Consórcio Operacional Zona Norte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Conorte)
Ir para: navegação, pesquisa

O CONORTE (Consórcio Operacional Zona Norte) é um dos três consórcios que fazem o transporte público de Porto Alegre, junto com a UNIBUS e com o STS, além da Carris. Sua frota é de 442 veículos, sendo 103 com portas de ambos os lados e plataforma elevada para o trajeto da Sertório e desembarque no Terminal da Praça Parobé, e ainda 257 veículos com elevador para cadeiras de rodas.

Empresas associadas[editar | editar código-fonte]

Faz a operação na bacia Norte de Porto Alegre e é formado pelas empresas:

História[editar | editar código-fonte]

Primórdios[editar | editar código-fonte]

No ano de 1988 as empresas Sopal e Nortran estudaram a implantação de um novo modelo administrativo por consórcio. Em 1989 essa iniciativa acabou sendo interrompida pela Prefeitura de Porto Alegre, que não aceitou a idéia. No ano de 1991 a Nortran faz parte de um corpo técnico para planejar a administração por consórcio. Em 13 de novembro do mesmo ano a empresa Sopal é devolvida para a iniciativa privada e segregada em duas operadoras: a Fenix e a Vianorte.

No fim de 1992 houve um acordo entre as empresas de transporte público da Zona Norte (Fênix, Nortran e Vianorte), o que possibilitou a implantação de um novo sistema de administração do transporte urbano de Porto Alegre. Em março de 1993 é fundada oficialmente a concessionária Conorte (Consórcio Operacional Zona Norte), que era vinculado a empresa Vianorte Serviços, controladora da operação das empresas vinculadas do consórcio. O consórcio também passa a controlar a fiscalização das empresas vinculadas a ela, com exceção dos largadores de garagem, que seguiram a ser controlados pelas empresas. Mas, com as dificuldades de relacionamento entre largadores e fiscalização de rua, acabou sendo unificados também. Também passam a ser centralizado o planejamento dos horário e itinerários das linhas, além das tratativas com o poder concedente e outros órgãos públicos. Em 1993 havia o problema dos grandes congestionamentos na Avenida Assis Brasil, principalmente próximo ao Viaduto Obirici. Os congestionamentos eram constantes devido ao problema da centralização do transporte naquela área e também por não haver vias alternativas para o deslocamento até o Centro. Foram então criados desvios pela Sertório e pela Free Way, descongestionando o acesso ao Centro via Assis Brasil. Também houve a padronização do sistema de transporte público na Zona Norte, reduzindo o número de viagens perdidas e a qualificação da frota dos veículos usados e dos trabalhadores.

Padronização[editar | editar código-fonte]

Em junho de 1994 é anexado no consórcio as empresas Vap, Vap-Jari (Metropolitana) e Estoril e em janeiro do ano seguinte a Vianorte é rebatizada de Sopal. Em 1995 o consórcio é reestruturado, ganhando sua própria administração (Conselho diretor, Diretor executivo, Setor de planejamento, Setor de CPD, Setor fiscalização e Assessoria comunitária). No mesmo ano inicia-se o processo das pinturas padronizadas por radiais nos ônibus do sistema de Porto Alegre. Devido a esta determinação, as empresas VAP, Estoril e VAP-Jari saem do Conorte para a criação de um consórcio próprio - na época denominado UNILESTE, que mais tarde daria origem ao UNIBUS. Em julho o sistema de pagamento das rodagens de veículos articulados e linhas diretas passa a ser feito conforme a sua produtividade. Em setembro é criado o Serviço de Informação e Reclamação do Conorte (SIRC), facilitando o contato dos clientes do Conorte à informações diversas sobre a operação e sobre horários e linhas. Em julho de 1996 a logomarca do consórcio é reformulada e passa a ser utilizada em toda a sua frota, passando também a identificar todas as empresas que a compõe. Em fevereiro de 1997 o consórcio participa junto com a ATP e outras operadoras privadas do sistema de um grupo de estudo para analisar as racionalizações do sistema e métodos de controle e avaliação dos custos de rodagem, com todos os participantes realizassem em proporções iguais os índices percentuais da matriz de partilha (igual a receita) e o relatório é apresentado em abril. Em março é criado o setor de treinamento, que atendia a legislação municipal (motoristas-48hs e cobradores-20hs), que foi inicialmente realizado pelas empresas Sopal e Fenix. A SMT/POA estuda o sistema por bacias operacionais em dezembro de 1997.

Modernização do sistema[editar | editar código-fonte]

Em 13 de janeiro de 1998, pela lei 8133, e atendendo a uma tendência internacional de municipalização da mobilidade urbana, a SMT é extinta para dar lugar a EPTC (Empresa Pública de Transporte e Circulação). Mesmo assim, por determinação da SMT, em fevereiro entra a quarta empresa que forma atualmente o Conorte: a Navegantes. Logo após esta e a Nortran passam a integrar o grupo de treinamentos. Em maio o consórcio define a logomarca atual. Após avaliação do corpo técnico e com a anuência do conselho diretor, altera-se o padrão de controle de rodagem, passando a utilizar a metodologia analisada no grupo de estudos em relação de tipificação de linhas e veículos operacionais, sendo determinado a reavaliação das linhas no início de cada semestre: janeiro e julho. A partir de 1999, por determinação da EPTC, o acesso dos ônibus é modificado: ao invés de embarcar pela porta de trás e desembarcar pela porta da frente (como vinha ocorrendo até então), os usuários passam a embarcar pela porta da frente e desembarcar pela porta de trás, o que diminuiu o problema da evasão de usuários que não pagavam passagem. Até ali apenas idosos, gestantes e deficientes podiam entrar pela porta da frente. É criada em dezembro de 1999 a assessoria de comunicação do consórcio, que dá suporte à informações para os meios de comunicação de Porto Alegre e elabora o seu jornal (o Rodonorte, criado em janeiro de 2000).

Em abril de 2000 o consórcio adere ao Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP). Em julho de 2000 começa a operar o terminal elevado Parobé e corredor Sertório (projeto Norte-Nordeste), sendo necessário o acréscimo de cinco veículos à frota (veículos com quatro portas e cores diferenciadas). Em março de 2001, para dar qualificação e padronização ao Rodonorte, eventos promorcionais do consórcio e todas as comemorações, é criado a Equipe de Eventos do Conorte. Em 2007, por determinação da EPTC, começa a funcionar o sistema de transporte integrado de Porto Alegre, que foi denominado TRI.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]