Conflito interno no Sudão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Conflito interno no Sudão (2011-presente)
Sudan–SPLM-N conflict (locator map).png
Mapa do Sudão com as áreas de conflito em dezembro de 2011 em vermelho.
Data 19 de Maio de 2011 – em andamento
Local Nilo Azul e Cordofão, Sudão; Abyei; algumas repercussões em Sudão do Sul[1]
Desfecho
Combatentes
Sudão Forças Armadas Populares do Sudão Frente Revolucionária do Sudão

Sudão do Sul Exército Popular de Libertação do Sudão (confrontos na fronteira)

Principais líderes
Sudão Omar al-Bashir Abdelaziz al-Hilu
Malik Agar
Khalil Ibrahim 
Vítimas
615 mortos 86-146 mortos

O conflito interno do Sudão é um conflito em curso desde o início de 2010 entre o Exército do Sudão e a Frente Revolucionária do Sudão, particularmente o Movimento Popular de Libertação do Sudão-Norte (SPLM-N), uma filial norte do Exército Popular de Libertação do Sudão no Sudão do Sul. O conflito começou como uma disputa sobre a região rica em petróleo de Abyei nos meses que antecederam a independência Sudão do Sul, embora esteja também relacionada com a guerra teoricamente resolvida em Darfur. O conflito é estimado por afetar um total de 1,4 milhões de pessoas, e ter desalojado mais de 200.000 pessoas.[3]

No início de setembro de 2011, forças sudanesas em conflito com o SPLM-N no estado do Nilo Azul, assumindo o controle da capital do estado de Ad-Damazin e expulsar o governador Malik Agar, o líder do ramo do SPLM-N do Nilo Azul. Os militantes do Movimento pela Justiça e Igualdade (JEM), aliados do SPLM-N, marcharam para o estado de Cordofão do Norte em dezembro de 2011, o que provocou confrontos com o exército sudanês que levou à morte do líder do JEM, Khalil Ibrahim. A propagação do conflito gerou preocupações de que os combates poderiam levar a uma terceira guerra civil sudanesa.

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]