Congregação do Oratório

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Congregação do Oratório, hoje Confederação do Oratório (Confoederatio Oratorii Sancti Philippi Nerii), também conhecida como Oratorianos ou Ordem de São Filipe Néri, é uma sociedade de vida apostólica fundada em 1565, em Roma, por São Filipe Néri, para clérigos seculares, sem votos de pobreza e obediência, dedicando-se à educação cristã da juventude e do povo e a obras de caridade.

Reúne todas as congregações cujos membros são conhecidos como oratorianos ou filipinos, e pospõem aos seus nomes a sigla C.O., instituídas ao longo dos séculos, pela Santa Sé segundo o espírito da primeira, fundada em Roma, com a bula Copiosus in misericordia Deus (1575) do Papa Gregório XIII.

História[editar | editar código-fonte]

A Reforma Protestante do século XVI, embora aparentemente ameaçasse, na sua propagação e força, a própria vida da Igreja Católica, evocou uma exposição maravilhosa da fecundidade divina. Esse século viu surgir a Sociedade de Jesus, fundada por Santo Inácio de Loyola; os Teatinos, por São Caetano; os Barnabitas, por Santo António Maria Zaccaria; os Irmãos Hospitaleiros, por São João de Deus; e a Congregação do Oratório, por São Filipe Néri.

A fundação dessa última se deu em São Girolamo, Roma, onde os discípulos se reuniam para instrução espiritual. Gradualmente essas conferências tomaram forma definitiva, e padre Filipe construiu um oratório sobre o altar de São Girolamo, onde elas pudessem ser realizadas. Provavelmente foi daí que veio o nome da congregação.

Em 1564, ele assumiu o comando da igreja de São João dos Florentinos, onde seus discípulos, que eram sacerdotes, celebravam a missa e pregavam quatro sermões ao dia, intercalados por hinos e devoções populares. Onze anos de trabalho em São João convenceram o crescente grupo da necessidade de ter uma igreja própria e viver sob uma regra definida. Filipe e seus colaboradores, com o beneplácito do Papa, adquiriram em 1575 sua própria igreja, Santa Maria de Vallicella, que estava quase em ruínas e era muito pequena, pelo que decidiu-se demoli-la e construir uma maior, a chamada “Igreja Nova”, onde a congregação foi erigida por Gregório XII, em 15 de julho de 1575.

A nova comunidade congregaria sacerdotes seculares vivendo sob obediência, mas sem estar comprometidos por nenhum outro voto. São Filipe foi tão enfático neste ponto da regra, que mesmo se a maioria quisesse vincular-se por votos, a minoria que não o fosse possuiria o domínio da comunidade. Habeant possideant (“Eles possuem”), foram as palavras de Filipe.

Outra peculariedade do Instituto foi o fato de cada casa ser independente. E quando se sugeriu a Filipe que se uma casa tivesse apenas um punhado de membros e outra um número excessivo, seria benéfico transferir indivíduos da comunidade mais numerosa, ele respondeu: “Cada casa viverá por sua própria vitalidade, ou perecerá por sua própria decrepitude”. O motivo provável foi evitar o risco de qualquer comunidade se arrastar em uma existência decadente.

Em 1599, o Cardeal Pierre de Bérulle fundou em França uma sociedade semelhante. As congregações do Oratório, independentes umas das outras, mas cultivando o mesmo espírito, multiplicaram-se sobretudo na França, Itália, Portugal e Espanha, exercendo notável influência até princípios do século XIX.

Em Portugal, a Congregação do Oratório foi uma das mais importantes instituições na expansão do iluminismo, servindo de contraponto aos jesuítas[1] . Isso valeu-lhe a protecção do rei D. João IV de Portugal, e evitou a hostilidade do Marquês de Pombal e Conde de Oeiras.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, as missões dos oratorianos iniciaram-se provavelmente em fins de 1659 ou início de 1660, com a chegada a Pernambuco dos padres seculares portugueses João Duarte do Sacramento e João Rodrigues Vitória. Entre 1669 e 1685, várias aldeias missionárias foram fundadas no sertão, como a de Araribá (que se tornou a vila de Cimbres), Limoeiro, Tapessuruma, Ipojuca, Tacaratu e ouras. No final do século os oratorianos as abandonaram, dedicando-se a missões temporárias, que chamavam «volantes» e a prestar serviços religiosos aos portugueses.

Terras dos índios na Serra do Ororubá e as outras terras da Congregação do Oratório, em 1813. Mapa de José da Costa Pinto.

Hoje confederaram-se, formando a Confederação do Oratório.

Atualmente, a Congregação do Oratório de São Paulo (Brasil), localizada no Parque São Lucas, (Região Belém — Arquidiocese de São Paulo), é o único oratório do mundo na língua portuguesa.

Foi fundado pelo padre italiano Aldo Giuseppe Maschi (1920-1999), que chegou ao bairro por acaso, já que fora enviado em missão a outra região de São Paulo. Mas se encantou com a população local e decidiu permanecer ali, onde havia uma pequena capela dedicada a Santo Antônio. No seu lugar, padre Aldo construiu uma grande paróquia, a Paróquia São Filipe Néri, tornando-se fundador e prepósito (prefeito ou prelado) da Congregação do Oratório de São Paulo.

Hoje ela é formada por quatro padres, três irmãos, dois noviços e dois postulantes.

E padre Aldo ampliou sua fundação, trazendo ao bairro um convento feminino, das Irmãs Auxiliadoras do Oratório, que já possui seis irmãs, além de vocacionados e vocacionadas.

Referências

  1. Os jesuítas eram acusados de defender a escolástica, já ultrapassada, e de se oporem ao desenvolvimento científico, atrelados a uma filosofia e um ensino com base no aristotelismo. Os oratorianos representavam a luta pela abertura ao progresso, bem como às novas correntes de pensamento (o iluminismo). Seu papel foi notável na renovação da pedagogia, chegando a dispor de uma rica biblioteca, de laboratórios de ciência experimental e um jardim botânico. Nessa direcção, iniciou-se, dentre as discussões, um processo de renovação cultural, que teve por marco as “reformas educacionais pombalinas”. - A trajetória do Bispo João de São José Queirós (1711-1763), Intrigas Coloniais, por Blenda Cunha Moura, História do Instituto de Ciências Humanas e Letras da Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2009, pág. 31

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

 Bowden, Henry Sebastian. (1913). "The Oratory of Saint Philip Neri". Enciclopédia Católica. Nova Iorque: Robert Appleton Company. 

Este artigo incorpora texto da Catholic Encyclopedia, publicação de 1913 em domínio público.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Catolicismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.