Concanavalina A

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Concanavalina A (ConA) é uma lectina (proteína ligadora de carboidratos) extraída originalmente do "jack-bean" (ou feijão-de-porco), Canavalia ensiformis. É membra da família das lectinas leguminosas. Ela se liga especificamente a certas estrutuas encontradas em diversos açúcares, glicoproteínas glicolipídeos, principalmente grupos α-D-manosil e α-D-glicosil internos e não-redutores.[1] [2] ConA é um mitógeno de plantas e é conhecido pela sua habilidade em estimular subgrupos de células T de camundongo, dando origem à 4 grupos distintos funcionalmente de célula T, incluindo precursores de células T supressoras,;[3]  um subgrupo de células T supressoras humanas também é sensível à ConA.[3]  A ConA foi a primeira lectina a ser disponibilizada comercialmente, sendo amplamente usada em biologia e bioquímica para caracterizar glicoproteínas e outras entidades dotadas de açucares na superfície de diversas células and other .[4]  Ela também é usada para purificar macromoléculas glicosiladas na cromatografia de afinidade com lectina,[5] assim como para estudar a regulação imune de diversas células imunes.[3]

Estrutura e propriedades[editar | editar código-fonte]

Como a maioria das lectinas, ConA é um homotetrâmero : cada subunidade (26.5KDa, 235 aminoácidos, altamente glicosilados) liga-se a um átomo metálico (normalmente Mn2+ e Ca2+). Ela possuii simetria D2.[6] Sua estrutura terciária já foi elucidada[7] e as bases moleculares de sua interação com metais assim como sua afinidade pelos açúcares manose e glicose [8]  são bem conhecidas.

A ConA liga-se especificamente a resíduos de α-D-manosile α-D-glicosil(duas hexoses que diferem apenas pelo álcool no carbono 2) na posição terminal de estrutras ramificadas de B-glicanos. Ela possui 4 sítios de ligação, correspondendo às 4 subunidades.[2]peso molecular é de 104-112KDa e o ponto isoelétrico (pI) é na faixa de 4.5-5.5.

A concanavalina A possui um número de onda de baixa frequência de 20 cm−1  em seu espectro Raman.[9] Essa emissão têm sido atribuída ao movimento do barril beta consistindo de 14 folhas beta na molécula de ConA.[10]

Atividade biológica[editar | editar código-fonte]

A Concanavalina A interage com diversos receptores contendo carboidratos com manose, notavelmente a rodopsina, os  marcadores de grupos sanguíneos,  o receptor de insulina[11]  , as imunoglobulinas e o antígeno carcino-embrionário (CEA). Interage, também, com lipoproteínas.[12]

A ConA aglutina eritrócitos fortemente, independentemente dos grupos sanguíneos, assim como varias células cancerosas.[13] [14] [15]  Foi demonstrado que células transformadas e células normais tripsinizadas não aglutinam a 4º, sugerindo que há um passo sensível à temperatura na mediação mediada por ConA.[16] [17]

A aglutinalçao mediada por ConA de outros tipos celulares já foi relatada, incluindo células musculares (miócitos),[18] linfócitos B (através das imunoglobulinas de superfície),[19] fibroblastos,[20]  timócitos de rato,[21] células epiteliais intestinais fetais de humano (mas não adultos),[22] e adipócitos.[23]

A ConA is é um mitógeno de linfócitos. De forma semelhante à fitohemaglutinina (PHA), ela é um mitógeno seletivo de células T em relação às células B. PHA e ConA se ligam e "cross-linkam" componentes dos receptores de célula T, e a habilidade em ativar células T é dependente da expressão desse receptor.[24] [25]

A ConA interage com resíduos superficiais de  manose de diversos micróbios, como as bactérias E. coli,[26] e Bacillus subtilis[27] e o protista Dictyostelium discoideum.[28]

Ela também já foi mostrada como um estimulador de diversas metaloproteinases de matriz (MMPs).[29]

ConA tem aplicações também em situações que requerem a imobilização em fase-sólida de glicoenzimas. Usando matrizes acopladas à ConA, é possível obter uma imobilização de grandes quantidades, reversível ainda facilmente por competição com outros açúcares ou mudança de pH.[30]

A ConA possui ainda potencial terapêutico, sendo eficaz contra hepatoma experimental(câncer de fígado).[31] ConA é sequestrado mais por células tumorais hepáticas que por células normais. A internalização de ConA ocorre preferencialmente à mitocôndria, após ligar em protenínas de membrana, levando à morte por autofagia. ConA também inibe parcialmente o crescimento de tumores nodulares de forma idependente da ativação de linfócitoso. Além disso, a atividade linfoproliferatica de ConA pode ter ativado células T CD8+ assim como NK, melhorando a resposta antitumoral no fígado.[31]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Goldstein, Irwin J.; Poretz, Ronald D.. In: Irwin J.. The Lectins Properties, Functions and Applications in Biology and Medicine. [S.l.]: Elsevier, 2012. 33–247 p. ISBN 978-0-323-14444-5
  2. a b (1938) "The Molecular Weights of Urease, Canavalin, Concanavalin a and Concanavalin B". Science 87 (2261): 395–6. DOI:10.1126/science.87.2261.395. PMID 17746464. Bibcode1938Sci....87..395S.
  3. a b c (1981) "The use of concanavalin a to study the immunoregulation of human T cells". Clinical and experimental immunology 46 (2): 237–49. PMID 6461456.
  4. (1975) "Ultrastructural visualization of surface carbohydrate structures on mycoplasma membranes by concanavalin A". Journal of bacteriology 124 (3): 1598–600. PMID 1104592.
  5. GE Healthcare Life Sciences, Immobilized lectin[full citation needed]
  6. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas pmid4638345
  7. (1992) "Non-glycosylated recombinant pro-concanavalin a is active without polypeptide cleavage". The EMBO journal 11 (4): 1303–7. PMID 1563347.
  8. (1998) "Legume lectin structure". Biochimica et Biophysica Acta (BBA) - Protein Structure and Molecular Enzymology 1383 (1): 9–36. DOI:10.1016/S0167-4838(97)00182-9. PMID 9546043.
  9. (1982) "Low-frequency modes in the Raman spectra of proteins". Biopolymers 21 (7): 1469–72. DOI:10.1002/bip.360210715. PMID 7115900.
  10. (1985) "Low-frequency motions in protein molecules. Beta-sheet and beta-barrel". Biophysical Journal 48 (2): 289–97. DOI:10.1016/S0006-3495(85)83782-6. PMID 4052563. Bibcode1985BpJ....48..289C.
  11. (1973) "Insulin-Like Activity of Concanavalin a and Wheat Germ Agglutinin--Direct Interactions with Insulin Receptors". Proceedings of the National Academy of Sciences 70 (2): 485–9. DOI:10.1073/pnas.70.2.485. PMID 4510292. Bibcode1973PNAS...70..485C.
  12. (1975) "Interaction of human plasma low density lipoprotein with concanavalin a and with ricin". The Journal of biological chemistry 250 (22): 8614–7. PMID 171260.
  13. (1976) "Agglutination reactions of spontaneous canine tumour cells, induced by concanavalin a, demonstrated by an isotopic assay". International Journal of Cancer 18 (5): 687–96. DOI:10.1002/ijc.2910180518. PMID 992901.
  14. (1980) "Increased agglutinability of bladder cells by concanavalin a after administration of carcinogens". Cancer research 40 (6): 2006–9. PMID 7371036.
  15. (1975) "Concanavalin a agglutination of cells from primary hepatocellular carcinomas and hepatic nodules induced by N-2-fluorenylacetamide". Cancer research 35 (10): 2879–83. PMID 168971.
  16. (1971) "A Specific Metabolic Activity on the Surface Membrane in Malignant Cell-Transformation". Proceedings of the National Academy of Sciences 68 (11): 2748–51. DOI:10.1073/pnas.68.11.2748. PMID 4330939. Bibcode1971PNAS...68.2748I.
  17. (1971) "Quantitation of N-acetyl-d-galactosamine-like sites on the surface membrane of normal and transformed mammalian cells". Biochimica et Biophysica Acta (BBA) - Biomembranes 249 (2): 564–8. DOI:10.1016/0005-2736(71)90132-5. PMID 4332414.
  18. (1975) "Evidence that a membrane bound lectin mediates fusion of L6 myoblasts". Biochemical and Biophysical Research Communications 67 (3): 972–8. DOI:10.1016/0006-291X(75)90770-6. PMID 1201086.
  19. (1975) "Concanavalin a receptors, immunoglobulins, and theta antigen of the lymphocyte surface. Interactions with concanavalin a and with Cytoplasmic structures". The Journal of Cell Biology 65 (1): 123–46. DOI:10.1083/jcb.65.1.123. PMID 1092699.
  20. (1973) "The Relationship of Concanavalin a Binding to Lectin-Initiated Cell Agglutination". The Journal of Cell Biology 59 (1): 134–42. DOI:10.1083/jcb.59.1.134. PMID 4201706.
  21. (1982) "Concanavalin-A-mediated thymocyte agglutination: A model for a quantitative study of cell adhesion". Journal of cell science 56: 21–48. PMID 7166565.
  22. (1972) "Concanavalin a Agglutination of Intestinal Cells from the Human Fetus". Science 177 (4048): 525–6. DOI:10.1126/science.177.4048.525. PMID 5050484. Bibcode1972Sci...177..525W.
  23. (1973) "Interaction of wheat germ agglutinin and concanavalin a with isolated fat cells". Biochemistry 12 (7): 1312–23. DOI:10.1021/bi00731a011. PMID 4696755.
  24. (1987) "Ligand-receptor interactions required for commitment to the activation of the interleukin 2 gene". Journal of immunology 138 (7): 2169–76. PMID 3104454.
  25. (1985) "The mitogenic lectin from Phaseolus vulgaris does not recognize the T3 antigen of human T lymphocytes". European Journal of Immunology 15 (5): 479. DOI:10.1002/eji.1830150512. PMID 3873340.
  26. (1977) "Adherence of Escherichia coli to human mucosal cells mediated by mannose receptors". Nature 265 (5595): 623–5. DOI:10.1038/265623a0. PMID 323718. Bibcode1977Natur.265..623O.
  27. (1972) "Interaction of concanavalin a with the cell wall of Bacillus subtilis". Journal of bacteriology 109 (2): 652–8. PMID 4621684.
  28. (1977) "Identification of concanavalin a receptors and galactose-binding proteins in purified plasma membranes of Dictyostelium discoideum". The Journal of Cell Biology 74 (1): 264–73. DOI:10.1083/jcb.74.1.264. PMID 559679.
  29. (1995) "Complex regulation of membrane-type matrix metalloproteinase expression and matrix metalloproteinase-2 activation by concanavalin a in MDA-MB-231 human breast cancer cells". Cancer research 55 (15): 3272–7. PMID 7614461.
  30. (1991) "Concanavalin A: A useful ligand for glycoenzyme immobilization—A review". Enzyme and Microbial Technology 13 (4): 290–5. DOI:10.1016/0141-0229(91)90146-2. PMID 1367163.
  31. a b (2009) "Lectin of Concanavalin a as an anti-hepatoma therapeutic agent". Journal of Biomedical Science 16: 10. DOI:10.1186/1423-0127-16-10. PMID 19272170.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]