no Brasil
  36. Petrobras é a oitava empresa mais respeitada do mundo.
  37. Vale do Rio Doce supera Petrobras em valor de mercado
  38. Valor da estatal sobe R$ 48 bi. Agência Estado, 9 de novembro de 2007
  39. Brasil será exportador de petróleo após descoberta de jazida gigante - Fonte: O Globo Online, 8 de novembro de 2007
  40. FEIGENBAUM, Harvey B., HENIG, Jeffrey, e HAMNETT, Chris. Shrinking the State: The Political Underpinnings of Privatization. Cambridge: Cambridge University Press,1998
  41. a b [CHAMBERLIN, J.R. e JACKSON,J.E. Privatization as Institutional Choice. Journal of Policy Analysis and Management. 6(4, 1987):586-604.]
  42. (em inglês) STIGLITZ, Joseph E. Making Globalization Work.W. W. Norton & Co.: New York, London, 2006. p. 142
  43. a b Cia. VALE do Rio Doce. Demonstrações Contábeis de 2005 - BRGAAP
  44. VIANNA, Andrea. Privatização sub judice - O futuro da 'Vale" nos tribunais. Vitória: Reportagens Especiais - Assembléia Legislativa do E. do Espírito Santo. 13/03/2006
  45. SILVA, Armando Francisco da. Fluxo de Caixa. São Bernardo do Campo: in Revista da Faculdade de Economia e Ciências Contábeis, Ecco 1, UMESP
  46. FIORI, Mylena. CNBB defende plebiscito sobre privatização da Vale. Agência Brasil, 17/11/2006
  47. Consulta sobre reversão da venda da Vale tem data fixada. São Paulo: O Estado de S. Paulo - Nacional, 26/11/2006
  48. Cia. VALE do Rio Doce. Fact Sheet.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal
A Wikipédia possui o
Portal da economia.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ANDERSON, Benedict R.O’G. Nação e consciência nacional. São Paulo: Ática, 1989.
  • BIONDI, Aloysio. O Brasil Privatizado: um balanco do desmonte do estado. Editora Fundação Perseu Abramo, 1999
  • Companhia Vale do Rio Doce. Companhia Vale do Rio Doce: 50 anos de história. Rio de Janeiro: 1992. 297 páginas.
  • HOBSBAWM, E.J. Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.
  • MANTEGA, Guido. A economia política brasileira. 7. Ed. – Rio de Janeiro: Vozes, 1992.
  • GELLNER, Ernest. Nacionalismo e democracia. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1981.
  • RIBEIRO JR, Amaury. A privataria tucana. São Paulo, 2011.
  • SILVA, Marta Zorzal e; SOLA, Lourdes.. UNIVERSIDADE SÃO PAULO. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. A Companhia Vale do Rio Doce no contexto do estado desenvolvimentista. 2001. 379 f. Tese (Doutorado) - Universidade São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.
  • Vale. Nossa História 2012. Rio de Janeiro: 2012. 420 páginas. Disponível em: http://www.vale.com/brasil/PT/aboutvale/news/Paginas/Vale-conta-sua-historia-em-livro.aspx