Confederação Brasileira de Ginástica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Confederação Brasileira de Ginástica
Fundação 25 de novembro de 1978
Tipo Confederação oficial filiada
Sede Curitiba, Paraná
Línguas oficiais português
Filiação Federação Internacional de Ginástica
presidente Maria Luciene Cacho Resende
Sítio oficial site oficial

A Confederação Brasileira de Ginástica (sigla: CBG) é a entidade responsável pela organização dos eventos e representação dos atletas e árbitros de ginástica no Brasil.

A história do esporte no país começou em 1951, quando deu-se a filiação oficial à Confederação Brasileira de Desportos (sigla: CBD), atual Comitê Olímpico Brasileiro (sigla: COB). No mesmo ano ocorreram dois fatos importantes: o primeiro campeonato brasileiro de ginástica na cidade de São Paulo e a filiação do Brasil à Federação Internacional de Ginástica (sigla: FIG).

No ano de 1978 foi formalmente criada a Confederação Brasileira de Ginástica que teve como primeiro presidente o Dr. Siegfried Fischer. A sede da CBG é localizada na cidade de Curitiba, Paraná, no Centro Olímpico de Curitiba no submunicípio de Capão da Imbuia. É responsável pela formação e treinamento da equipe brasileira nas modalidades competitivas e nos eventos gerais.

História[editar | editar código-fonte]

A

história da ginástica no Brasil iniciou-se no Rio Grande do Sul e tempos depois espalhou-se por outros estados, até que em 1951, oficializaram a ginástica olímpica como esporte com as criações das federações riograndense, carioca e paulista. Foi nesse mesmo ano, que realizou-se o primeiro Campeonato Brasileiro, na cidade de São Paulo, e que a Confederação Brasileira de Desportos filiou-se à Federação Internacional de Ginástica.[1]

Mais tarde, o desporto recebeu outras personalidades, que aceleraram o desenvolvimento: a professora IIona Peuker, uma húngara, responsável pela introdução e propagação da ginástica moderna, a denominada ginástica rítmica; e o professor Enrique Wilson Libertário Rapesta, nascido na Argentina, considerado o maior incentivador da ginástica artística no Brasil. Entre 1951 e 1978, passaram-se 27 anos. No dia 25 de novembro de 1978, foi criada a Confederação Brasileira de Ginástica, com o Dr. Siegfried Fischer, como primeiro presidente.[1]

Presidentes[editar | editar código-fonte]

Ao longo dos mais de vinte anos de história da entidade, estiveram a frente da CBG, cinco presidentes.[1]

  • 1979/1984 - Siegfried Fischer
  • 1985/1987 - Fernando Augusto Brochado
  • 1988/1990 - Mário César Cheberle Pardini
  • 1991/2008 - Vicélia Ângela Florenzano
  • 2009/ - Maria Luciene Cacho Resende

As disciplinas[editar | editar código-fonte]

A CBG, enquanto entidade superior do esporte no Brasil, rege todas as competições a nível nacional e dá suporte aos atletas, técnicos e árbitros em competições de nível internacional. É ela a responsável pela distribuição dos códigos de pontos de cada modalidade para as federações nacionais. As envolvidas são também aquelas regidas pela FIG, tanto na categoria júnior (que engloba a infantil), quanto na categoria sênior: ginástica artística, ginástica rítmica, ginástica acrobática, ginástica aeróbica e ginástica de trampolim. É também de responsabilidade da federação, as apresentações dos ginastas brasileiros na Gymnaestrada, evento este no qual os princípios da ginástica para todos, são praticados.[2]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A estrutura interna na CBG é formada pela diretoria, pelo conselho e seus respectivos membros, coordenadores e adjuntos.[3]

  • Diretoria
  • Presidente
  • Vice-Presidente
  • Conselho Fiscal
  • Comitê Técnico Ginástica Artística Masculina
  • Comitê Técnico Ginástica Artística Feminina
  • Comitê Técnico de Ginástica Rítmica
  • Comitê Técnico de Ginástica Para Todos
  • Comitê Técnico de Ginástica Aeróbica
  • Comitê Técnico de Ginástica de Trampolim
  • Comitê Técnico de Ginástica Acrobática

Federações associadas[editar | editar código-fonte]

A CBG possui dezoito federações associadas por todo o país, que abarcam dezenas de clubes estaduais e municipais, que disputam competições nacionais em todas as modalidades e categorias da ginástica.[4]

Seleções[editar | editar código-fonte]

As seleções, dentro da entidade, estão divididas por modalidades e disputas. Para a ginástica artística, existem duas seleções seniores: a masculina permanente, com onze atletas, e a feminina permanente, também com onze ginastas. Para a rítmica, a CBG abarca a seleção individual, com sete atletas e a de conjunto, com seis. E, para o trampolim acrobático, são três na seleção permanente masculina e três na permanente feminina.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c CBG > História CBG site. Página visitada em 19 de outubro de 2009.
  2. CBG > Modalidades CBG site. Página visitada em 19 de outubro de 2009.
  3. CBG > Estrutura interna CBG site. Página visitada em 19 de outubro de 2009.
  4. CBG > Federações CBG site. Página visitada em 19 de outubro de 2009.
  5. CBG > Seleções CBG site. Página visitada em 19 de outubro de 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]