Conflitos fronteiriços entre Síria e Turquia (2012–presente)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Conflitos fronteiriços entre Síria e Turquia
Parte da(o) Guerra Civil Síria
Turkey-syria.svg
Data 3 de Outubro de 2012 – presente
Local Síria e Turquia
Desfecho em andamento
Combatentes
Síria Síria Turquia Turquia
Principais líderes
Síria Bashar al-Assad Turquia Abdullah Gül
Turquia Recep Tayyip Erdoğan
Vítimas
14 soldados mortos
23 soldados feridos
(reivindicação da oposição síria)[1]
12 soldados mortos
(reivindicação turca)[2]
45 civis mortos
113 civis e policiais feridos

Os conflitos fronteiriços entre Síria e Turquia começaram em 3 de outubro de 2012, quando um projétil de artilharia disparado da Síria matou cinco e feriu pelo menos 10 cidadãos turcos na cidade fronteiriça de Akçakale na Província de Şanlıurfa na Turquia. As Forças Armadas da Turquia realizaram um bombardeio em postos militares sírios com suas unidades de artilharia.[3] [4] [5]

O conflito entre a Turquia e a Síria surgiu após o governo turco adquirir uma posição no âmbito da Guerra Civil Síria. Ao longo da guerra, o presidente sírio, Bashar al-Assad acusou a Turquia, os Estados Unidos, Qatar, Arábia Saudita e outros países de apoiar grupos terroristas (referindo-se aos rebeldes sírios) pelo fornecimento de armas e dinheiro, assim como de interferir em assuntos internos da Síria.[6] Por sua parte, o governo turco, liderado pelo primeiro-ministro Recep Tayyip Erdoğan, acusou a Síria de violar os direitos humanos do povo sírio ao atacar civis indefesos, e pediu uma ação rápida da comunidade internacional para conter a morte de cidadãos sírios[7] e pediu a Bashar al-Assad que renunciasse ao cargo de presidente da Síria.

A Guerra Civil Síria deu origem a migração aos países vizinhos de aproximadamente 600.000 sírios, um terço dos quais se refugiaram na Turquia.[8]

Em tempos recentes, o conflito levou a um bloqueio econômico entre os dois países, ataques a cidades e confrontos que prefiguram a ameaça de uma possível guerra entre a Síria e Turquia.[9]

Eventos controversos[editar | editar código-fonte]

Em várias ocasiões, o governo sírio acusou a Turquia de colaborar com os grupos terroristas e se intrometer em assuntos que não são de sua soberania.[10] [11] Enquanto que a Turquia acusou o governo sírio de violar os direitos humanos dos sírios, e seus aliados (Irã, China e Rússia) de apoio no fornecimento de armas ao governo de Assad[12] , igualmente exortando a OTAN[13] e a ONU[14] em setembro, para ter um maior envolvimento no conflito. Desde o início da Guerra Civil Síria, a Turquia condenou Assad pelo uso de violento de forças contra os manifestantes e pediu sua saída do cargo. Em outubro de 2011, a Turquia começou a abrigar o Exército Livre Sírio, oferecendo ao grupo uma zona de segurança e uma base de operação. Juntamente com a Arábia Saudita e o Catar, a Turquia também forneceu aos rebeldes armas e outros equipamentos militares. [15]

Os eventos mais significativos foram os ataques do exército sírio a um ônibus de peregrinos turcos, a um campo de refugiados sírios na Turquia, a população turca na fronteira com a Síria e a derrubada de um avião turco.[16] [17] Em alguns incidentes, o governo sírio pediu desculpas à Turquia, enquanto que em outros sugeriu que este país provocou as suas forças.[18] [19]

Ataque a um ônibus de peregrinos turcos[editar | editar código-fonte]

Peregrinação a Meca, atividade realizada pelos peregrinos antes de serem atacados pelo exército sirio.

Em 21 de novembro de 2011, um ônibus com peregrinos muçulmanos turcos caiu sob ataques por parte das forças armadas da Síria.[20] [21] O incidente teve um saldo de duas pessoas feridas, que foram transferidas para o hospital público em Antioquia, e aumentou a tensão entre a Turquia e a Síria.

O ataque ocorreu em um posto de controle perto de Homs, quando um comboio de oito ou nove ônibus turcos estava fazendo o seu trajeto para a Turquia através da passagem de fronteira[20] retornando de uma viagem feita por ocasião da peregrinação a Meca (Arábia Saudita), que é realizada anualmente. De acordo com algumas fontes de informação, os soldados que participaram do ataque tinham características próprias da Síria. De acordo com outras fontes, houve duas ocasiões em que o exército sírio tentou atacar o ônibus. Um sobrevivente disse: "Deus nos salvou. Regressamos da morte certa", em uma entrevista à cadeia NTV.[22] [23]

Ataque ao acampamento de refugiados[editar | editar código-fonte]

Acampamento de refugiados sírios na Turquia

Em 9 de junho de 2012, membros do exército sírio abriram fogo contra um campo de refugiados na fronteira com a Turquia (junto à cidade de Kilis), quando os refugiados ajudavam os cidadãos sírios a fugirem de seu país. O incidente fez várias vítimas. Alguns meios de comunicação informaram três mortes e dezenas de feridos, entre os quais um intérprete turco.[24] [25] [26]

O Ministério das Relações Exteriores turco protestou contra a Síria e exigiu um cessar-fogo imediato. Além de 'lembrar' que sua fronteira é parte da OTAN e, finalmente, alertou ao governo de Bashar al-Assad que iria apelar para o artigo cinco da Organização do Tratado do Atlântico Norte.[27]

Derrubada de um avião[editar | editar código-fonte]

Percurso feito pelos tripulantes do avião abatido.
F-4 Phantom II, modelo de avião derrubado.

Em 22 de junho de 2012, efetivos das forças antiaéreas sírias derrubaram um avião não identificado que - de acordo com autoridades sírias - sobrevoava suas águas em baixa altitude, mas em alta velocidade (a cerca de um quilômetro da costa síria), na cidade de Lataquia. [28] [29] [30] Diante disso, o governo turco enviou uma nota ao seu homólogo da Síria em que notificava a derrubada de um de seus caças com dois tripulantes, quando estes se encontravam em águas internacionais. [31] De acordo com a Síria, o exército procedeu de acordo com as disposições da sua legislação (com respeito a violação de seu espaço aéreo) e que juntamente com as forças armadas turcas procederam com o respectivo rastreamento do aparato e dos tripulantes. De acordo com o presidente turco, o avião abatido não constituía ameaça à soberania síria, pois sobrevoava em águas internacionais; os sobrevoos eram rotineiros[32] e alertou que o caça foi abatido no espaço aéreo internacional após acidentalmente entrar no espaço aéreo sírio, enquanto estava em um voo de treinamento para testar os recursos dos radares da Turquia[33] . Já o primeiro-ministro turco, prometeu retaliação, dizendo: "as regras de engajamento das Forças Armadas Turcas mudaram ... a Turquia apoiará povo sírio de todas as maneiras, até se livrar do ditador sanguinário e sua gangue."[34]

Ancara reconheceu que o jato voou sobre a Síria por um curto tempo, mas afirmou que esses sobrevoos temporários eram comuns, não tinham conduzido a um ataque antes, e alegou que os helicópteros sírios haviam violado o espaço aéreo turco cinco vezes sem serem atacados.[34] [35] Assad mais tarde lamentou o incidente.[36]

Poucos dias depois, em 1 de julho, seis aviões F-16 turcos fizeram pousos de emergência em resposta a três incidentes de helicópteros sírios se aproximando da fronteira entre os dois países. [37]

Ataques na fronteira[editar | editar código-fonte]

Akçakale, a cidade atacada pelo exército sírio.

Em 3 de outubro de 2012, unidades do exército sírio atacaram a cidade fronteiriça de Akçakale (província de Sanliurfa) provocando a morte de cinco civis turcos e outros treze feridos.[38] No mesmo dia, as forças militares turcas por uma prévia detecção por radar da origem do ataque, procedeu - em represália- a um bombardeio de postos de unidades do exército sírio matando um número desconhecido de pessoas.[39] [40] [41] No dia seguinte, a ofensiva turca continuou e o primeiro-ministro turco apoiou o contra-ataque de suas tropas. De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, o bombardeio turco de um posto militar na Síria em 4 de outubro resultou na morte de três soldados sírios. [42] O governo de Bashar al- Assad admitiu os ataques por parte de suas tropas argumentando ser um erro tático-militar e acrescentou que o ato não voltará a acontecer.[43]
Por sua parte, o Parlamento turco deu aval ao primeiro-ministro para proceder com uma declaração de guerra contra a Síria.[44] [45]

Em 5 de outubro, projéteis disparados pela artilharia síria em Lataquia caíram na zona rural da aldeia de Aşağıpulluyazı, no distrito de Yayladağı na província de Hatay. Um dia antes, o primeiro-ministro turco Recep Tayyip Erdogan anunciou em conferência de imprensa, durante a visita oficial do primeiro vice-presidente iraniano Mohammad Reza Rahimi, que um projétil sírio havia caído em Altınözü, província de Hatay. O segundo incidente não causou danos a pessoas ou bens.[46] [47] Imediatamente após este segundo incidente em Hatay, a artilharia do 3ª Batalhão de Fronteira Turco estacionado em Yayladağı disparou contra alvos militares sírios. [47]

Um depósito de grãos em Akcakale sofreu poucos danos dos estilhaços de um morteiro sírio que explodiu em 6 de outubro, embora não houvesse registro de feridos. A Turquia respondeu bombardeando alvos militares sírios ao longo da fronteira e com o posicionamento de um pelotão de veículos blindados ACV-300 de transporte de pessoal, na fronteira sul de Akçakale, com suas armas apontadas em Tel Abyad, uma cidade a poucos quilômetros da Síria. [48] [42]

Em 8 de outubro, Altınözü foi novamente atingida por morteiros sírios, os 6 projéteis caíram em uma área rural sem causar ferimentos ou perda de vidas. A Turquia respondeu logo depois por bombardeios a posições sírias. [49]

Pouso de aeronave síria em território turco[editar | editar código-fonte]

Em 10 de outubro de 2012, a Turquia obrigou a pousar em Ancara um Airbus A320 da companhia Syrian Airlines que voava de Moscou a Damasco com 35 passageiros. [50] O incidente ocorreu pouco depois que as autoridades turcas proibiram a entrada de todas as aeronaves civis no espaço aéreo sírio. [51] [52] As autoridades turcas alegaram suspeitas que o avião transportava um carregamento de armas destinadas à Síria. A Rússia exigiu uma explicação de Ancara e protestou contra os acontecimentos; a Síria considerou a operação turca como um ato de pirataria.[53] Depois de nove horas de retenção, a Turquia permitiu a saída do avião.[54] [55]

O governo sírio considerou o incidente como um ato hostil do governo de Erdogan, que acusa de apoiar os rebeldes sírios, negou que a aeronave estava transportando armas ou mercadorias proibidas, e denunciou que alguns membros da tripulação sofreram abusos ​​e exigiu a devolução da carga apreendida. [56]

Pouco depois, os dois países fecharam seus espaços aéreos.

Combates perto da fronteira[editar | editar código-fonte]

Em 12 de outubro de 2012, as tropas do exército sírio atacaram Azmarin (um povoado de sua jurisdição), criando o caos ao redor; no momento em que dezenas de pessoas estavam atravessando um rio próximo para fugir da Síria e buscar proteção na Turquia. De acordo com testemunhas do fato, as Forças Armadas da Síria ao atacar, incitaram os rebeldes na área para depor as armas. Por sua parte, o exército turco reforçou militarmente a sua fronteira sul. [57] [58]

Durante o bombardeio de Azmarin por um helicóptero sírio, dois F-16 turcos sobrevoaram a fronteira.[59] Coincidindo com isso, a Turquia enviou 60 tanques ao longo da fronteira, que foram adicionados aos 190 já implantados. A isso se acrescenta o envio de 15 caças a cidade turca de Diyarbakir, a cerca de 100 quilômetros da fronteira. [60]

Novo ataque turco contra a Síria[editar | editar código-fonte]

Em resposta a um míssil sírio lançado na fronteira com a Turquia em 17 de outubro; a Turquia lançou outro míssil no povoado sírio de Hatay. O ataque não causou vítimas e os danos foram limitados, mas agravou o conflito entre as duas nações. [61]

Em 23 de outubro, um projétil anti-aéreo atingiu um centro de saúde em Reyhanlı, a cerca de 200 metros da fronteira com a Síria. O projétil caiu em um quarto vazio, e não houve feridos. Foi aparentemente disparado de Harem, Distrito de Idlib, onde confrontos têm sido relatados entre rebeldes e tropas do governo. As autoridades turcas estão a investigar a origem do projétil[62] .

Dois projéteis anti-aéreos sírios atingiram 300 metros a norte da vila de Beşaslan na provincia de Hatay, Turquia, em 29 de outubro, pelo qual a Turquia imediatamente respondeu disparando sua própria artilharia para a Síria. Nenhuma das partes relatou mortes. [63] [64]

Novo ataque sírio[editar | editar código-fonte]

Mísseis americanos tipo Patriot, na fronteira entre a Turquia e a Síria, 2013.

Nas primeiras horas da manhã de 12 de novembro, um helicóptero militar sírio bombardeou posições rebeldes perto da cidade de Ras al-Ayn, perto da fronteira com a Turquia em toda Ceylanpınar na Província de Şanlıurfa. Os rebeldes responderam com fogo pesado de metralhadoras. Logo depois, um avião de combate sírio bombardeou a área. As janelas de vidro de alguns edifícios no centro da Ceylanpınar foram abaladas pela explosão. Um soldado turco e dois civis no lado turco teriam sido feridos durante o incidente. Os civis sírios fugindo do ataque cruzaram a fronteira para o território turco. Vários refugiados feridos foram levados para um hospital em Ceylanpınar por ambulâncias. O prefeito da cidade alertou aos moradores para não chegarem perto da fronteira para sua própria segurança. [65] [66]

Pedido de instalação de mísseis Patriot[editar | editar código-fonte]

A Turquia solicitou que fossem instalados mísseis Patriot ao longo da fronteira, devido ao aumento da tensão entre os dois países, a penetração constante de mísseis sírios em território turco e a situação de guerra civil no país árabe. O ministro das Relações Exteriores turco, Ahmet Davutoglu, assinalou: "A fronteira turco-síria também é uma fronteira da OTAN. Se há violações de fronteira e outros riscos, e se a missão da OTAN é a segurança destas, está sob a égide de segurança comum".[67] [68]

Resposta da OTAN[editar | editar código-fonte]

Após a invocação de Ancara do artigo IV do Tratado de Washington, o Conselho do Atlântico Norte da OTAN afirmou que a aliança: "... exige a cessação imediata de tais atos de agressão contra um aliado, e exorta o regime sírio a pôr um fim às violações flagrantes da lei internacional ..."[69]

Em 9 de outubro, o secretário-geral da OTAN, Anders Fogh Rasmussen informou que a OTAN concluiu a elaboração de planos para defender a Turquia de ataques sírios.[70]

Incidentes em 2013[editar | editar código-fonte]

Ataque de 14 de janeiro[editar | editar código-fonte]

Em 14 de janeiro de 2013, um tiro de canhão disparado por forças sírias atingiu o vilarejo turco de Akçabağlar, sem causar mortes.[71]

Atentados a bomba em fevereiro[editar | editar código-fonte]

Em 11 de fevereiro de 2013, uma bomba explodiu perto da fronteira síria-turca, em Cilvegözü, matando 14 pessoas.[72]

Tiroteios em Akcakale[editar | editar código-fonte]

Em 2 de maio de 2013, insurgentes anti-governo sírio e guardas de fronteira turcos trocaram tiros perto de Akcakale. Um soldado turco morreu no incidente.[73]

Atentado de Reyhanli[editar | editar código-fonte]

Em 11 de maio de 2013, dois carros bombas explodiram na cidade turca de Reyhanli, matando mais de 52 e ferindo mais de 100. Em resposta ao ocorrido, moradores teriam atacado campos de refugiados sírios perto da cidade.[74] [75] [76]

No final de setembro de 2013, o Estado Islâmico do Iraque e do Levante assumiu a responsabilidade pelo ataque.[77]

Batalha de Azaz[editar | editar código-fonte]

Em 18 de setembro, o Estado Islâmico do Iraque e do Levante tomou a cidade de Azaz, que fica a apenas 5 Km da fronteira[78] em uma batalha contra o Exército Sírio Livre.[79]

Em 16 de outubro de 2013, o exército turco fez disparos contra posições do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em um ponto da fronteira próximo a Azaz como resposta a um disparado oriundo do lado sírio que caiu perto de um posto avançado de fronteira turca[78] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal Guerra

Referências

  1. Turkey Strikes Syria The Wall Street Journal
  2. Turkish retaliatory fire has killed 12 Syrian soldiers -report
  3. Turkey shells Syria: live The Daily Telegraph (4 de Outubro de 2012). Visitado em 5 de Outubro de 2012.
  4. Weaver, Matthew; Whitaker, Brian (4 de Outubro de 2012). Turkey-Syria border tension The Guardian. Visitado em 5 de Outubro de 2012.
  5. "Turkish PM says he does not want war with Syria - World - CBC News", Cbc.ca. Página visitada em 5 de Outubro de 2012.
  6. Canciller sirio acusa a Estados Unidos, Francia y Turquía de apoyar el terrorismo (em espanhol) (1 de outubro de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  7. Turquía espera que la OTAN "se implique" en Siria y dé "más pasos" (em espanhol) (4 de julho de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  8. El número de refugiados sirios en países vecinos se triplica en tres meses (em espanhol) (2 de outubro de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  9. El temor de una guerra entre Turquía y Siria
  10. Canciller sirio acusa a EEUU, Francia y Turquía de apoyar el terrorismo (em espanhol) (1 de outubro de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  11. El gobierno sirio denuncia en la ONU la "injerencia" externa en la guerra (em espanhol) (1 de outubro de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  12. Turquia critica posición de China y Rusia sobre Siria (em espanhol) (29 de setembro de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  13. Turquía espera que la OTAN "se implique" en Siria y dé "más pasos" (em espanhol) (4 de julho de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  14. Turquía pide al Consejo de Seguridad de la ONU que actúe tras ataque sirio (em espanhol) (3 de outubro de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  15. "Syria News", New York Times. Página visitada em 2 de agosto de 2012.
  16. Siria derribó un avión de combate turco (em espanhol) (26 de junho de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  17. Turquía responde militarmente a nuevo ataque sirio contra su territorio (em espanhol) (5 de outubro de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  18. Siria pide disculpas a Turquía por haber abatido uno de sus aviones de combate (em espanhol) (22 de junho de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  19. Siria pide perdón a Turquía por el ataque que causó la muerte de cinco civiles (em espanhol) (4 de outubro de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  20. a b Turkish pilgrims attacked as four die in Syria, thenews.com, 22 de novembro de 2011.
  21. Turkish Muslim pilgrims' bus 'shot at in Syria', BBC, 21 de novembro de 2011.
  22. Atacan autobús con peregrinos turcos en Siria
  23. Atacado un convoy de peregrinos turcos en Siria - Euronews
  24. Ataca Siria Campo de Refugiados Turco (em espanhol). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  25. El régimen sirio ataca un campo de refugiados en Damasco (em español) (6 de setembro de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  26. Ejército sirio ataca campo de refugiados en Turquía: un periodista libanés muerto (em espanhol). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  27. Ejército sirio atacó campo de refugiados turco (em espanhol) (4 de setembro de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  28. Gobierno sirio derribó avión turco en defensa de la soberanía (em espanhol) (25 de junho de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  29. Siria derribó un avión de combate turco (em espanhol) (26 de junho de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  30. Ankara confirma derribo de un avión turco por parte del Ejército sirio (em espanhol) (22 de junho de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  31. Turquía asegura que el avión derribado por Siria hacía un recorrido rutinario (em espanhol) (23 de junho de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  32. Presidente de Siria lamenta haber derribado un avión militar turco (em espanhol) (3 de julho de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  33. "Turkey goes to Nato over plane it says Syria downed in international airspace", The Guardian, 24 de junho de 2012. Página visitada em 24 de junho de 2012.
  34. a b "Turkey dubs Syria 'a clear threat', vows to retaliate", The Nation, 26 de junho de 2012. Página visitada em 26 de junho de 2012.
  35. "Syria shot at second Turkish jet, Ankara claims", The Guardian, 26 de junho de 2012. Página visitada em 26 de junho de 2012.
  36. "Syria-Turkey tension: Assad 'regrets' F-4 jet's downing", BBC News, 3 de julho de 2012. Página visitada em 4 de julho de 2012.
  37. Turquía ha enviado cazas F-16 en tres incidentes de aproximación con Siria, europapress.es, 02/07/2012
  38. Euronews (4 de outubro de 2012). Akçakale vive bajo el miedo a una guerra con Siria (em espanhol).
  39. Turquía ataca a Siria (em espanhol) (7 de outubro de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  40. Turquía bombardeó Siria tras muerte en ataque de cinco civiles (em espanhol) (3 de outubro de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  41. Turquía ataca el territorio sirio (em espanhol) (3 de outubro de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  42. a b Erdoğan says another Syrian mortar falls in Turkey, can’t be accident Todayszaman.com (4 de outubro de 2012). Visitado em 5 de outubro de 2012.
  43. Siria se disculpa por el ataque y el parlamento de turco autoriza una potencial intervención (em espanhol) (4 de outubro de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  44. Parlamento turco da permiso a Gobierno para que declare guerra a Siria (em español) (4 de outubro de 2012). Visitado em 7 de outubro de 2012.
  45. Parlamento turco da permiso para declarar la guerra a Siria (em espanhol) (4 de outubro de 2012). Visitado em 07 de outubro de 2012.
  46. "Muhammed Rıza Rahimi Ankara'da", 2012-10-04. Página visitada em 2012-10-05. (em Turkish)
  47. a b "Suriye'ye yine karşılık verildi", 2012-10-05. Página visitada em 2012-10-05. (em Turkish)
  48. The Associated Press. Turkey returns artillery fire at Syria for 5th day - World - CBC News Cbc.ca. Visitado em 2012-10-09.
  49. 3:55PM BST 08 Oct 2012. Turkey shells Syria for sixth day Telegraph. Visitado em 2012-10-09.
  50. Turquía obliga a aterrizar en Ankara a un avión comercial sirio, diario La Vanguardia, 10/10/2012
  51. Turquía libera avión sirio, confisca parte de carga - Reuters
  52. Las autoridades turcas obligan a un avión sirio a aterrizar en Ankara - Euronews
  53. Turquía asegura que el avión detenido transportaba armas a Siria, diario El País, 11/10/2012
  54. Un avión sirio abandona territorio turco tras ser retenido durante varias horas, diario El Mundo, 11/10/2012
  55. Turquía mantiene el misterio sobre el material incautado a un avión de línea sirio- Euronews
  56. Siria acusa a Turquía de maltratar a la tripulación del avión que retuvo en Ankara - Euronews
  57. Crece la tensión entre Ankara y Damasco tras la interceptación de un avión sirio - Euronews
  58. Sirios huyen hacia Turquía a través de río, recrudece conflicto - Terra
  59. Turquía envía dos aviones de combate a la frontera con Siria Euronews (12/10/2012). Visitado em 19/10/2012.
  60. José Miguel Calatayud (14/10/2012). Turquía mantiene 250 tanques en la frontera con Siria El País. Visitado em 19/10/2012. "'Turquía ha enviado 60 tanques más a regiones fronterizas con Siria, donde con estos ya tiene 250 tanques. Además, otros 15 cazas turcos han sido desplegados en la ciudad de Diyarbakir, en el sureste del país a unos 100 kilómetros de la frontera con Siria.'"
  61. Turquía bombardea Siria en represalia a otro ataque fronterizo
  62. Syria anti-aircraft shell reportedly hits Turkish health center Fox News (23 de outubro de 2012). Visitado em 23 de outubro de 2012.
  63. Turkey strikes Syria after shells hit Turkish village
  64. "Damascus car bombings as Syria 'ceasefire' ends." BBC News. 29 de Outubro de 2012.
  65. "Three Turks wounded as Syrian jets bomb near Turkish border", 2012-11-12. Página visitada em 2012-11-12.
  66. Cae un proyectil de mortero sirio del lado turco - Euronews
  67. Turquía pedirá a la OTAN el despliegue de misiles en su frontera con Siria - Euronews
  68. Turquía pedirá a la OTAN despliegue de misiles en frontera siria
  69. Turkey strikes targets in Syria in retaliation for shelling deaths CNN.com. Visitado em 2012-10-09.
  70. "NATO says plans in place to defend Turkey from Syrian attacks", 9 de outubro de 2012. Página visitada em 9 de outubro de 2012.
  71. AFP. "Syrian shell strikes Turkey, no injuries", NOW, 14 de janeiro de 2013. Página visitada em 19 de maio de 2013.
  72. "The brave Syrian risking his life to help kids like this cross the border". Independent.ie. 10 de abril de 2013. Página acessada em 14 de abril de 2013.
  73. Mourtada, Hania and Rick Gladstone. "Syrian Forces Strike Rebels in Wide-Ranging Assaults". The New York Times. 3 de maio de 2013. Página acessada em 19 de maio de 2013.
  74. "At Least 40 Killed in Turkey Bombings Near Syrian Border". The Daily Star. 11 de maio de 2013. Página acessada em 19 de maio de 2013.
  75. "Reyhanlı attack may be linked to peace process, Turkish PM suggests". Hurriyet Daily News. 11 de maio de 2013. Página acessada em 19 de maio de 2013.
  76. "Blasts kill dozens in Turkish town Reyhanli on Syria border". BBC News. 11 de maio de 2013. Página acessada em 19 de maio de 2013.
  77. ISIL threatens Erdoğan with suicide bombings in Ankara, İstanbul, em inglês acesso em 1º de janeiro de 2014.
  78. a b Turkish army returns fire from al-Qaeda-affiliated fighters on Syrian border, em inglês, acesso em 03 de janeiro de 2013.
  79. Al-Qaeda-linked fighters seize Syrian town of Azaz from more moderate rebels. Washington Post. 18 de setembro de 2013. Página acessada em 19 de setembro de 2013.