Conon de Samos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Agosto de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Conon de Samos
Nascimento 280 a.C.
Morte 220 a.C. (60 anos)
Ocupação Astronomia, matemática

Conon de Samos (ca. 280 a.C. — ca. 220 a.C.) foi um astrônomo grego e matemático. Ele é primariamente lembrado por nomear a constelação Coma Berenices.

Vida e trabalho[editar | editar código-fonte]

Conon nasceu em Samos, Iônia, e morreu possivelmente em Alexandria, Egito ptolemaico, onde era astrônomo da corte para Ptolemeu III Evérgeta.

Caio Valério Catulo dedicou um poema a Conon, em que descreve o episódio em que Berenice, esposa de Ptolemeu III Evérgeta, dedicou seus cabelos às deusas quando o rei voltou de sua campanha militar na Assíria,[Nota 1] e, quando os cabelos sumiram, Conon identificou-os no céu, com a Cabeleira de Berenice, Coma Berenices.[1]

Nem todos os astrônomos gregos aceitaram a atribuição. No Almagesto de Ptolemeu, Coma Berenices não é listado como uma constelação distinta. Entretanto, Ptolemeu faz atribuir várias indicações sazonais (parapegma) à Conon. Conon foi um amigo do matemático Arquimedes que ele provavelmente conheceu em Alexandria.

Pappus estabelece que a espiral de Arquimedes foi descoberta por Conon. Apolônio de Perga relatou que Conon trabalhou com seções cônicas, e seu trabalho se tornou a base para o quarto livro de Cônica de Apolônio. Apolônio mais tarde relata que Conon enviou alguns de seus trabalhos à Trasídeo, mas que estavam incorretos. Já que seu trabalho não sobreviveu é impossível avaliar a precisão do comentário de Apolônio.

Em astronomia, Conon escreveu em sete livros seu De astrologia, incluindo observações sobre eclipses solares. Ptolemeu mais adiante atribui dezessete "signos das estações" à Conon, embora isto possa não ter sido dado em De astrologia. Seneca escreve que "Conon foi um observador cuidadoso" e que ele "gravou eclipses solares observados pelos egípcios",[2] embora a precisão desta declaração seja posta em dúvida. O romano Caio Valério Catulo escreve que Conon "discerniu todas as luzes do vasto universo e desvendou as ascensões e os cenários das estrelas, como o brilho flamejante do sol é escurecido e como as estrelas recuam em tempos fixos."[1] [3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. Esta guerra é denominada como a Terceira Guerra Síria, de 246 a.C..

Referências

  1. a b Catulo, Poema 66 [em linha]
  2. Otto E. Neugebauer (1975)
  3. Ivor Bulmer-Thomas (1970-1990)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]