Connochaetes taurinus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página atravessa um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a contribuir e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por Ger01 (D C) há 3 meses atrás. (Recarregar)

Como ler uma caixa taxonómicaGnu-azul
Blue Wildebeest, Ngorongoro.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Artiodactyla
Família: Bovidae
Género: Connochaetes
Espécie: C. taurinus
Nome binomial
Connochaetes taurinus
(Burchell, 1823)

O gnu-azul (Connochaetes taurinus) é uma das duas espécies de gnu, encontrada no Leste e Sul da África e contando com pelagem cinzenta, mas face e a cauda negras.

Taxonomia e etimologia[editar | editar código-fonte]

O gnu azul foi descrito pela primeira vez pelo naturalista inglês William John Burchell em 1823[1] e ele deu-lhe o nome científico Connochaetes taurinus. Ele compartilha o género Connochaetes com o gnu-preto (C. gnou), e é colocado na família dos bovídeos, ruminantes com cascos fendidos.[2] O nome genérico Connochaetes deriva das palavras gregas κόννος, konnos, "barba", e χαίτη, khaite, "cabelos soltos", "juba".[3] O nome específico taurinus tem origem na palavra grega tauros, que significa um touro ou boi.[4] O nome comum "gnu-azul" refere-se ao notável brilho, azul-prateado do casaco[5] , enquanto o nome alternativo "gnu" origina do nome para estes animais usados ​​pelo povo Khokhoi, uma tribo de pastores nativo do sudoeste da África.[6]

Referências

  1. Pickering, J.. (Outubro de 1997). "William J. Burchell's South African mammal collection, 1810–1815". Archives of Natural History 24 (3): 311–26. DOI:10.3366/anh.1997.24.3.311. ISSN 0260-9541.
  2. Grubb, Peter. In: Wilson, D. E.; Reeder, D. M.. Mammal Species of the World. 3ª. ed. [S.l.]: Johns Hopkins University Press, 2005. Capítulo Order Artiodactyla. p. 676. ISBN 978-0-8018-8221-0.
  3. Benirschke, K.. Wildebeest, Gnu Comparative Placentation. Visitado em 6 de setembro de 2014.
  4. Taurus Encyclopaedia Britannica. Merriam-Webster..
  5. Estes, Richard. The Behavior Guide to African Mammals : Including Hoofed Mammals, Carnivores, Primates. 4ª. ed. [S.l.]: University of California Press, 2004. p. 150–156. ISBN 0-520-08085-8.
  6. Wildebeest Sheppard Software. Visitado em 6 de setembro de 2014.
Ícone de esboço Este artigo sobre artiodáctilos, integrado no Projeto Mamíferos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.