Conclave de 1572

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Conclave de 1572
O Papa Gregório XIII
Data e localização
Pessoas-chave
Decano Giovanni Gerolamo Morone
Camerlengo Luigi Cornaro
Protodiácono Innocenzo Ciocchi Del Monte
Eleição
Eleito Papa Gregório XIII
(Ugo Boncompagni)
Participantes 53
Escrutínios 1
Cronologia
Último
Último
Conclave de 1565–1566
Conclave de 1585
Próximo
Próximo
Brasão papal de Sua Santidade o papa Gregório XIII

O Conclave de 1572 foi a reunião de eleição papal realizada após a morte do Papa Pio V. Durou de 12 a 13 de maio de 1572.[1] [2]

Divisão dos cardeais[editar | editar código-fonte]

O Colégio Cardinalício foi dividido em várias facções. A maioria dos criados pelo Papa Pio IV seguiu a liderança de seus sobrinhos Carlos Borromeu e Mark Sittich von Hohenems. Michele Bonelli, sobrinho-neto de São Pio V, era o líder dos cardeais elevados por este pontífice. Alessandro Farnese era ainda muito influente, e tinha adeptos não só entre os criados por seu avô Papa Paulo III. Os interesses de Filipe II de Espanha foram representadas por Pacheco e Granvella. O cardeal Rambouillet foi o principal representante de Carlos IX da França no conclave[3] [4] .

Candidatos ao papado[editar | editar código-fonte]

Cardeais Farnese, Savelli, Correggio, Ricci e Boncompagni foram considerados os principais papabili [4] . Farnese foi o mais ativo na promoção de sua candidatura própria, mas ele também se reuniu com a oposição mais forte. Seu principal adversário foi o Cardeal Médici, por causa da rivalidade entre a Casa de Medici (Grão-Ducado da Toscana) e da Casa de Farnese (Ducado de Parma), no norte da Itália. Também o rei Filipe II de Espanha era contra a candidatura Farnese, porque ele considerava sua elevação perigosa para o equilíbrio de poder na Itália. Os Farnese consideravam como inaceitável a eleição do austero Carlos Borromeu. Dessa forma, tinha-se a ideia de que o conclave iria durar muito tempo, talvez até vários meses [5] .

Conclave[editar | editar código-fonte]

Cinqüenta e dois Cardeais entraram no conclave, em 12 de maio. No mesmo dia à noite, juntou-se mais um, Granvella, vice-rei de Nápoles e representante oficial de Filipe II de Espanha[6] . O primeiro passo dado por Granvella foi informar Alessandro Farnese que o Rei de Espanha não iria aceitar a sua eleição e pedir-lhe que retirasse sua candidatura, a fim de manter a paz na Itália. Surpreso, Farnese entendeu que com a oposição tão forte, ele nunca iria obter a maioria necessária, mas, admitindo sua derrota, ele queria ser capaz de usar sua influência efetiva na escolha do novo pontífice[7] . Quase todo o dia seguinte, os líderes das facções principais, Farnese, Bonelli, Granvelle e Borromeo, passaram à procura de um candidato de consenso e, finalmente, concordaram em eleger aos setenta anos de idade Ugo Boncompagni[8] . O primeiro escrutínio teve lugar em 13 de maio às seis horas da noite. No final da fase de accessus[2] Ugo Boncompagni foi eleito Papa, recebendo todos os votos, exceto o de sua autoria, que deu a Granvella. Ele aceitou a sua eleição e tomou o nome de Gregório XIII, em honra do Papa Gregório I [9] .

O povo de Roma foi surpreendido com uma eleição tão rápida, mas congratulou-se com o novo papa, porque ele não era nem religioso, nem um austero "teatino", como a maioria das pessoas temiam[9] . Em 25 de maio, Gregório XIII foi solenemente coroado pelo Cardeal Protodiácono Innocenzo del Monte[2] .

Cardeais votantes[editar | editar código-fonte]

Cardeais ausentes[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Catholic Hierarchy (em inglês). Visitado em 11/04/2011.
  2. a b c The Cardinals of the Holy Roman Church (em inglês). Visitado em 11/04/2011.
  3. Ludwig von Pastor, History of the Popes vol. XIX, Londres 1930, p. 12-15
  4. a b História Vaticana (em alemão)
  5. L. Pastor, p. 12-13
  6. L. Pastor, p. 12
  7. L. Pastor, p. 13
  8. L. Pastor, p. 13-15
  9. a b L. Pastor, p. 15
  10. depois Grão-duque de Toscana