Conselho Privado da Escócia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

</noinclude> O Conselho Privado da Escócia foi um corpo que aconselhava o rei.

Depois de 1603 Jaime VI era capaz de se vangloriar ao Parlamento Inglês que ele governava a Escócia com sua caneta. O conselho recebeu suas instruções por escrito e executou sua vontade.[1] Este estilo de governo, continuado por seus netos Carlos II e Jaime VII, foi interrompido durante o reinado de Carlos I, o Covenanters e a ocupação de Cromwell. Existem lacunas no registo durante as revoltas de 1638-1641, quando o conselho foi amplamente deslocado por uma administração alternativa criada pelos Covenanters e durante o período de Cromwell, o conselho deixou de agir.

Senhor Presidente do Conselho Privado[editar | editar código-fonte]

O Presidente do Conselho Privado foi um dos grandes oficiais de Estado, na Escócia. O Lorde Chanceler presidia o Conselho de ex officio, mas, em 1610, Jaime VI decretou que o presidente do Colégio de Justiça deve presidir na ausência do chanceler, e em 1619 o título suplementar de presidente do Conselho Privado foi adicionado. As duas presidências foram separadas em 1626, como parte da reorganização de Carlos I do Conselho Privado e da Court of Session. O Senhor Presidente do Conselho foi primazia como um dos principais oficiais do rei em 1661, mas apareceu no Parlamento apenas intermitentemente.

cargo abolido

Referências

  1. Privy council records (em inglês). Governo Escocês. Página visitada em 25 de agosto de 2013.

Ver também[editar | editar código-fonte]