Condoleezza Rice

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Condoleezza Rice
Condoleezza Rice
66ª Secretária de Estado dos Estados Unidos
Mandato 26 de Janeiro de 2005
20 de janeiro de 2009
Presidente George W. Bush
Antecessor(a) Colin Powell
Sucessor(a) Hillary Clinton
Vida
Nascimento 14 de Novembro de 1954 (59 anos)
Birmingham, Alabama
Dados pessoais
Partido Republicano
Profissão Professora, diplomata
política

Condoleezza Rice (Birmingham, Alabama, 14 de Novembro de 1954) foi a 66ª Secretária de Estado dos Estados Unidos, servindo na administração do presidente George W. Bush entre 2005 e 2009.

Tornou-se assistente do presidente dos Estados Unidos para casos da segurança nacional, cargo denominado geralmente como de conselheiro da segurança nacional, em 22 de Janeiro de 2001, sob o presidente George W. Bush. É a segunda afro-americana (após Colin Powell) e segunda mulher (após Madeleine Albright) a deter o cargo. Rice é solteira. Com 19 anos de idade, Rice ganhou seu grau de bacharelado em ciência política da Universidade de Denver com Cum Laude e Phi Beta Kappa em 1974. Em 1975 obteve seu grau de mestrado da Universidade de Notre Dame e em 1981 o seu doutorado pela escola graduada de estudos internacionais na universidade de Denver. Está no conselho de administração (board of directors) das empresas Chevron Corporation, Charles Schwab Corporation, a fundação Hewlett de William e Flora, a universidade de Notre Dame, o conselho consultivo internacional da J.P. Morgan e ainda no conselho de administração da sinfonia de São Francisco. Foi um membro do conselho administrativo fundador do "centro para uma geração nova", um fundo de apoio educacional para a sustentação de instituições educacionais em Palo Alto leste e de East Menlo e foi vice-presidente do "clube dos meninos e meninas da península". Além disso, seu serviço passado como administradora abrangeu organizações como Transamerica Corporation, Hewlett Packard, a Carnegie Corporation, a fundação Carnegie para a paz internacional, a Rand Corporation, conselho nacional para os estudos soviéticos e leste-europeus, a Mid-Peninsula Urban Coalition e ainda a KQED, uma rádio pública que emite em São Francisco.

Infância[editar | editar código-fonte]

Conhecida como "Condi" por seus amigos, Rice foi educada em Birmingham, Alabama como única criança de seus pais, Angelena Rice e o Reverendo John. Seu pai era o pastor na igreja presbiteriana de Westminster e sua mãe era professora de música. Ambos os pais eram professores da universidade. Seu nome é uma corruptela do termo musical italiano con dolcezza, o qual é uma instrução para tocar "com ternura". Nasceu no mesmo ano da decisão histórica relativa à educação nos Estados Unidos chamada "Brown v. Board". Rice tinha nove anos quando sua colega de escola Denise McNair foi assassinada no atentado à bomba à Igreja Batista da Rua Quatorze, cometido por supremacistas raciais brancos a 15 de setembro de 1963. Rice afirma que sua infância durante o período da segregação ensinou-lhe a determinação no encontro com a adversidade, e a necessidade ser "duas vezes melhor" do que as não-minorias.

Carreira acadêmica[editar | editar código-fonte]

Com quinze anos de idade, Rice registrou-se e começou a atender a aulas na universidade de Denver, com o objetivo de se tornar uma pianista de concerto. O seu plano mudou quando atendeu a um curso de política internacional ensinado por Josef Korbel que acendeu o seu interesse pela União Soviética e relações internacionais, conduzindo a que tenha dito que "Korbel é uma das figuras centrais na minha vida". Na Universidade de Stanford, Rice obtém a cadeira de professora da ciência política, o título de "Senior Fellow of the Institute for International Studies", e de Fellow (por cortesia) da Hoover Institution. De 1993-1999 serviu como o Provost de Stanford, como responsável maior a nível acadêmico, incluindo o orçamento principal da universidade. Rice serviu na posição de Provost por seis anos, tendo deixado essa posição em 1 de julho de 1999. Rice é um membro da Academia Americana das Artes e Ciências e recebeu o doutorado honoris causa do Morehouse College em 1991, da Universidade do Alabama em 1994, da Universidade de Notre Dame em 1995 e do Faculdade de Direito do Mississippi College em 2003.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

A partir de 1989 e até março de 1991 (queda do muro de Berlim e dias finais da União Soviética), serviu na administração de George H. W. Bush como o director, e então o director sénior, dos assuntos soviéticos e leste-europeus no conselho de segurança nacional, e um assistente especial ao presidente para casos da segurança nacional. Nesta função, Condoleezza Rice adquiriu os maiores méritos co-formulando a estratégia do presidente Bush e do secretário de estado James Baker em favor da reunificação alemã. Impressionou de tal forma o presidente Bush que ele a introduziu a Mikhail Gorbachev como "quem me diz tudo sobre a União Soviética." Em 1996, como membro do conselho de relações externas, ela serviu como o assistente especial ao director do Estado Maior Conjunto (Joint Chiefs of Staff). Em 1997 serviu no comité consultivo federal nas questões de sexo (gender) no treinamento integrado das forças armadas. Rice foi um membro do conselho de diretores da Chevron Corporation (que deu o nome Condoleezza Rice a um navio petroleiro, mais tarde rebatizado discretamente de Altair Voyager) e dirigiu o seu comité de política pública até que renunciou em 15 de janeiro de 2001. Durante a campanha de eleição de George W. Bush em 2000, Rice fez um ano sabático na universidade tendo-se tornado posteriormente a conselheira da política externa de George W. Bush. Em 17 de Dezembro de 2000, Rice foi escolhida para servir como a conselheira da segurança nacional e deixou a sua posição da Universidade de Stanford.

Governo Bush[editar | editar código-fonte]

Com a sua nomeação como conselheira da segurança nacional, Rice transformou-se numa figura controversa. A comunidade Afro-Americana encontra-se polarizada entre aqueles que elogiam o seu papel como a primeira conselheira de segurança nacional negra, outros chamando-lhe uma "traidora da raça"; por alegadamente não suportar as causas Afro-Americanas. Em 2003, Rice foi atraída pelo debate sobre a política das admissões de "ação afirmativa" na universidade de Michigan.

A 18 de Janeiro de 2003, o periódico "Washington Post" reivindicou que esteve envolvida na formação de opiniões do presidente Bush sobre diversidade. Mas no mesmo dia, Rice liberou uma indicação que contradizia isto, ao afirmar que acredita que a raça pode ser um factor a considerar nas políticas de admissão das universidades. Dra. Rice foi também uma das apoiantes declaradas da Guerra do Iraque em 2003. Após a entrega pelo Iraque da sua declaração sobre armas da destruição maciça às Nações Unidas em 8 de dezembro de 2002, foi Rice que escreveu e submeteu um editorial ao New York Times intitulado "Porque sabemos que o Iraque está a mentir".

Em março de 2004, Dra. Rice esteve envolvida em uma grande polêmica devido a sua recusa para testemunhar publicamente sob juramento perante a comissão de inquérito nacional aos ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001. Como explicação, a casa branca reivindicou o privilégio executivo perante a separação constitutional dos poderes e citou a tradição em recusar pedidos para seu testemunho público. O debate acerca do seu papel na política antiterrorismo aumentou após o testemunho e com a publicação do livro de Richard Clarke, "De encontro a todos os inimigos".

Sob pressão, George W. Bush concordou permitir que testemunhasse publicamente desde que não estabeleça um precedente (da equipe de funcionários presidencial que está sendo requerida para aparecer perante o congresso quando pedido). No final, sua aparência perante a comissão de inquérito em 8 de Abril de 2004 foi julgada aceitável, em parte porque não estava aparecendo perante o congresso. Rice transformou-se assim no primeiro conselheiro da segurança nacional em funções a testemunhar em matérias da política.

Teatro[editar | editar código-fonte]

Condoleezza Rice sonha ainda transformar-se em pianista de concerto e interpretou ao piano no Constitution Hall, em abril de 2002, uma sonata para violino em Ré menor de Brahms, acompanhada do violoncelista Yo-Yo Ma.


Precedido por
Colin Powell
Secretário de Estado dos Estados Unidos
20052009
Sucedido por
Hillary Clinton


Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Condoleezza Rice
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Condoleezza Rice