Confessions on a Dance Floor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Confessions on a Dance Floor
Álbum de estúdio de Madonna
Lançamento 15 de novembro de 2005
Gravação 2005
Gênero(s) Pop, dance, eletrônica
Duração 56:34
Gravadora(s) Warner Bros.
Produção Madonna, Stuart Price, Mirwais Ahmadzaï, Bloodshy & Avant, Bagge & Peer
Cronologia de Madonna
Último
Último
Remixed & Revisited
(2003)
I'm Going to Tell You a Secret
(2006)
Próximo
Próximo
Singles de Confessions on a Dance Floor
  1. "Hung Up"
    Lançamento: 17 de outubro de 2005
  2. "Sorry"
    Lançamento: 28 de fevereiro de 2006
  3. "Get Together"
    Lançamento: 6 de junho de 2006
  4. "Jump"
    Lançamento: 31 de outubro de 2006

Confessions on a Dance Floor é o décimo álbum de estúdio da cantora norte-americana Madonna, lançado em 15 de novembro de 2005 pela Warner Bros. Records. O disco marcou um afastamento de seu último trabalho, American Life (2003) e inclui influências da discoteca dos anos 1970 e 1980, bem como da dance music conteporânea. Cansada do foco político que havia incluído em suas produções anteriores, Madonna sentiu a necessidade de "relaxar e ficar de bom humor". Inicialmente, a artista colaborou com Mirwais Ahmadzaï. No entanto, Madonna sentiu que o trabalho não estava indo na direção que queria, e então começou uma nova colaboração com Stuart Price, que já havia trabalhado em seu documentário I'm Going to Tell You a Secret.

Musicalmente é estruturado como um repertório de DJ. As faixas estão sequenciadas de forma que não haja intervalos entre elas. Seu título vem do fato de que os números consistem em canções alegres e felizes no início, progredindo para melodias mais sombrias e letras que descrevem compromissos e sentimentos pessoais. As canções usam amostras e referências de canções antigas de Madonna e de outros artistas, tais como ABBA, Donna Summer, Pet Shop Boys, Bee Gees e Depeche Mode. Uma das canções, "Isaac", gerou controvérsia quando rabinos israelenses afirmaram que a canção falava sobre o estudioso da cabala Yitzhak Luria. No entanto, Madonna alegou que a canção falava sobre Yitzhak Sinwani, que aparece como artista convidado na faixa.

Após seu lançamento, Confessions on a Dance Floor foi geralmente bem recebido por parte da crítica, que intitularam-o como a "volta de Madonna", elogiando também a direção musical de Price. Madonna recebeu um prêmio Grammy de "Melhor Álbum Dance/Eletrônico" em sua 49ª cerimônia de entrega em 2007, bem como o reconhecimento como a "Melhor Artista Solo Internacional" nos Brit Awards em 2006. Nas paradas musicais, Confessions on a Dance Floor chegou ao topo em 40 países, ganhando um lugar no Guinness Book of World Records em 2007. Também foi o sexto disco mais vendido de 2005, apesar de ter sido lançado em meados de novembro do mesmo ano. Em todo mundo, vendeu cerca de 14 milhões de cópias.

O disco rendeu quatro singles: "Hung Up", o primeiro, obteve um grande êxito comercial, tendo atingido o primeiro lugar das tabelas de 45 países, nos Estados Unidos chegou ao 7° lugar. Foi seguido por "Sorry", que também atingiu um bom desempenho, tornando-se a décima segunda canção de Madonna a alcançar o topo no Reino Unido. "Get Together" e "Jump" foram lançados como a terceira e quarta faixas de divulgação respectivamente, sendo que ambas tornaram-se sucessos nas paradas de dance. O álbum foi promovido em 2006 pela Confessions Tour, que percorreu a América do Norte, Europa e Ásia e é considerada uma das maiores turnês feitas por uma artista solo.

Antecedentes e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Madonna apresentando "Jump" na Confessions Tour. A música fala sobre a auto-capacitação. Foi lançada como o quarto single do álbum.

Confessions on a Dance Floor é o décimo álbum de estúdio de Madonna,[1] que mescla elementos da disco music das décadas de 1970 e 1980 com o electropop conteporâneo. A cantora decidiu incorporar elementos da discoteca em suas canções, com o desejo de não refazer seus antigos projetos, mas sim pagar tributo para artistas como Bee Gees e Giorgio Moroder.[2] As faixas refletem pensamentos sobre o amor, fama e religião, daí o título Confessions on a Dance Floor.[3] O disco difere de seu antecessor, American Life,[3] em que Madonna faz críticas ao modo de vida e a política norte-americana.[3] No entanto, Madonna decidiu tomar um rumo diferente com este álbum. Ela disse:

Quando eu escrevi American Life, eu estava muito agitada com o que estava acontecendo no mundo em torno de mim. [...] Eu estava com raiva. Eu tinha muitas coisas para tirar do peito. Eu fiz várias declarações políticas. Mas agora, eu sinto que eu só quero me divertir; eu quero dançar; eu quero me sentir flutuante e também dar a mesma sensação à outras pessoas. Há muita loucura no mundo à nossa volta, e eu quero que as pessoas sejam felizes.[3]

Madonna começou a trabalhar com Mirwais Ahmadzaï, com quem já havia desenvolvido anteriormente Music e American Life.[3] Entretanto, Ahmadzaï não se adequou a atual produção musical da cantora. De acordo com a intérprete, "Mirwais é muito político, seriamente inteligente e intelectual. Tudo que fizemos foi sentar e falar de política o tempo todo. Então, isso não me ajudou muito, mas encontrou o seu caminho na música. Eu acho que há um aspecto de raiva na minha música que reflete diretamente meus sentimentos naquele momento."[2] Após a gravação de duas músicas com o produtor, a cantora decidiu parar o projeto e começar do zero. Foi então que ela voltou-se para Stuart Price, que serviu como diretor musical em suas duas turnês anteriores e co-escreveu uma canção de American Life. Iniciou-se as gravações com a intenção de criar uma trilha sonora para um filme, porém os planos foram descartados. Em vez disso, decidiram usar as composições para o novo projeto.[3] Segundo Madonna, a mudança sentimental entre ambos os discos foi fácil, uma vez que ela incluiu essas visões políticas em seu documentário I'm Going to Tell You a Secret. Madonna comentou:

Cquote1.svg Eu estava correndo para um lado e para outro, literalmente, da sala de edição com o diretor de documentários Jonas Äkerlund para trabalhar com Stuart, que também mixou a música do filme. Estávamos juntos, sem parar, todos nós. Reduzindo 350 horas de filmagens em apenas duas horas. Há uma série de aspectos sérios no filme. Eu precisava me liberar. Quando fui com Stuart para os estúdios de gravação, era como, 'querido, eu quero dançar'. Eu queria ser feliz, boba e dinâmica. Eu queria levantar a mim e aos outros com este disco. Então, sim, o novo álbum foi uma reação a todas as outras coisas que eu estava fazendo, que foram muito graves por natureza. Espero que não implique que eu queria fazer um disco superficial, porque não é isso. Quero que as pessoas sorriam quando ouvirem esse disco. E eu queria colocar um sorriso no meu rosto, também.[2] Cquote2.svg

Gravação[editar | editar código-fonte]

Madonna apresentando "I Love New York" na Confessions Tour. A canção fala sobre seu amor pela cidade de Nova Iorque.

Em uma entrevista à Billboard, Madonna disse que o processo de gravação foi uma situação recíproca. De acordo com a intérprete, Price chegou a ficar noites na produção das músicas. Mas que o fato dele ser DJ e estar acostumado a passar noites acordado, a ajudou a lidar com tal situação.[2] Isso lhe deu a chance de trabalhar em outros aspectos das composições. Observando o fato de que ela e Price tinham características opostas, o que ajudou na colaboração.[1] Ela disse:

Cquote1.svg Nós fizemos várias gravações em sua casa. Eu chegava [em sua casa] logo de manhã e Stuart vinha atender a porta com os pés descalços — porque estava acordado a noite toda. Eu trazia-lhe uma xícara de café e dizia: 'Stuart, sua casa está uma bagunça, não há comida no armário'. Então eu chamava alguém de minha casa para lhe trazer comida, e nós trabalhávamos o dia todo. Somos um casal raro.[1] Cquote2.svg

Ela também disse que a camaradagem com Price devia-se ao seu trabalho juntos durante sua turnê Re-Invention Tour. Madonna mencionou que seu relacionamento com o produtor era mais parecida com a de dois irmãos, e usavam para estabelecer colaborações formais durante o processo de gravação.[2]

Estilo musical[editar | editar código-fonte]

Musicalmente o álbum é estruturado como num repertório geralmente usado por DJs, uma vez que todas as faixas estão ordenadas de modo que não há pausa entre elas.[1] A música começa leve e alegre, e quando progride, ela se torna intensa, com letras que lidam sobre sentimentos pessoais, daí tornou-se o título "Confissões".[1] De acordo com Madonna, "Esta é a direção do meu disco. Isso é o que pretendíamos: fazer um álbum em que você pudesse ouvir numa festa ou no seu carro, onde você não tem que ignorar uma balada. É imparável.[3] A cantora também incorporou influências da disco music, tais como o uso de amostras do sucesso de 1979 "Gimme! Gimme! Gimme! (A Man After Midnight)" do grupo ABBA, em "Hung Up".[4] Os compositores Benny Andersson e Björn Ulvaeus, lhe deram permissão para utilizar o sample da canção.[5] Também foram usados outras amostras de artistas da disco music, incluindo Pet Shop Boys, Depeche Mode e Daft Punk.[3] Também incluiu-se referências de seus trabalhos anteriores, como em "Get Together", que foi uma regravação de sua canção de 1983, "Holiday". No disco, há uma canção intitulada "Forbidden Love", que incorporou elementos do grupo eletrônico Kraftwerk.[5] A faixa tem o mesmo título da sétima faixa de seu sexto álbum de estúdio, Bedtime Stories de 1994.

A faixa "Push" é composta como uma continuação da canção "Borderline" de seu álbum auto-intitulado sendo uma homenagem a seu então marido Guy Ritchie.[1] Um ritmo pulsante está presente em "Issac", que é considerada como a única faixa próxima a ser uma balada no álbum.[3] No entanto, foi criticada pesadamente por um grupo de rabinos israelenses que declararam que Madonna estava cometendo uma blasfêmia com sua religião.[1] Alegando que a canção se tratava sobre o famoso estudioso da cabala Yitzakh Luria.[1] Segundo a artista, a faixa assim foi intitulado, como forma de homenagem a Yitzhak Sinwani, que foi convidado na canção.[1] Inicialmente, cogitou-se a ideia de chamar a canção de "Fear of Flying", uma vez que este era o intuito por trás da composição.[2] No entanto, decidiu chamá-la simplesmente de "Isaac", tradução do nome de Sinwani para o inglês.[1]

As letras das canções incorporaram parte da história musical de Madonna e são escritas em forma de confissões. "Hung Up" contém versos de "Love Song", presente em seu quarto álbum de estúdio Like a Prayer, sendo um dueto com o cantor Prince.[3] "Jump" é escrito como uma sequência de "Keep It Together" e baseia-se em correr riscos. "How High" refere-se a duas canções de Music, nomeadamente "Nobodys Perfect" e "I Deserve It".[3] As letras de "Push" incorporam elementos de "Every Breath You Take" do grupo "The Police".[3] Outras faixas como "Sorry" incluem a palavra título em dez idiomas diferentes. "I Love New York" retrata todo seu amor pela cidade de Nova Iorque.[3] Em outros momentos, Madonna canta sobre sucesso e fama ("Let It Will Be") e o cruzamento de passado, presente e futuro ("Like It or Not").[3]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Análise da crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Pontuações agregadas
Fonte Avaliação
Metacritic 80/100[6]
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 3.5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar half.svgStar empty.svg[7]
BBC Music (favorável)[8]
Billboard (favorável)[9]
Entertainment Weekly B+[10]
The Guardian 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[11]
The Observer 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg[12]
Rolling Stone 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[13]
Slant Magazine 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[14]
Stylus Magazine A−[15]
Time (favorável)[16]

Confessions on a Dance Floor ganhou aclamação universal dos críticos de música, tendo uma pontuação de 80/100 no Metacritic, com base em 28 revisões profissionais.[6] Keith Caulfield da Billboard comentou que "Confessions marca o regresso da 'Rainha do Pop'".[9] Stephen Thomas Erlewine do Allmusic comentou que "este é o primeiro álbum em que Madonna soa como uma artista veterana desde de que lançou-se na dance music, ou em outras palavras, seu público central".[7] Alan Braidwood da BBC comentou que "este é o álbum mais comercial que Madonna já fez em 15 anos e é mágico".[8] David Browne da Entertainment Weekly notou que "apesar de todos os esforços de Madonna em ser movida e espontânea, Confessions raramente é algo dos dois".[10] Alexis Petridis do The Guardian, disse que "o álbum pode ser um retorno ao seus princípios. Porém existe uma essência em Confessions on a Dance Floor. Deleita-se com as delícias do dance-pop internacionalmente plástico numa era em que cada vez menos artistas de dance-pop — Que vão desde Rachel Stevens à protegida de Price, Juliet — desesperadamente obtém um pouco de tempo para fazer isso".[11] Do mesmo modo, Peter Robinson do The Observer declarou que "o álbum se iguala aos best-sellers da cantora como True Blue e Like a Prayer. O revisor também destacou a produção de Price no álbum, afirmando que "Confessions on a Dance Floor não existiria sem Madonna, mas Stuart Price rouba a cena".[12] Stephen M. Deusner da Pitchfork Media observou que "com o álbum, Madonna novamente reinventa a si mesma, e parece que desta vez é quase completamente". De acordo com Deusner, "a música também faz ela parecer mais jovem". No entanto, ele notou que a primeira parte do álbum, de "Hung Up" à "I Love New York", é forte e promissora. Entretanto, a segunda parte do disco perde o equilíbrio entre a frivolidade do pop e a solenidade espiritual.[17]

Thomas Inskeep da Stylus Magazine afirmou que "é o álbum com mais batidas desde o seu auto-intitulado lançado em 1983" e que "é o seu melhor esforço desde Ray of Light".[15] Kelefa Sanneh do The New York Times classificou o álbum como "exuberante".[18] Ao mesmo tempo que Christian John Wikane de PopMatters comentou que "o álbum provou que Madonna, mesmo aproximando-se dos 50 anos de vida, ainda é uma força vital na música pop mundial",[19] Joan Morgan da The Village Voice notou que "com Confessions on a Dance Floor, Madonna por fim encontra seu equilíbrio musical. Facilmente é o melhor disco dance do ano. Confessions é uma homenagem quase na perfeição a sensualidade bizarra da cena das discotecas de Nova Iorque na década de 1980, que deram a Madge suas raízes, o álbum é explorado com desenvoltura e de forma convincente".[20] Por outro lado, Josh Tyrangiel da revista Time, comentou que "na dance music, as palavras existem para serem repetidas, dobradas, escurecidas e ressucitadas. Como o som neste momento é muito mais importante que o que eles significam, Madonna sabe isso melhor que ninguém. Confessions on a Dance Floor são 56 minutos de pura energia. Você vai deixar sentimentos estúpidos de lado e sentir a energia a noite toda".[16] Do mesmo modo, Sal Cinquemani, da Slant Magazine ficou impressionado com o álbum e disse que "Madonna, com a ajuda de Price, [...] conseguiu criar uma odisséia de dance-pop com um quadro emocional — embora não necessariamente narrativo na mixagem, etapa e de forma contínua. Um grande 'foda-se' a função Shuffle do iPod, uma função mais destrutiva à arte".[14] Alan Light da revista Rolling Stone afirmou que "o álbum mostra que Madonna nunca perdeu a fé no poder das batidas". Entretanto, comentou que Confessions on a Dance Floor não passa na "prova do tempo" como seus primeiros sucessos dance, porém ele ainda prova seu ponto. Como Rakin em seu tempo, Madonna todavia ainda pode mover a multidão".[21] No entanto, Bill Lamb do About.com disse que o álbum é "um glorioso disco que vale a pena escutar". Finalmente, Jason Shawhan do mesmo web site citou o álbum como "o mais divertido desde True Blue de 1986".[22]

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

Madonna apresentando "Future Lovers", a quarta faixa do álbum e número de abertura da Confessions Tour.

Confessions on a Dance Floor alcançou o primeiro lugar em 40 países, ganhando um lugar no Livro Guinness dos Recordes mundiais de 2007 como "o álbum que alcançou o topo das paradas em mais países".[23] Nos Estados Unidos, o disco estreou no topo da Billboard 200, vendendo 350.000 cópias em sua primeira semana. Tornou-se seu sexto álbum número um na tabela e o terceiro consecutivo a estrear no topo, precedido por Music, de 2000 e American Life, de 2003.[24] Até à data, a obra já vendeu mais de 1,703 milhões de cópias no país, segundo a Nielsen SoundScan.[25] Em 14 de dezembro de 2005, foi certificado com disco de platina pela Recording Industry Association of America (RIAA) pelas vendas de mais de um milhão de cópias.[26] Na Austrália, estreou no topo da tabela pela edição de 21 de novembro de 2005.[27] Desde então, foi certificado com disco de platina duplo pela Australian Recording Industry Association (ARIA) por mais de 140.000 cópias vendidas em território australiano.[28] Também estreou no topo da parada do Canadá, vendendo em sua primeira semana 74.000 exemplares.[29]

No Reino Unido, estreou no topo da UK Albums Chart, tornando-se o nono disco número um de Madonna e, eventualmente vendeu mais de 1,6 milhão de cópias no país. Na mesma semana, o seu primeiro single, "Hung Up", ficou no topo da parada de singles. Tornou-se o quinto álbum consecutivo de Madonna no topo da tabela.[30] Também foi número um nas paradas europeias e, em 13 de setembro de 2006, foi certificado quatro vezes platina pela International Federation of the Phonographic Industry (IFPI).[31] Na Irlanda, estreou no número três.[32] Na França, estreou na posição 113 na tabela de álbuns.[33] Na semana seguinte, saltou 112 posições e alcançou o número um.[34] Em Hong Kong, foi certificado com disco de ouro pela International Federation of the Phonographic Industry, além de ser um dos dez discos internacionais mais vendidos no território em 2005.[35] Em toda a Europa, alcançou a posição de número um na Áustria, Bélgica (Flandres e Valônia), Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Noruega, Polônia, Espanha, Suécia e Suíça.[36] Apesar de ter sido lançado em novembro de 2005, Confessions on a Dance Floor foi ainda o sexto álbum mais vendido no mundo em 2005, com vendas de 6,3 milhões de cópias de acordo com a International Federation of the Phonographic Industry.[37] Suas vendas totais são estimadas em doze milhões de cópias.[38]

Singles[editar | editar código-fonte]

Madonna apresentando "Hung Up" na Confessions Tour. A canção alcançou o topo das tabelas de 41 países, entrando para o Guinness Book of World Records em 2007.

"Hung Up", inicialmente utilizado numa série de anúncios televisivos e seriados, foi lançado como o primeiro single do álbum em 17 de outubro de 2005. A canção recebeu uma boa apreciação crítica entre os profissionais de música, que sugeriram que a faixa iria restaurar a popularidade da cantora, que estava em declínio desde o lançamento de American Life, de 2003.[39] Os críticos afirmaram que era sua melhor faixa dance até à data e a compararam com outras canções da artista de mesmo gênero. Também elogiaram a sincronização eficaz da amostra de ABBA na canção.[40] "Hung Up" se tornou um sucesso comercial mundial, chegando ao topo das tabelas de 41 países e ganhando um lugar no Guinness Book of World Records, juntamente com o álbum.[23] Nos Estados Unidos, tornou-se seu 36º single a alcançar as dez primeiras posições, empatando com Elvis Presley.[41] O videoclipe correspondente foi um tributo a John Travolta, seus filmes e dança em geral. Dirigido por Johan Renck, o vídeo mostra a artista dançando num estúdio de balé trajando um collant rosa, seguindo para um salão onde dança com seus dançarinos. O vídeo também apresenta movimentos de parkour.[42]

"Sorry", foi lançado como o segundo single do álbum em 28 de fevereiro de 2006. Recebeu críticas positivas dos críticos contemporâneos que a consideraram como a faixa mais forte de Confessions on a Dance Floor.[43] Alguns críticos também destacaram batidas influenciadas pela disco music, enquanto outros a compararam com outras canções de Madonna de mesmo estilo dance.[22] "Sorry" alcançou o sucesso comercial, alcançando o número um nas paradas da Itália, Espanha, Romênia e Reino Unido, onde se tornou o 12º single da cantora a atingir o topo da tabela. Além disso, alcançou as dez primeiras posições em mais de doze países ao redor do mundo.[31] [44] [45] No entanto, nos Estados Unidos, não obteve o mesmo sucesso comercial por causa da radiodifusão baixa, mesmo assim chegou ao topo da tabela da Billboard, Hot Dance Club Songs.[46] O videoclipe de acompanhamento era uma continuação do vídeo feito para "Hung Up". Nele é mostrado Madonna e seus bailarinos viajando pela cidade numa van, a artista dança com patins com um grupo de homens lutando numa jaula.[47]

O terceiro single do disco, "Get Together", foi lançado pela Warner Bros. Records em 6 de junho de 2006. A decisão foi tomada tendo em vista que "Get Together" foi a terceira canção mais baixada do álbum. Também foi lançado para coincidir com o início da Confessions Tour.[48] [49] Os críticos elogiaram a capacidade da intérprete em tornar um comentário clichê num lema para a canção.[14] Tornou-se um sucesso nas paradas musicais de músicas dance nos Estados Unidos, mas não conseguiu entrar na Billboard Hot 100.[50] Alcançou as dez primeiras posições em países como Austrália, Canadá, Reino Unido e Itália, e alcançou a primeira posição na Espanha.[51] [52] Seu videoclipe incorporou uma apresentação de Madonna no Koko Club de Londres, mas foi animado para torná-lo visualmente diferente.[50]

"Jump", foi o quarto e último single do álbum, lançado em 31 de outubro de 2006. Os críticos elogiaram a música e seu tema de empoderamento.[9] Alcançou as dez primeiras posicões de vários países europeus, tendo alcançado o topo de países como Itália e Hungria.[50] Fez sucesso em tabelas dance da Billboard mas não consegiu ingressar na Hot 100.[53] Madonna usou uma peruca loira e uma roupa de couro em seu videoclipe. Nele, a artista se apresenta na frente de vários letreiros de neon, bem como dançarinos que praticam alguns movimentos de parkour.[54]

Promoção[editar | editar código-fonte]

Para promover o álbum, Madonna se apresentou no MTV Europe Music Awards de 2005 e na cerimônia de entrega dos prêmios Grammy, em 2006.[55] Como parte da Hung Up Promo Tour, a cantora realizou uma série de apresentações em várias discotecas em Londres, Estados Unidos, Japão, Alemanha e França. Nestes concertos, Madonna surgia de um globo de discoteca vestindo uma jaqueta roxa, calça capri de veludo e botas altas. As canções incluiam "Hung Up", "Get Together", "Sorry", "I love New York", "Ray of Light", "Let It Will Be" e "Everybody.[56] Em maio de 2006, o álbum recebeu uma maior promoção com o início da Confessions Tour. A turnê arrecadou US$ 194,7 milhões,[57] tornou-se até então, a turnê de maior arrecadação por um artista solo.[58] Além disso, a Confessions Tour recebeu o prêmio de "Produção de Palco Mais Criativa" do Pollstar Concert Industry Awards,[59] bem como o Top Boxscore da revista Billboard.[60] Foram publicadas diversas edições especiais do álbum. A primeira foi um álbum de remixes intitulado Confessions Remixed, um vinil de edição limitada.[61] No Japão, foi publicado Confessions on a Dance Floor – Japan Tour Special Edition (CD+DVD) em 23 de agosto de 2006, que alcançou a posição 27 na Oricon, onde permaneceu por doze semanas.[62]

Alinhamento de faixas[editar | editar código-fonte]

O álbum apresenta 12 faixas em sua edição padrão e 13 faixas nas edição deluxe e na com download para membros do ICON.

Todas as canções produzidas por Madonna e Stuart Price, exceto quando escrito.

Confessions on a Dance Floor (edição padrão)
N.º Título Compositor(es) Produtor(es) Duração
1. "Hung Up"   Madonna, Stuart Price, Benny Andersson, Björn Ulvaeus   5:36
2. "Get Together"   Madonna, Anders Bagge, Peer Åström, Price   5:30
3. "Sorry"   Madonna, Stuart Price   4:43
4. "Future Lovers"   Madonna, Mirwais Ahmadzaï Madonna, Ahmadzaï 4:51
5. "I Love New York"   Madonna, Price   4:11
6. "Let It Will Be"   Madonna, Ahmadzaï, Price   4:18
7. "Forbidden Love"   Madonna, Price   4:22
8. "Jump"   Madonna, Joe Henry, Price   3:46
9. "How High"   Madonna, Christian Karlsson, Pontus Winnberg, Henrik Jonback Madonna, Bloodshy & Avant, Price 4:40
10. "Isaac"   Madonna, Price   6:03
11. "Push"   Madonna, Price   3:57
12. "Like It or Not"   Madonna, Karlsson, Winnberg, Jonback Madonna, Bloodshy & Avant 4:31
Duração total:
56:34
Notas[63]

Créditos[editar | editar código-fonte]

Lista-se abaixo os profissionais envolvidos na elaboração do disco, de acordo com dados obtidos em seu acompanhante encarte:[63] [64]

  • MadonnaVocalista principal, vocal de apoio, guitarra
  • Stuart Prine – Produtor, teclados, sintetizadores, vocoder, programação, sequenciador, sampling
  • Roberta Carraro – Teclados, baixo, bateria, hamônica
  • Yitzhak Sinwani – Vocal adicional em "Isaac"
  • Monte Pittman – Guitarra
  • Magnus "Mango" Wallbert – programação
  • Fotografia – Steven Klein
  • Direção de arte e desenho gráfico – Giovanni Bianco
  • Documentos legais – Grubman Indursky
  • Empresários – Guy Oseary e Angela Becker
  • Mixagem – Mark "Spike" Stent em Olympic Studios e Record Plant Studios, Los Angeles ("Forbidden Love": mixado por Stuart Price em Shirland Road)
  • Gravação – Stuart Price no Shirland Road ("How High" e "Like It or Not": gravados no Murlyn Studios, Estocolmo e Shirland Road; "Future Lovers": gravado no Mayfair Studios.)
  • Engenheiro assistente – Alex Dromgoole
  • Segundo assistente de engenharia em Oympic – David Emery
  • Segundo assistente de engenharia em Record Plant – Antony Kilhoffer
  • Masterização –Brian "Big Bass" Gardner em Bernie Grundman Mastering

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j Hasty, Katie. (11 de dezembro de 2005). "How Madonna Got Her Groove Back" (em inglês). Billboard 117 (46) p. 64. ISSN 0006-2510.
  2. a b c d e f Caulfield, Keith (23 de outubro de 2008). Madonna Confesses (em inglês) Billboard Nielsen Business Media, Inc. Visitado em 3 de agosto de 2009.
  3. a b c d e f g h i j k l m n Vineyard, Jennifer (7 de novembro de 2005). Madonna: Dancing Queen (em inglês) MTV MTV News. Visitado em 1 de julho de 2010.
  4. Garfield, Simon (20 de novembro de 2005). Looks good on the dancefloor The Guardian. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  5. a b Hastings, Chris (16 de outubro de 2005). Thank you for the music! How Madonna's new single will give Abba their greatest-ever hit (em inglês) The Daily Telegraph. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  6. a b Confessions on a Dance Floor: Reviews (em inglês) Metacritic. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  7. a b Erlewine, Stephen Thomas (15 de novembro de 2005). allmusic ((( Confessions on a Dance Floor > Overview ))) (em inglês) Allmusic. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  8. a b Braidwood, Alan (13 de outubro de 2005). This is the most commercial album Madonna has made in 15 years and it's magic (em inglês) BBC. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  9. a b c Caulfield, Keith. (19 de novembro de 2005). "Albums: Confessions on a Dance Floor" (em inglês). Billboard 117 p. 72. ISSN 0006-2510. Visitado em 27 de julho de 2009.
  10. a b Browne, David (15 de novembro de 2005). Confessions on a Dance Floor: Music Review (em inglês) Entertainment Weekly Time Inc.. Visitado em 3 de agosto de 2009.
  11. a b Petridis, Alexis (11 de novembro de 2005). Madonna, Confessions on a Dancefloor (em inglês) The Guardian. Visitado em 3 de agosto de 2009.
  12. a b Robinson, Peter (20 de novembro de 2005). Madonna, Confessions on a Dancefloor (em inglês) The Observer. Visitado em 21 de outubro de 2011.
  13. Madonna: Album Guide (em inglês) Rolling Stone Jann Wenner. Visitado em 7 de janeiro de 2012.
  14. a b c Cinquemani, Sal (4 de novembro de 2005). Madonna: Confessions on a Dance Floor (em inglês) Slant Magazine. Visitado em 3 de agosto de 2009.
  15. a b Inskeep, Thomas (21 de novembro de 2005). Madonna – Confessions on a Dance Floor (em inglês) Stylus Magazine. Visitado em 21 de outubro de 2011.
  16. a b Tyrangiel, Josh (14 de novembro de 2005). Music: Back into the Groove Time Time Inc.. Visitado em 23 de novembro de 2009.
  17. Deusner, Stephen M. (14 de novembro de 2005). Album Reviews: Madonna: Confessions on a Dance Floor (em inglês) Pitchfork Media. Visitado em 3 de agosto de 2009.
  18. Sanneh, Kelefa (29 de junho de 2006). Madonna Returns to the Dance Floor (em inglês) The New York Times The New York Times Company. Visitado em 3 de agosto de 2009.
  19. Wikane, Christian John (30 de janeiro de 2007). Madonna: The Confessions Tour <Reviews (em inglês). Visitado em 3 de agosto de 2009.
  20. Morgan, Joan (6 de dezembro de 2005). The bitch is back, chirren, and this time you'd best believe she owns the whole domain (em inglês) The Village Voice Village Voice LLC. Visitado em 3 de agosto de 2009.
  21. Light, Alan (3 de novembro de 2005). Confessions on a Dance Floor: Music review (em inglês) Rolling Stone Jann Wenner. Visitado em 3 de agosto de 2009.
  22. a b Shawhan, Jason (23 de novembro de 2005). Madonna – Confessions on a Dancefloor (em inglês) About.com. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  23. a b Glenday, Craig. Guinness Book of World Records 2007. Mass Market Paperback. ed. [S.l.: s.n.], 2007. ISBN 055358992X.
  24. a b Pietroluongo, Silvio (23 de novembro de 2005). Madonna Dances Straight To No. 1 (em inglês) Billboard Nielsen Business Media, Inc. Visitado em 4 de agosto de 2009.
  25. Grein, Paul (9 de agosto de 2010). Chart Watch Extra: Elton's 40th Anniversary (em inglês) Yahoo! Inc. Visitado em 10 de agosto de 2010.
  26. a b Madonna – Confessions on a Dance Floor (em inglês) Recording Industry Association of America (14 de dezembro de 2005). Visitado em 5 de agosto de 2009.
  27. Australia Albums Top 50 (em inglês) Australian Recording Industry Association aCharts.us (21 de novembro de 2005). Visitado em 4 de agosto de 2009.
  28. a b ARIA Charts – Accreditations – 2005 Albums (em inglês) Australian Recording Industry Association ARIA.com.au (3 de dezembro de 2005). Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  29. a b Willimas, John (23 de novembro de 2005). Madonna dances to No. 1 in Canada (em inglês) Jam! Canadian Online Explorer. Visitado em 5 de agosto de 2009.
  30. a b Sexton, Paul (13 de novembro de 2005). Madonna Dominates U.K. Charts (em inglês) Billboard Nielsen Business Media, Inc. Visitado em 4 de agosto de 2009.
  31. a b c d Reporter, IFPI (13 de setembro de 2006). Keane, Shakira, Coldplay and Madonna scoop summer Platinum Awards (em inglês) International Federation of the Phonographic Industry. Visitado em 4 de agosto de 2009.
  32. a b Ireland Albums Top 75 (em inglês) Irish Recorded Music Association aCharts.us (17 de novembro de 2006). Visitado em 4 de agosto de 2009.
  33. France Albums Top 150 (em inglês) Syndicat National de l'Édition Phonographique aCharts.us (12 de novembro de 2005). Visitado em 4 de agosto de 2009.
  34. France Albums Top 150 (em inglês) Syndicat National de l'Édition Phonographique aCharts.us (19 de novembro de 2005). Visitado em 4 de agosto de 2009.
  35. Gold Disc Award > Gold Disc Award Criteria (em inglês) International Federation of the Phonographic Industry. Visitado em 17 de agosto de 2011.
  36. a b Madonna – Confessions On A Dance Floor – Worldwide charts (em inglês) Acharts.us. Visitado em 4 de agosto de 2009.
  37. Coldplay top 2005's global charts (em inglês) BBC News (31 de março de 2006). Visitado em 16 de agosto de 2011.
  38. Finn, Natalie (10 de outubro de 2007). Madonna Remaking the Brand (em inglês) E!. Visitado em 29 de dezembro de 2012.
  39. Tucker, Chris. (29 de outubro de 2005). "Madonna Hung Up: Billboard Single review" (em inglês). Billboard 117 p. 92. ISSN 0006-2510. Visitado em 23 de junho de 2009.
  40. Queen, Dave (8 de janeiro de 2006). Madonna + Kate Bush (em inglês) Seattle Weekly. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  41. Bronson, Fred (22 de dezembro de 2005). Chart Beat: How They Got to 17 Billboard Nielsen Business Media, Inc. Visitado em 24 de junho de 2009.
  42. Vineyard, Jennifer (25 de agosto de 2006). With No Director And Broken Ribs, Madonna Was 'Hung Up' (em inglês) MTV. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  43. Boy, Exploding (25 de dezembro de 2005). Confessions on a Dance Floor (em inglês) BBC.co.uk. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  44. Madonna – Sorry – Worldwide chart positions (em inglês) Ultratop 50 Hung Medien. Visitado em 15 de julho de 2009.
  45. Madonna – Sorry trajectories (em inglês) Acharts.us. Visitado em 15 de julho de 2009.
  46. Caulfield, Keith. (29 de julho de 2006). "U.S. Radio Hangs Up on Madonna" (em inglês). Billboard 118 p. 76. ISSN 0006-2510. Visitado em 23 de julho de 2009.
  47. Moodie, Clemmie (10 de janeiro de 2006). That looks painful... not bad for 47, Madonna! (em inglês) Daily Mail. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  48. Caulfield, Keith (4 de abril de 2006). Ask Billboard: Sorry Get Together (em inglês) Billboard Nielsen Business Media, Inc. Visitado em 27 de julho de 2009.
  49. Reporter, Staff (27 de abril de 2006). For The Record: Quick News On Madonna, Mary J. Blige, Red Hot Chili Peppers, Shyne, Jennifer Lopez, 50 Cent & More (em inglês) MTV MTV Networks. Visitado em 27 de julho de 2009.
  50. a b c Pietroluongo, Silvio. (24 de junho de 2006). "Aguilera Nails Career-Best Bow" (em inglês). Billboard 118 p. 84. ISSN 0006-2510. Visitado em 27 de julho de 2009.
  51. Madonna – Get Together (song) (em inglês) Ultratop 50 ultratop.nl. Visitado em 27 de julho de 2009.
  52. Madonna – Get Together song performance ACharts.us. Visitado em 27 de julho de 2009.
  53. Madonna – Jump – Billboard Chart history (em inglês) Billboard Nielsen Business Media, Inc. Visitado em 28 de julho de 2009.
  54. Slezak, Michael (9 de outubro de 2006). Snap Judgment: Madonna's 'Jump' (em inglês) Entertainment Weekly Time Inc.. Visitado em 30 de julho de 2009.
  55. Burns, Jason (2 de novembro de 2005). Madonna to headline MTV ceremony (em inglês) BBC.co.uk. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  56. Madonna sends London wild (em inglês) Daily Mail (16 de novembro de 2005). Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  57. Young, Tom (21 de fevereiro de 2007). BBC – Pop/Chart Review – Madonna, The Confessions Tour (em inglês) BBC.co.uk. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  58. Waddell, Ray (20 de setembro de 2006). Madonna's 'Confessions' Tour Sets Record (em inglês) Billboard Nielsen Business Media, Inc.. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  59. 18th Annual Pollstar Awards (em inglês) Pollstar Pollstar Pro.com (2006). Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  60. Madonna's 'Confessions' Tour Sets Record Billboard. Visitado em 8 de março de 2012.
  61. Madonna – Confessions Remixed Billboard Nielsen Business Media, Inc. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  62. コンフェッションズ・オン・ア・ダンスフロア~ジャパン・ツアー・スペシャル・エディション(CD+DVD) Oricon (23 de agosto de 2006). Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  63. a b Créditos adaptados do encarte de Confessions on a Dance Floor (2005), distribuído pela Warner Bros. Records
  64. (2005) Créditos do álbum Confessions on a Dance Floor por Madonna. Warner Bros. Records.
  65. a b c d e f g h i j k l m n o Madonna – Confessions on a Dance Floor – World Charts (em inglês) Ultratop 50 Hung Medien. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  66. Balanço Semestral das Vendas Mundiais Associação Brasileira dos Produtores de Discos (dezembro de 2005). Visitado em 4 de agosto de 2009.
  67. Greek Albums Chart (em inglês) IFPI Grécia (26 de janeiro de 2006). Visitado em 8 de julho de 2010.
  68. Top 40 album- és válogatáslemez- lista – Week 46 (em húngaro) Mahasz (14 de novembro de 2005). Visitado em 4 de agosto de 2009.
  69. コンフェッションズ・オン・ア・ダンスフロア (em japonês) Oricon (16 de novembro de 2005). Visitado em 10 de julho de 2010.
  70. Lista Anual del año 2005 (em espanhol) Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas (2005). Visitado em 12 de março de 2012.
  71. Oficjalna lista spredazis (em polonês/polaco) Polish Music Charts OLIS (11 de novembro de 2005). Visitado em 4 de agosto de 2009.
  72. ARIA Charts - End of Year Charts - Top 100 Albums 2003 (em inglês) Aria.com.au. Visitado em 22 de maio de 2010.
  73. Official 2005 Year End Mexican Charts (PDF) (em espanhol) AMPROFON. Visitado em 15 de janeiro de 2011.
  74. Steffen Hung. Dutch charts portal (em inglês) dutchcharts.nl. Visitado em 22 de maio de 2011.
  75. BPI Yearly Best Selling Albums (1999-2009) (PDF) (em inglês) British Phonographic Industry. Visitado em 1 de agosto de 2011.
  76. ARIA CHarts - End of Year Charts - Top 100 Albums 2006 (em inglês) Aria.com.au. Visitado em 22 de novembro de 2011.
  77. 2006 Year-End Billboard 200 Albums (em inglês) Billboard Nielsen Business Media, Inc. Visitado em 15 de outubro de 2010.
  78. 2006 Year-End European Albums (em inglês) Billboard Nielsen Business Media, Inc. Visitado em 5 de outubro de 2010.
  79. Official 2006 Year End Mexican Charts (PDF) (em espanhol) AMPROFON. Visitado em 15 de janeiro de 2011.
  80. Steffen Hung. Dutch charts portal (em inglês) dutchcharts.nl. Visitado em 22 de maio de 2011.
  81. Gold-/Platin-Datenbank ('Confessions on a Dance Floor') (em alemão) Bundesverband Musikindustrie.
  82. Gold and Platinum certifications – Albums 2005 (em inglês) Ultratop 50 Hung Medien (3 de dezembro de 2005). Visitado em 4 de agosto de 2009.
  83. Certificados — Madonna Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Visitado em 18 de novembro de 2010.
  84. Canadian Recording Industry Association (CRIA): Gold and Platinum – January 2005 (em inglês) Music Canada (Janeiro de 2005). Visitado em 15 de agosto de 2009.
  85. Denmark certification hitlisterne (em dinamarquês) Federação Internacional da Indústria Fonográfica (27 de março de 2006). Visitado em 5 de agosto de 2009.
  86. Top 50 Albumes 2005 (PDF) (em espanhol) Productores de Música de España (2006). Visitado em 6 de agosto de 2009.
  87. Finnish certifications (em finlandês) International Federation of the Phonographic Industry (2005). Visitado em 21 de setembro de 2010.
  88. Certifications Albums Diamant – année 2006 (em francês) Syndicat National de l'Édition Phonographique (10 de maio de 2010). Visitado em 5 de agosto de 2009.
  89. Greek Albums Chart (em inglês) IFPI Greece (4 de fevereiro de 2006). Visitado em 8 de julho de 2010.
  90. Eloadó – Album címe – certificano (em húngaro) (2007). Visitado em 4 de agosto de 2009.
  91. Gogan, Larry. Irish Charts – 2006 Certification Awards (em inglês) Irish Recorded Music Association. Visitado em 18 de agosto de 2010.
  92. Work list of June 2006 and certified gold (em inglês) RIAJ. Visitado em 2 de julho de 2010.
  93. Certificaciones Encontradas (em espanhol) Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas (27 de fevereiro de 2006). Visitado em 5 de agosto de 2009.
  94. New Zealand Albums Top 40# Chart No:1494 (em espanhol) Recording Industry Association of New Zealand (6 de janeiro de 2006). Visitado em 6 de agosto de 2009.
  95. Certificações (Países Baixos) – Confessions on a Dance Floor (em neerlandês) Nederlandse Vereniging van Producenten en Importeurs van beeld- en geluidsdragers.
  96. Platinum certification awards (em polonês/polaco) Polish Music Charts (18 de julho de 2006). Visitado em 3 de agosto de 2009.
  97. / «ЗОЛОТО» И «ПЛАТИНА» (em russo) 2M Online.ru (2005). Visitado em 10 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2009.
  98. BPI – Certified Awards (em inglês) British Phonographic Industry. Visitado em 6 de outubro de 2009.
  99. IFPI Suecia (2006). Guld och Platina-certifikat delas (PDF) (em sueco) IFPI.se. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  100. Swedish Award – Confessions on a Dance Floor (em inglês) Schweizer Hitparade (2006). Visitado em 6 de agosto de 2009.