Conde de Marialva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Armas do Conde de Marialva, in Livro do Armeiro-Mor (fl 48v) (1509)

O título de Conde de Marialva foi um título nobiliárquico de Portugal. Foi atribuído em 1440 por D. Afonso V de Portugal a Vasco Fernandes Coutinho, que se destacara nas campanhas militares no Norte de África.

O primeiro conde era filho de Gonçalo Vasques Coutinho, Alcaide do Castelo de Trancoso e vencedor da Batalha de Trancoso em 1385, durante a Crise de 1383—1385 em Portugal. Gonçalo Vasques Coutinho casara com a filha de Gonçalo Vasques de Azevedo, 1.º Marechal de Portugal, de quem veio a herdar o cargo, que se manteve na família até o domínio Filipino.

O primeiro conde era ainda irmão de Álvaro Gonçalves Coutinho, o lendário Magriço, um dos Doze de Inglaterra.

Anselmo Braamcamp Freire na sua obra Brasões da Sala de Sintra dedica aos Coutinho o capítulo II, no Vol. I.[1]

O condado ficou extinto na linha varonil em 1534. Mais tarde, por mercê de D. Afonso VI, foi atribuído o título de Marquês de Marialva a um descendente do primeiro conde, com a varonia de Meneses, em 1675.

Condes de Marialva (1440)[editar | editar código-fonte]

Titulares[editar | editar código-fonte]

  1. Vasco Fernandes Coutinho, 1.º Conde de Marialva e 3.º Marechal de Portugal
  2. Gonçalo Coutinho, 2.º Conde de Marialva, filho do anterior
  3. João Coutinho, 3.º Conde de Marialva, filho do anterior
  4. Francisco Coutinho, 4.º Conde de Marialva, irmão do anterior. Casou com Beatriz de Meneses, 2.ª Condessa de Loulé
  5. Guiomar Coutinho, 5.º Condessa de Marialva e 3.ª Condessa de Loulé, filha do anterior. Casou com o Infante D. Fernando, Duque da Guarda

Armas[editar | editar código-fonte]

As armas dos Coutinhos condes de Marialva eram: de ouro, com cinco estrelas de vermelho de sete pontas (ou: de cinco pontas). Quanto ao timbre, vê-se mais normalmente um leopardo de vermelho, armado de ouro, carregado por vezes de uma estrela sobre a espádua e segurando na garra dextra uma capela de flores de vermelho e ouro; mas existem variantes.[2]

Estas armas encontram-se no Livro do Armeiro-Mor (fl 48v) (sete pontas), no Livro da Nobreza e Perfeiçam das Armas (fl 9v) (sete pontas), Thesouro de Nobreza (fl 23r e 25r) (cinco pontas), etc. Também podem ser vistas na Sala de Sintra (cinco pontas).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Condados do século XV[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. FREIRE, Anselmo Braamcamp: Brasões da Sala de Sintra. Vol I, p. 49-59
  2. Id., Ibid.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Livro do Armeiro-Mor (1509). 2.ª edição. Prefácio de Joaquim Veríssimo Serrão; Apresentação de Vasco Graça Moura; Introdução, Breve História, Descrição e Análise de José Calvão Borges. Academia Portuguesa da História/Edições Inapa, 2007
  • Livro da Nobreza e Perfeiçam das Armas (António Godinho, Séc. XVI). Fac-simile do MS. 164 da Casa Forte do Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Introdução e Notas de Martim Albuquerque e João Paulo de Abreu e Lima. Edições Inapa, 1987
  • Nobreza de Portugal e Brasil. Vol II, p. 721. Zairol, 1989
  • FREIRE, Anselmo Braamcamp: Brasões da Sala de Sintra. 3 Vols. 3ª Edição, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1996


Ícone de esboço Este artigo sobre História de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.