Conde da Feira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Armas de Pereira chefe, in Livro do Armeiro-Mor (fl 52v) (1509). Armas dos Pereira condes da Feira

O título de Conde da Feira foi um título nobiliárquico de Portugal. Não se encontra registada a carta de mercê deste título, mas D. Rodrigo Pereira, o primeiro titular, é referido como conde pela primeira vez em alvará de D. Afonso V de Portugal de 16 de Maio de 1481. Sendo esta a referência mais antiga conhecida, é este o ano normalmente referido como da criação do condado.[1] Note-se que este primeiro conde antes de 1481 usava o nome Rui Pereira.

O título de Conde da Feira ficou extinto com o oitavo conde em 1700, vagando então o condado para a Coroa. O título seria novamente atribuído, por uma vida apenas, por carta de 18 de Maio de 1820, a um descendente por bastardia do primeiro conde.

Anselmo Braamcamp Freire na sua obra Brasões da Sala de Sintra dedica o capítulo X, no Vol. I, aos Pereira, incluindo o ramo dos condes da Feira.[2]

Condes da Feira (1481)[editar | editar código-fonte]

O primeiro conde era descendente de Rui Gonçalves Pereira, irmão bastardo de D. Gonçalo Pereira, Arcebispo de Braga, e tio do Condestável D. Nuno Álvares Pereira. O filho de Rui Gonçalves, Álvaro Pereira, bisavô do primeiro conde, tinha em 1385 recebido de juro e herdade as terras de Santa Maria da Feira por ter alinhado com o Mestre de Avis durante a crise de 1383-1385, tornando-se o primeiro senhor da Casa. Em 1467 Rui Pereira teve confirmadas as mesmas terras de Santa Maria da Feira que tinham pertencido a seu pai, Fernão Pereira, assim como o castelo de Santa Maria da Feira, e em 1481 este 4.º senhor das terras de Santa Maria da Feira e 2.º senhor do seu castelo é já referido como conde.

O quinto conde não teve filhos varões, mas por seus serviços "nas partes da India e neste reino" recebeu em 1608 a mercê de ser tirado por duas vezes fora da Lei Mental. Foi nomeado Vice-Rei da Índia esse mesmo ano, mas morreu durante a viagem. Foi então sucedido por sua filha, a sexta condessa. O oitavo conde morreu sem legítima descendência.

Titulares[editar | editar código-fonte]

  1. D. Rodrigo Pereira, 1.º conde da Feira
  2. D. [Diogo Pereira], 2.º conde da Feira, filho do anterior
  3. D. [Manuel Pereira], 3.º conde da Feira, filho do anterior
  4. D. Diogo Forjaz Pereira, 4.º conde da Feira, filho do anterior
  5. D. João Forjaz Pereira, 5.º conde da Feira, neto do anterior
  6. D. Joana Forjaz Pereira, 6.ª condessa da Feira, filha do anterior. Casou com D. Manuel Forjaz Pereira Pimentel
  7. D. João Forjaz Pereira Pimentel, 7.º conde da Feira, filho da anterior
  8. D. Fernando Forjaz Pereira Pimentel, 8.º conde da Feira, irmão do anterior

Conde da Feira (1820)[editar | editar código-fonte]

Titular[editar | editar código-fonte]

  1. Miguel Pereira Forjaz, 1.º e único conde da Feira (moderno)

Armas[editar | editar código-fonte]

As armas dos Pereira condes da Feira eram: de vermelho, com uma cruz florenciada de prata, vazia do campo. Timbre: cruz de vermelho, florenciada e vazia, posta entre duas asas de ouro.

Estas armas encontram-se no Livro do Armeiro-Mor (fl 52v), no Livro da Nobreza e Perfeiçam das Armas (fl 10v), no Thesouro de Nobreza (fl 27r), etc. Encontram-se tambem na Sala de Sintra. No entanto, e como refere Braamcamp Freire, existem variantes quanto aos esmaltes do timbre.[3]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Castelo de Santa Maria da Feira, dos condes da Feira[editar | editar código-fonte]

Fotografias: DGEMN, obras de restauro dirigidas pelo Arq.º Baltasar de Castro, 1935-1944

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. FREIRE, Anselmo Braamcamp: Brasões da Sala de Sintra, Vol. I, p. 311-312
  2. Id., Ibid., p. 299-331
  3. Id., Ibid., p. 301

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Livro do Armeiro-Mor (1509). 2.ª edição. Prefácio de Joaquim Veríssimo Serrão; Apresentação de Vasco Graça Moura; Introdução, Breve História, Descrição e Análise de José Calvão Borges. Academia Portuguesa da História/Edições Inapa, 2007
  • Livro da Nobreza e Perfeiçam das Armas (António Godinho, Séc. XVI). Fac-simile do MS. 164 da Casa Forte do Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Introdução e Notas de Martim Albuquerque e João Paulo de Abreu e Lima. Edições Inapa, 1987
  • FREIRE, Anselmo Braamcamp: Brasões da Sala de Sintra. 3 Vols. 3ª Edição, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1996

Ligações externas[editar | editar código-fonte]