Comunidade Shekinah

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Comunidade Shekinah (CPS) é uma igreja evangélica, iniciada no Brasil.

Fundação e histórico[editar | editar código-fonte]

É um ministério organizado por inspiração divina, de evangelização global, que se iniciou no Rio de Janeiro, RJ Brasil, no mês de abril de 2001.

É um ministério oriundo da vertente calvinista da teologia reformada, com forte ênfase nas áreas de evangelização e missões.

O ideal (visão) deste Ministério[editar | editar código-fonte]

Ser uma porta aberta onde o aflito, deprimido, frustrado e confuso encontre amor, aceitação, ajuda, esperança, perdão, direção e encorajamento.

Compartilhar as boas novas da(o)Evangelho de Jesus Cristo por todo o mundo, em cumprimento à Grande Comissão, dada pelo Senhor Jesus em Mateus 28:19 "Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura".

Transformar milhares de vidas por todo o mundo, com a mensagem do Evangelho de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, consolidá-las na sã doutrina da fé cristã, e integrá-las à comunhão no reino de Deus.

Treinar e capacitar os salvos e regenerados em Jesus Cristo, alicerçados na sã doutrina da Palavra de Deus, conduzindo-os à maturidade espiritual por meio de estudos bíblicos, áudios de mensagens, e ministrações especiais em seminários, congressos, retiros e nos púlpitos das igrejas parceiras desta visão.

Treinar e capacitar o povo de Deus para uma vida envolvida com missões urbanas, nacionais, e transculturais, e espalhar centenas de missionários e obreiros por todo o Brasil, e pelo mundo.

O Significado de Shekinah[editar | editar código-fonte]

Sinteticamente "shekinah" pode ser definido como: "a glória de Deus manifesta"!

O vocábulo "shekinah" não aparece na Bíblia, é uma transliteração da raiz hebraica "shkn" = habitar. Este termo "shkn" é muito usado pelos TARGUMITAS e RABIS e adotado pelos cristãos. Refere-se à glória visível de Deus habitando no meio do seu povo. Usa-se este vocábulo para designar a presença radiante de Deus, como vista na coluna de fogo, no Monte Sinai, no Propiciatório entre os querubins, no Tabernáculo, no Templo, etc. Embora a palavra "shekinah" não apareça na Bíblia, há alusões à glória de Deus ("shekinah") em diversas passagens.

A seguir, transcrevo alguns comentários 1) J. B. Payne - Encliclopedia Histórico - Teológica da Igreja Cristã - Editor Walter A. Elwell - Sociedade Religiosa Edições Vida Nova. 2) Dicionário Bíblico Vida nova - Derek Williams, ed. 1) "shekinah - A manifestação visível da glória de Deus. Embora as escrituras neguem a existência de qualquer localidade permanente para Deus, descrevem, simultaneamente com a Sua transcedência, a Sua "glória", ou presença apreensível. A glória pode ser expressada no "rosto" de Deus, no Seu "nome" (Ex 33.18-20), no "Anjo" - os aparecimentos pré-encarnados de Cristo - ou na "nuvem" (Ex 14.19). A Shekinah diz respeito à nuvem que cercava a glória (Ex 40.34), parecia uma nuvem pesada através da qual chispam os relâmpagos (Êx 19.9,16).

A Shekinah apareceu pela primeira vez quando Deus conduziu Israel para fora do Egito e o protegeu por meio de "uma coluna de nuvem e de fogo" (13.21; 14.19). A nuvem vindicou Moisés contra os "murmuradores" (16.10; Nm 16.42) e cobriu o Sinai (Ex 24.16) enquanto ele se comunicava ali com Deus (v.18; cf. 33.9). Deus "habitava ( sakan, 25.8) no meio de Israel no tabernáculo (miskan, "lugar de habitação", v.9; cf. 1 Rs 8.13), que tipificava a Sua morada no céu (1 Rs 8.30; Hb 9.24). A nuvem encheu o tabernáculo (Êx 40.34-35; cf. Rm 9.4); e o uso pós-bíblico, portanto, designou essa manifestação permanente e visível como "shekinah", "habitação" (da presença de Deus)". Pouco depois, em duas ocasiões, "saiu fogo (consumidor) de diante do SENHOR" (Lv9.23; 10.2). Especificamente, Deus apareceu "na nuvem sobre o propiciatório que está sobre a arca" (Lv 16.2; Ex 25.22; cf. Hb 9.5).

A Shekinah conduziu Israel através do deserto (Ex 40.36-38); e, embora a perda da arca importasse em "Icabode (nenhuma glória)" (1 Sm 4.21), a nuvem voltou a encher o Templo de Salomão ( 1 Rs 8.11; cf. 2 Cr 7.1). Ezequiel visualizou sua partida por causa do pecado (Ez 10.18) antes da destruição desse templo, e o judaísmo confessava a ausência dela do segundo templo. A Shekinah reapareceu com Cristo (Mt 17.5; Lc 2.9), o Deus verdadeiro localizado (Jo 1.14; skene, "tabernáculo"; cf. Ap 21.3, = sekîna?), a glória do último templo (Ag 2.9; Zc 2.5). Cristo subiu na nuvem da glória (At. 1.9) e, um dia, voltará dessa maneira (Mc 14.62; Ap. 14.14; cf. Is 24.3; 60.1)." - J. B. Payne - Encliclopédia Histórico - Teológica da Igreja Cristã - Editor Walter A. Elwell - Sociedade Religiosa Edições Vida Nova.

2) "shekinah". Esplendor, glória ou presença de Deus habitando no meio do seu povo e o equivalente judaico mais próximo do Espírito Santo. O termo é posterior à Bíblia, mas o conceito está no ensinamento de que Deus habita no meio do seu povo (Êx 29.45s.). A glória de Deus é vista em fenômenos como relâmpagos e nuvens no monte Sinai (Êx 19.16) e a nuvem brilhante que descia sobre a tenda da congregação e guiou Israel pelo deserto (Êx 40.34ss.) .A glória divina também está presente de modo especial no templo e na cidade celestiais (Ap 15.8; 21.23). Foi vista na transfiguração de Jesus (Lc 9.32) e será vista quando Jesus voltar à terra (Mc 8.38). - Transcrito do Dicionário Bíblico Vida nova - Derek Williams, ed.

Bibliografia: B. Payne - Encliclopédia Histórico - Teológica da Igreja Cristã - Editor Walter A. Elwell - Sociedade Religiosa Edições Vida Nova. Dicionário Bíblico Vida nova - Derek Williams, ed.

Doutrina e Prática[editar | editar código-fonte]

Nossa herança:

Somos cristãos reformados, originários da vertente calvinista da Reforma Protestante. Adotamos como parâmetros doutrinários: a Confissão de Fé de Westminster o Catecismo Maior de Westminster e o Breve Catecismo de Westminster, mantendo os vínculos históricos e teológicos com as raízes da fé reformada.

Nossa fé:

Historicamente professamos e sustentamos os cinco primados teológicos da Reforma Protestante:

01- Solus Christus: Jesus Cristo é o nosso único, eficiente e suficiente Salvador e Mediador: " E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos" ( Atos 4. 12). "Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem"( I Tm 2. 5).

02- Sola Scriptura: Cremos na suficiência da Bíblia. A Bíblia é a Palavra de Deus, e contém toda a revelação de Deus para o homem. A Bíblia interpreta a própria Bíblia. A Bíblia é a nossa única regra de fé e norma de conduta. "Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra"( II Tm 3. 26, 17).

03- Sola Fide: Cremos que, mediante a fé salvadora, somos justificados unicamente em Jesus Cristo. "Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo"( Rm 5. 1). "O justo viverá pela fé"( Rm 1. 17).

04- Sola Gratia: Cremos que o homem é salvo unicamente pela Graça de Deus, e que isto é um dom de Deus. "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie"( Ef 2. 8, 9).

O5- Sacerdócio Universal dos Crentes: Cremos no "sacerdócio universal" de todos os cristãos. Todos os regenerados se relacionam igualmente com o Salvador e gozam dos mesmos privilégios de acesso a Deus, de comunhão, de petição e de intercessão. A relação do Salvador com o salvo é direta e pessoal. Ninguém se interpõe entre nós e Cristo. "Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz"( I Pe 2. 9).

Nossa Doutrina Sobre Deus e a Santíssima Trindade[editar | editar código-fonte]

"Há um só Deus vivo e verdadeiro, o qual é infinito em seu ser e perfeições. Ele é um espírito puríssimo, invisível, sem corpo, membros ou paixões; é imutável, imenso, eterno, incompreensível, onipotente, onisciente, santíssimo, completamente livre e absoluto, fazendo tudo segundo o conselho da sua própria vontade, que é reta e imutável, e para a sua própria glória. É cheio de amor, é gracioso, misericordioso, longânimo, muito bondoso e verdadeiro galardoador dos que o buscam, e, contudo, justíssimo e terrível em seus juízos, pois odeia todo pecado; de modo algum terá por inocente o culpado." Transcrição do Capítulo II – De Deus e Da Santíssima Trindade, da Confissão de Fé de Westminster.

Nosso Sistema Expositivo de Doutrina ( símbolos de fé )[editar | editar código-fonte]

Confissão de Fé de Westminster, Catecismo Maior e o Breve Catecismo.

Cremos e adotamos o Credo Apostólico: Creio em Deus Pai, Todo Poderoso, Criador do Céu e da terra. Creio em Jesus Cristo, Seu único Filho, nosso Senhor, o qual foi concebido por obra do Espírito Santo; nasceu da virgem Maria; padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; ressurgiu dos mortos ao terceiro dia; subiu ao Céu; está sentado à mão direita de Deus Pai Todo poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e os mortos. Creio no Espírito Santo; na santa Igreja *universal; (* significa = que está em todo o mundo); na comunhão dos *santos; (*significa = separado, pessoas separadas do mundo para Deus); na ressurreição do corpo; e na vida eterna. Amém.

Atividades principais[editar | editar código-fonte]

Todas as atividades na Comunidade Shekinah têm o objetivo de promover a edificação da Igreja do Senhor Jesus, em todo o mundo, de acordo com os ensinamentos das Escrituras Sagradas do Velho e do Novo Testamento, buscando o seguinte:

1º - Instruir e incentivar os crentes em Jesus Cristo, no sentido de cumprirem os seus deveres de cidadãos e de cristãos, obedecendo as leis vigentes no país e os preceitos evangélicos;

2º - Filiar-se ou estabelecer convênios com igrejas e outras instituições evangélicas com vistas a expansão do reino de Deus sobre a terra, em cumprimento à Grande Comissão;

4º - Promover encontros, congressos, simpósios e eventos evangelísticos, através de todos os meios disponíveis de comunicação, orientando os crentes e o povo em geral, mostrando o valor e a necessidade de uma vida cristã dinâmica;

Estratégias de evangelização[editar | editar código-fonte]

A Comunidade Shekinah procura se utilizar de todos os meios e recursos disponíveis no seu trabalho de expansão da obra do Evangelho. Porém, a sua estratégia principal são os chamados "grupos pequenos", também denominados como: "pequenos grupos", "grupos familiares", "grupos de comunhão", "células evangelísticas" ou "células de multiplicação".

A Comunidade Shekinah desenvolveu e utiliza o seu próprio modelo de estrutura eclesiástica de grupos familiares, denominado "Projeto Shekinah para Grupos Familiares", e utiliza estudos bíblicos produzidos pela sua própria equipe pastoral, no trabalho de evangelização realizado através dos pequenos grupos.

O modelo de trabalho com pequenos grupos desenvolvido pela Comunidade Shekinah, tem sido compartilhado e adotado por centenas de igrejas co-irmãs em todo o Brasil, e por igrejas brasileiras localizadas em outras nações ao redor do mundo.

Ministérios ou ofícios[editar | editar código-fonte]

A CPS reconhece os seguintes ofícios ou títulos bíblicos:- Bispo, Profeta, Evangelista, Pastor, Mestre, Presbítero e Diácono.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]