Concordata de Worms

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Henrique IV, Sacro Imperador Romano-Germânico fez um acordo com o Papa Calisto II em 1122 que ficou conhecido como a Concordata de Worms.

A Concordata de Worms, por vezes chamada de Pactum Calixtinum por historiadores papais, foi um tratado entre o Papa Calisto II e o Sacro Imperador Henrique V, celebrado em 23 de setembro de 1122, perto de Worms. Encerrou a primeira fase da Questão das Investiduras entre o Papado e o Sacro Império Romano. Reconheceu ao Imperador o direito de investir bispos com a autoridade secular ("pela lança") nos territórios que estes governassem, mas não com a autoridade sagrada ("pelo anel e báculo").

Nos termos do tratado, a eleição de bispos e abades na Germânia seria realizada na presença do Imperador, que atuaria na qualidade de árbitro entre grupos rivais, e era vedada a prática da simonia. Com isto, o Imperador se reservava um papel crucial na escolha das pessoas que ocupariam cargos que, a rigor, eram também de caráter secular (os bispos e abades eram senhores de terras, "príncipes territoriais").

O Imperador renunciava, conforme o acordo, ao direito de investir os recém-eleitos com o anel e o báculo, símbolos do poder espiritual, e - disposição da maior importância - garantia a eleição pelos cônegos da catedral ou da abadia e a livre consagração dos eleitos. O texto encerra-se com protestos mútuos de paz.

A concordata foi confirmada pelo Primeiro Concílio de Latrão, em 1123.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]