Conhece-te a ti mesmo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ruínas do Templo de Delfos

O aforismo grego "Conhece-te a ti mesmo" (grego: γνῶθι σεαυτόν, transliterado: gnōthi seauton; também ... σαυτόν ... sauton com o ε contraído), é uma das máximas de Delfos e foi inscrita no pronaos (pátio) do Templo de Apolo em Delfos de acordo com o escritor Pausanias (10.24.1).[1]

A máxima, ou aforismo, "conhece-te a ti mesmo" teve uma variedade de significados atribuídos a ele na literatura. A Suda, uma enciclopédia grega de conhecimento do século X, diz: "o provérbio é aplicado àqueles que tentam ultrapassar o que são",[2] ou ainda um aviso para não prestar atenção à opinião da multidão.[3]

Em Latim, o aforismo é geralmente dada como Nosce te ipsum[4] ou temet nosce.[5]

Atribuição[editar | editar código-fonte]

O aforismo tem sido atribuído aos antigos sábios gregos:

Diógenes Laércio atribui a máxima a Tales (Vidas I.40), mas também observa que Antístenes em seus As sucessões dos filósofos atribui a Femonoe, uma poetisa grega mítica, embora admitindo que a máxima foi apropriada por Chilon. Em uma discussão de moderação e auto-consciência, o poeta romano Juvenal cita a frase em grego e afirma que o preceito descendentes de caelo ("do céu").[16]

A autenticidade de todas essas atribuições tem sido posta em dúvida, de acordo com alguns estudiosos modernos "A autoria real das três máximas estabelecidas no templo de Delfos poderão ser deixados na incerteza mais provável é que foram provérbios populares, que tenderam mais tarde a serem atribuídos a determinados sábios. "[17] [18]

Uso[editar | editar código-fonte]

Antigo Egito[editar | editar código-fonte]

Há duas partes do antigo templo de Luxor, o templo externo, onde os iníciantes estão autorizados a entrar e o templo interior onde se pode entrar só depois de comprovado digno e pronto para adquirir maior conhecimento e insights. Um dos provérbios do Templo exterior é "O corpo é a casa de Deus." É por isso que se diz: "Homem, conhece a ti mesmo."[19] INo Templo Interior, um dos muitos provérbios é "Homem, conhece-te a ti mesmo, assim conhecerá os deuses."[20]

Por Platão[editar | editar código-fonte]

Platão emprega a máxima "Conhece a ti mesmo" através do personagem de Sócrates para motivar seus diálogos. Platão deixa claro que Sócrates está se referindo a uma sabedoria de longa data. Benjamin Jowett em sua tradução dos Diálogos de Platão enumerou seis diálogos que discutem ou exploram o ditado de Delfos: (usando a páginação de Estefano) Cármides (164D), Protágoras (343B), Fedro (229E ), Filebo (48C), Leis (II.923A), Alcibiades I (124A, 129A, 132C).[21]

Contemporâneos de Sócrates[editar | editar código-fonte]

Como Platão, Xenofonte relata o uso da máxima por Sócrates como um tema organizador de um longo diálogo com Eutídemo em Memorabilia de Xenofonte.[22]

Aristófanes é o terceiro contemporâneo de Sócrates, cuja descrição de Sócrates e seus ensinamentos permanecem existentes. Em As nuvens, Aristófanes faz uma paródia dos filósofos em geral e de Sócrates em particular. As palavras γνώσει δὲ σαυτὸν (Conhece a si mesmo) são utilizados nesta obra por um pai ridicularizando seu filho sobre sua falta de aprendizado, "E você conhece a si mesmo, o quanto ignorante e estúpido você é."[23]

Usos posteriores[editar | editar código-fonte]

Detalhe da 6ª edição do Linnaeus Systema Naturae (1748). "HOMO. Nosce te ipsum."

De 1539 em diante a frase Nosce te ipsum e suas variantes latinas foram usadas ​​frequentemente nos textos anônimos escritos para as Folhas anatômicas impressas na Veneza, bem como para mais tarde em atlas anatômicos impressos em toda a Europa. As Folhas anatômicas 1530s são os primeiros casos em que a frase foi aplicada ao conhecimento do corpo humano atingido através de dissecação.[24]

Em 1651, Thomas Hobbes usou o termo nosce' teipsum que ele traduziu como "leia-se" em sua famosa obra, O Leviatã. Ele estava respondendo a uma filosofia popular do momento que diza que se pode aprender mais, estudando os outros do que a partir de livros de leitura. Ele afirma que se aprende mais, estudando-se: particularmente os sentimentos que influenciam nossos pensamentos e motivam nossas ações. Hobbes afirma, "mas para nos ensinar que a semelhança dos pensamentos e paixões de um homem, os pensamentos e paixões de outro, todo aquele que olhar para dentro de si e contemplar o que faz quando pensa, opina, a raciocina, tem esperança, medo, etc, e sobre que bases, ele deve, assim, ler e saber quais são os pensamentos e paixões de todos os outros homens sobre as ocasiões parecidas".[25]

Em 1734, Alexander Pope escreveu um poema intitulado "Um ensaio sobre o home, Epístola II", que começa "Conhece a ti mesmo, então, não presuma Deus para fazer a varredura, o estudo adequado da humanidade é o homem."[26]

Em 1735, Carl Linnaeus publicou a primeira edição da Systema Naturae no qual ele descreveu os seres humanos (Homo) com a simples frase "Nosce te ipsum".[27]

Em 1750 Benjamin Franklin, em seu Almanaque do pobre Richard, observou a grande dificuldade de se conhecer a si mesmo, com: "Há três coisas extremamente duras, o aço, o diamante e conhecer a si mesmo". Ben Franklin observa que é extremamente difícil conhecer a si mesmo.[28]

Em 1831, Ralph Waldo Emerson escreveu um poema intitulado "Γνώθι Σεαυτόν", ou Gnothi Seauton ("Conhece a ti mesmo"), sobre o tema "Deus em ti." O poema é um hino à crença de Emerson que "conhecer a si mesmo" significava conhecer a Deus que Emerson dizia existir dentro de cada pessoa.[29]

Os irmãos Lana e Andy Wachowski, diretores de cinema, utilizaram uma das versões latinas (temet nosce) deste aforismo como inscrição sobre a porta do Oráculos em seus filmes The Matrix (1999) e The Matrix Revolutions (2003).[30]


Referências

  1. Pausanias, Description of Greece, Paus. 10.24 (em inglês)
  2. Suda on Line, "Conhece a ti mesmo", como uma advertência
  3. Suda on Line (em inglês)
  4. Nosce te ipsum - Free Merriam-Webster Dictionary Merriam-webster.com (2010-08-13). Página visitada em 2011-03-16.
  5. AllExperts.com: temet nosce allexperts.com. Página visitada em 2013-02-17. (em inglês)
  6. Platão, Protágoras',343a-343b
  7. Clement of Alexandria. Stromateis, Books 1–3 (The Fathers of the Church, Volume 85). [S.l.]: CUA Press, 1 April 2010. p. 67. ISBN 978-0-8132-1185-5
  8. Platão, Protágoras, 343a - 343b (em inglês)
  9. Eliza Gregory Wilkins. "Know Thyself" in Greek and Latin Literature. [S.l.]: Wis., George Banta publishing Company, 1917. p. 12.
  10. a b Platão, Protágoras, 343a-343b (em inglês)
  11. Pausanias,10.24.1 menciona a controvérsia sobre se Periandro deveria ser listado como o sétimo sábio em vez de Misão. Mas Sócrates, que é citado por Pausanias como sua fonte apoia Misão.
  12. Platão, Filebo, 48c (em inglês)
  13. Platão, Fedro, 229ec (em inglês)
  14. Platão, Protágoras, 343a-343b (em inglês)
  15. "Tales é provavelmente mais conhecido pela máxima "Conhece-te a ti mesmo"." Saint Augustine. The City of God. [S.l.]: New City Press. p. 243. ISBN 978-1-56548-455-9
  16. "A máxima 'Conhece-te a ti mesmo' descende do céu, disse o satirista Juvenal(...)"Roger Lipsey. Have You Been to Delphi?: Tales of the Ancient Oracle for Modern Minds. [S.l.]: SUNY Press. p. 230. ISBN 978-0-7914-9145-4
  17. H. Parke and D. Wormell, The Delphic Oracle, (Basil Blackwell, 1956), vol. 1, p. 389.
  18. Dempsey, T., Delphic Oracle: Its Early History, Influence & Fall, Oxford : B.H. Blackwell, 1918. Com uma nota introdutória de Robert Seymour Conway|R.S. Conway. Cf. pp.141-142
  19. Isha Schwaller De Lubicz, Lucie Lamy, Her-Bak: The Living Face of Ancient Egypt., (Hodder and Staughton (1954)) (em inglês)
  20. Isha Schwaller De Lubicz, Lucie Lamy, Her-Bak: Egyptian Initiate., (Inner Traditions International, 1978) (em inglês)
  21. Platão, Os Diálogos de Platão traduzidos para o Inglês, com análises e apresentações por Benjamin Jowett, M.A. em cinco volumes. 3ª edição revista e corrigida (Oxford University Press, 1892)
  22. Memorabilia 4.2.24 (em inglês)
  23. Aristófane, As nuvens, Card 814 (em inglês)
  24. William Schupbach, The Paradox of Rembrandt's "Anatomy of Dr. Tulp (Wellcome Institute for the History of Medicine: London, 1982), pp. 67-68 (em inglês)
  25. Hobbes, Thomas. The Leviathan Civil peace and social unity through perfect government. Oregon State University: Phl 302, Great Voyages: the History of Western Philosophy from 1492-1776, Winter 1997. Página visitada em 6/1/2011. (em inglês)
  26. D. H. Lawrence. Reflections on the Death of a Porcupine and Other Essays. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 169. ISBN 978-0-521-35847-7
  27. Mary Maxwell. Human Evolution: A Philosophical Anthropology. [S.l.]: Taylor & Francis, January 1984. p. 1. ISBN 978-0-7099-1792-2
  28. Benjamin Franklin. Autobiography, Poor Richard, Letters. [S.l.]: D. Appleton, 1904. p. 195.
  29. Ralph Waldo Emerson,Gnothe Seauton,Poem 1831 (em inglês)
  30. Martin M. Winkler. Cinema and Classical Texts: Apollo's New Light. [S.l.]: Cambridge University Press, 12 February 2009. p. 82. ISBN 978-0-521-51860-4

Ver também[editar | editar código-fonte]