Conde de Portalegre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Armas de Silva chefe, in Livro do Armeiro-Mor (fl 54r) (1509). Armas dos Silva condes de Portalegre e marqueses de Gouveia

O título de Conde de Portalegre foi um título nobiliárquico de Portugal. Foi criado por decreto real de D. Manuel I de 6 de Fevereiro de 1498, a favor de D. Diogo da Silva. O título esteve associado primeiramente à família Silva, e mais tarde à família Mascarenhas.

Anselmo Braamcamp Freire, na sua obra Brasões da Sala de Sintra, dedicou o capítulo I do Vol. II à família Silva, incluindo o ramo dos condes de Portalegre.1

Condes de Portalegre (1498)[editar | editar código-fonte]

D. Diogo da Silva era filho de D. Rui Gomes da Silva, Alcaide de Campo Maior, e de sua mulher Isabel de Meneses, filha bastarda de Pedro de Meneses, 1.º Conde de Vila Real.

Ao 3.º Conde de Portalegre, Álvaro da Silva, graças a uma autorização especial da Coroa que possibilitou a sucessão fora da Lei Mental, sucedeu a sua neta, Filipa da Silva. Depois de um primeiro casamento sem descendência, Filipa voltou a casar com o embaixador espanhol, Juan de Silva, Conde de Salinas em Espanha, personalidade muito influente durante o reinado de D. Sebastião. Juntamente com o rei, participou na Batalha de Alcácer Quibir, onde caíu prisioneiro dos mouros. Durante o reinado de transição do Cardeal-Rei D. Henrique, fez um grande trabalho em apoio das pretenções de Filipe II de Espanha ao trono de Portugal.

Os reis Habsburgos recompensaram a fidelidade e apoio desta Casa com o novo título de Marquês de Gouveia, atribuído por decreto real de Filipe III de Portugal em 20 de Janeiro de 1625.

Quando o 2.º Marquês de Gouveia morreu sem sucessão, esta Casa foi herdada pelos Mascarenhas, condes de Santa Cruz.

Titulares[editar | editar código-fonte]

  1. Diogo da Silva, 1.º Conde de Portalegre (1430- ? )
  2. João da Silva, 2.º Conde de Portalegre (1480- ? ), filho do anterior
  3. Álvaro da Silva, 3.º Conde de Portalegre (1505-1580), filho do anterior
  4. Filipa da Silva, 4.ª Condessa de Portalegre (1550-1590), neta do anterior; casou com Juan de Silva (1528-1601), Conde de Salinas e embaixador espanhol, que se tornou Conde de Portalegre por casamento
  5. Diogo da Silva, 5.º Conde de Portalegre (1579-1640), primogénito dos quartos condes
  6. Manrique da Silva, 6.º Conde de Portalegre (1585- ? ), 2.º varão dos quartos condes, tornou-se 1.º Marquês de Gouveia (em 1625)
  7. João da Silva, 7.º Conde de Portalegre (1625-1686), filho do anterior; foi também 2.º Marquês de Gouveia, morto sem geração

Armas[editar | editar código-fonte]

As armas dos Silva condes de Portalegre e marqueses de Gouveia eram: de prata, com um leão de púrpura, armado e lampassado de vermelho. Timbre: o leão do escudo.

Estas armas encontram-se no Livro do Armeiro-Mor (fl 54r), no Livro da Nobreza e Perfeiçam das Armas (fl 11r), no Thesouro de Nobreza (fl 23r), etc. Encontram-se tambem na Sala de Sintra.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Condados do século XV[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. FREIRE, Anselmo Braamcamp: Brasões da Sala de Sintra, Vol. II, p. 3-182

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Livro do Armeiro-Mor (1509). 2.ª edição. Prefácio de Joaquim Veríssimo Serrão; Apresentação de Vasco Graça Moura; Introdução, Breve História, Descrição e Análise de José Calvão Borges. Academia Portuguesa da História/Edições Inapa, 2007
  • Livro da Nobreza e Perfeiçam das Armas (António Godinho, Séc. XVI). Fac-simile do MS. 164 da Casa Forte do Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Introdução e Notas de Martim Albuquerque e João Paulo de Abreu e Lima. Edições Inapa, 1987
  • FREIRE, Anselmo Braamcamp: Brasões da Sala de Sintra. 3 Vols. 3ª Edição, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1996
  • Nobreza de Portugal e do Brasil, Tomo III, p. 165-167. Zairol, 1989