Condado de Zollern

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Grafschaft (Hohen-)Zollern
Hohenzollern

Condado

Hohenstaufen family arms.svg
1052 – 1576 Flag of Hohenzollern-Hechingen and Sigmaringen.png
 
Flag of Hohenzollern-Hechingen and Sigmaringen.png
 
Wappen Haigerloch.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Lema nacional
Nihil Sine Deo
(Latim: "Nada sem Deus")
Localização de Nenhum
Território do Condado de Hohenzollern em 1370
Continente Europa
Capital Hechingen
Língua oficial Alemão
Religião Catolicismo
Governo Monarquia
Condes
 • ca - 1061 Burkhard I (primeiro)
 • 1525 - 1576 Carlos I (último)
História
 • 1052 Criação do condado
 • 1576 Dissolução

O Condado de Zollern (Hohenzollern após 1218), foi um condado do Sacro Império Romano-Germânico, criado em 1052. Durante toda sua existência, foi governado pela Casa de Hohenzollern, natural do condado. Terminou em 1576 com sua partição, originando também ramos dinásticos para a casa real.

História[editar | editar código-fonte]

De acordo com o cronista medieval Berthold de Reichenau, o nobre Burcardo I de Zollern (de Zolorin), nasceu antes de 1025 e morreu em 1061. Os Zollerns receberam o título do imperador Henrique V em 1111. Como leais à Dinastia de Hohenstaufen da Suábia, eles foram capazes de ampliar significativamente o seu território. O conde Frederico III (c. 1139 - c 1200) acompanhou o imperador Frederico I contra Henrique, o Leão, em 1180, e por meio de seu casamento foi concedida o Burgraviato de Nuremberga pelo imperador Henrique VI da Germânia, em 1191. Em 1218, o burgraviato foi passado para o filho mais novo de Frederico, Conrado, ele assim tornou-se o antepassado da Francônia ramo Hohenzollern, que adquiriu o Eleitorado de Brandemburgo em 1415, sento ancestral dos príncipes-eleitores de Brandemburgo, duques da Prússia, reis da Prússia, imperadores da Alemanha, etc.

Afetado por problemas econômicos e disputas internas, os condes Hohenzollern do século 14 em diante ficaram sob pressão por seus vizinhos poderosos, os condes de Vurtemberga e as cidades da Liga da Suábia, cujas tropas destruíram o Castelo de Hohenzollern em 1423. No entanto, os Hohenzollerns mantiveram suas propriedades, apoiados por seus primos Brandemburgo e a Casa de Habsburgo. Em 1534, o conde Carlos I de Hohenzollern (1512-1576) recebeu os municípios de Sigmaringen e Veringen como feudos imperiais.

Em 1576, após a morte de Carlos I, no condado de Hohenzollern foi dividido entre seus três filhos:

  • Eitel Frederico IV de Hohenzollern-Hechingen (1545-1605)
  • Carlos II de Hohenzollern-Sigmaringen (1547-1606)
  • Cristóvão de Hohenzollern-Haigerloch (1552-1592)

A linhagem de Hohenzollern-Haigerloch caiu para Hohenzollern-Sigmaringen em 1767. Os três estados resultantes de sua partição vieram a unir-se novamente em 1850, quando foram anexados pela Prússia. Após a abolição de monarquia na Alemanha em 1918, seu território continuou fazendo parte da Prússia (até 1946), depois Vurtemberga-Hohenzollern (1946 - 1952) e atualmente faz parte do estado alemão Bade-Vurtemberga.