Conferência de Lausanne

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Dezembro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Delegação turca enviada à Conferência de Lausanne.

A Conferência de Lausanne (ou Lausana) foi uma conferência realizada na cidade de Lausanne, na Suíça durante 1922 e 1923; seu propósito foi a negociação de um tratado para substituir o Tratado de Sèvres que, sob o novo governo de Kemal Paxá, deixou de ser reconhecido pela Turquia.

A conferência foi aberta em novembro de 1922, com representantes do Reino Unido, França, Itália e da própria Turquia. A Grande Assembleia Nacional, o parlamento turco, escolheu İsmet İnönü, Rıza Nur e o Rabino-Chefe Nahum como seus representantes. George Nathaniel Curzon, Secretário do Exterior britânico, foi coordenador da conferência e a mediou. A França e a Itália acreditavam que, após a Crise de Chanak, o prestígio britânico com a Turquia estaria irremediavelmente danificado, e ficaram chocados ao descobrir que o respeito turco pelos britânicos não havia sido diminuído, já que as tropas destes haviam mantido suas posições durante a batalha em Chanak, enquanto os franceses, por sua vez, receberam ordens para recuar.

A conferência durou onze semanas; ouviram-se discursos de Benito Mussolini, da Itália, e Raymond Poincaré, da França, entre outros. Ao final, a Turquia concordou com as cláusulas políticas e a "liberdade dos estreitos", que era a principal preocupação britânica. A questão da situação de Mossul foi adiada, já que Curzon recusou-se a ser pressionado para alterar a posição britânica de que a área fazia parte do Iraque; a delegação francesa, no entanto, não conseguiu atingir qualquer uma de suas metas, e em 30 de janeiro fez um comunicado anunciando que o país não considerava o tratado mais do que uma "base para discussão". Os turcos recusaram-se, então, a assinar o tratado; em 4 de fevereiro de 1923 Curzon fez um apelo final a İsmet Paxá, para que o assinasse, e quando este recusou as negociações foram interrompidas, e o próprio Secretário do Exterior abandonou o país na mesma noite, no Expresso do Oriente.

O Tratado de Lausanne acabou sendo assinado finalmente em 24 de julho de 1923.