Comunicação sonora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.

Comunicação sonora, no geral, consiste na capacidade de que, a partir da captação auditiva, interligada à capacidade de interpretação sensitiva do cérebro, o homem possa interagir com a natureza ao seu redor e com a sua natureza própria.

História[editar | editar código-fonte]

A humanidade desde os primórdios, quando ainda incapaz de se comunicar entre seus semelhantes, já observava e analisava a sonoridade de toda a natureza ao seu redor. Sons de animais, insetos, fenômenos e elementos naturais: chuva, água, rochas,etc.

Com a evolução de nossa espécie, a comunicação sonora tornou-se essencial. Passamos a depender das múltiplas variações sonoras tanto da natureza ao nosso redor, quanto a nossa própria natureza. Compreender, emocionar, indagar, dialogar, a partir de cada tipo de som, se tornou uma ação constante.

A evolução das línguas escritas, e outras formas de comunicação como símbolos, ícones e índices, através da semiótica e outras ciências, nos abalam constante e diariamente. A ligação destes com os outros quatro sentidos humanos, além de nossa intuição, de certa forma, estimulam ou aguardam o aparecimento de sons relacionados.

Em relação aos meios de comunicação, sendo estes de massa ou não, à comunicação sonora, também, tem ampla importância. O rádio, a televisão, a música, o telefone, o cinema, o computador, os sons de alerta, entre outros, ajudam na interpretação, reação, disciplina e atenção do receptor. Este por sua vez, age de forma aceitável ou contrária, devido sua capacitação social, cultural ou econômica atingindo ou não a vontade do emissor.

Para a comunicação sonora, assim como para outros tipos de comunicação, a vantagem manipuladora do emissor, para com seus receptores e espectadores, também é valida. Nesse fator, os meios mais significantes, ainda são a TV e o rádio. Daí, o que pode-se apresentar, é a participação de tal comunicação, na mídia. Tais meios comunicativos, usufruem da sonoridade, para impressionar, atingir, chocar, apavorar, acalmar os espectadores, a partir de seus objetivos e públicos-alvos selecionados.

A comunicação sonora, está presente em todo lugar orgânica e artificialmente. Sons criados pelo próprio homem, para obtenção de concentração, alertas, conforto, ou gerados por produtos que de certa forma proporcionam as mesmas sensações, se misturam frequentemente com sons do ambiente e da natureza. Esse choque sonoro, entretanto, apesar de muitas vezes imperceptível, gera o que se pode chamar de poluição sonora.

Para concluir, pode-se dizer, que a nível vital, a comunicação sonora é muito importante e eficaz para a integração do homem ao ambiente habitado, mas não pode ser afirmado, que tal comunicação é essencial para tal.

Ver também[editar | editar código-fonte]