Condições necessárias e suficientes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

As noções de condições necessárias e suficientes são muito usadas em filosofia. Tradicionalmente, a essência de uma coisa F são as condições necessárias e suficientes para que que algo seja F.

Ser A é condição necessária para X ser F quando é impossível que X seja F e não seja A. Por exemplo: ter um assento é uma condição necessária para algo ser uma cadeira.

Ser B é uma condição suficiente para X ser F quando é impossível que X seja B e não seja F. Por exemplo: ser um ser humano é uma condição suficiente (mas não necessária) para algo ser um animal.

Ser C é uma condição necessária e suficiente para X ser F quando é impossível tanto que X seja F sem ser C quanto X ser C sem ser F. Por exemplo: ser formado por moléculas compostas de dois átomos de hidrogênio e um átomo de oxigênio é uma condição necessária e suficiente para algo ser água. De modo geral, se A é uma condição necessária para que algo x seja F, então se x não for A, então x não é F e, necessariamente, se x for F, então x é A. Por outro lado, se B for uma condição suficiente para que algo x seja F, então se x for B, então x é F.

Consequentemente, as seguintes inferências são:

  1. x é F.
  2. Portanto, x é A.
  3. x não é A.
  4. Portanto, x não é F.
  5. x é B.
  6. Portanto, x é F.

Tabela[editar | editar código-fonte]

S implica N
S N S \Rightarrow N
V V V
V F F
F V V
F F V

Ver também[editar | editar código-fonte]