Conselhos evangélicos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde dezembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Os conselhos evangélicos são aspectos da vida de Cristo pelos quais os religiosos católicos vivem a restrita uniformização com Cristo, tornando-se novos Cristos para a Igreja (cristiformização). Os conselhos evangélicos são seguidos pelos consagrados mediante votos professados em institutos de vida religiosa (ordens e congregações religiosas) ou em institutos seculares. Através destes votos, os religiosos seguem as constituições dos seus respectivos institutos, vivendo os conselhos evangélicos segundo o carisma de seu grupo religioso. Os Votos mais comuns são os votos de pobreza, castidade e obediência.

O grau de seguimento e cumprimento destes conselhos evangélicos varia de instituto para instituto, sendo as ordens religiosas mais austeras, onde os Votos são professados solenemente. Isto em oposição às congregações religiosas, que só obrigam os seus membros a professarem os votos na sua versão mais simples. A diferença mais marcante destas duas versões está no cumprimento do voto da pobreza.

Tipos[editar | editar código-fonte]

Os mais comuns votos professados são três:

  • Pobreza - seguindo Cristo que sendo rico e todo-poderoso se fez pobre por amor incondicional aos homens. Logo, por meio deste voto, os que prometeram cumpri-lo não podem mais ter bens pessoais, renunciando aos bens que já tinham e dispensando tudo o que venha a ter como posse e tudo o que por força de trabalho precisarem ter é apenas propriedade do seu instituto religioso. Normalmente, esta visão é defendida pelas ordens religiosas, enquanto que as congregações religiosas têm uma visão menos austera e mais simples do voto da pobreza, permitindo assim aos seus membros a posse, mas não o uso, de bens pessoais.
  • Castidade (através do celibato) - cuja finalidade é os professados terem um coração indiviso para Deus, fazendo-os seguir por isso a continência.
  • Obediência - todo aquele que for superior de um instituto religioso ou de alguma parte do mesmo passa automaticamente a ter grande autoridade sobre os professados, que devem sempre obedecer aos seus superiores, que fazem as vezes de Deus para eles.

Teologia[editar | editar código-fonte]

A teologia dos conselhos evangélicos ou a teologia dos votos religiosos nos apresenta como fundamento a teologia do coração indiviso (LG 42), pois para a vivência destos é necessário a entrega total do ser nas mãos de Deus, uma vez que a pessoa de Cristo se doa na sua totalidade.

Os conselhos evangélicos têm sua origem divina, mais exatamente, cristológica. Estão fundamentados nas palavras e exemplos de Jesus. Tem sua origem divina na doutrina e nos exemplos de Jesus, isto quer dizer, que se fundam em sua vida, em toda sua vida. A vida e a doutrina de Jesus estão na base de toda forma de vida cristã, e de maneira especial, na base da vida consagrada. Eles não são obrigados aos cristãos todos, muito menos lhes é prerrogativa de uma vida mais ou menos santa, apenas são obrigados àqueles que livremente optarem por seguir para atingirem não só a salvação (e portanto a santidade), mas também a perfeição.

Antes do Concílio Vaticano II os votos eram distribuídos na seguinte ordem: obediência, castidade e pobreza, pois a concepção destes era vista de uma perspectiva muito diferente da atual. A Obediência era a mais exigente porque era a renuncia da própria liberdade e a capacidade de dominar a vontade humana; a Castidade era a renuncia as paixões e a capacidade de dominar os sentimentos e os afetos do coração; a Pobreza era considerada a menos exigente dos tres, pois era vista somente em sua realidade externa, renuncia aos bens externos e a capacidade de viver na simplicidade e com poucas coisas.

Com o Concílio Vaticano II modificou-se a visão escolástica que se tinha na idade media dos votos. A nova ordem é Castidade, Pobreza e Obediência, (PC 12, LG 43) por sua vez estes votos foram vistos sob seu aspecto positivo enfatizando o primado da castidade, em relação a Deus, as pessoas e as coisas.

Quanto ao voto de pobreza é verdade que os bens materiais são externos à pessoa humana, porém, o apego a eles toca profundamente o intimo do coração, em todas as suas faculdades e potencialidades. A obediência não deixa der ser a renúncia da própria liberdade, porém não tem valor em si, mas visa o bem maior numa perspectiva profunda de fé que provoca um ouvir com o coração.

Castidade consagrada[editar | editar código-fonte]

A castidade consagrada é a plenitude do amor, pois o voto de castidade começa pelos laços afetivos e familiares, porém consiste na humanização, disciplina e no limite afetivo. O termo castidade provém do latim castitate e significa as qualidades de uma pessoa casta. Também tem o sentido de abster-se dos prazeres sensuais. Mas o termo consagrado é usado pelo Concílio Vaticano II com o significado constante e global de doação integral de si a Deus, serviço total a Ele, modo especial de consagração ao Senhor (PC I). Esse voto não é mais visto só como uma proibição de relações sexuais, mas é analisado em um sentido bem mais amplo, que consiste no respeito mutuo, seguindo bem de perto a Cristo pobre, obediente e casto.

No antigo testamento a paternidade e a maternidade eram essenciais. Pois era inconcebível alguém não ter descendência, e a virgindade era tida como uma desgraça. A abstenção dos atos sexuais, para o homem, só era prevista por tempo determinado em caso de estudo das leis, segundo a Toráh e o Talmud da Babilônia, do contrário não. Após o exílio há uma nova realidade sobre o eunuco que era desprezado pela sociedade judaica, mas é Jesus de Nazaré que vem valorizar os três estados de eunuco (Cf. Mt 19, 1-12). Ele se fez eunuco por causa do Reino.

Apesar da nova perspectiva dada pelo Concilio, ainda há resquícios de uma mentalidade ligada à fonte sacerdotal que visa à castidade na ótica simplista da genitalidade. Outra fonte antiga é a sapiencial/profética que passou a incluir o eunuco na sociedade israelita.

A partir desta iniciou-se, já no Antigo Testamento uma nova visão do celibato, uma vez que surgiram os essênios e mais tarde o próprio Cristo valorizou a opção pelo celibato quando livremente se faz por amor ao Reino. Atualmente a castidade consagrada deve ser entendida num amplo sentido, ela é a maneira de estar aberto as relações acolhedoras, puras, edificantes, e consoladoras entre os filhos do Pai.

Obediência na caridade fraterna[editar | editar código-fonte]

A palavra obediência em sua raiz etimológica quer dizer: ouvir com o coração e escutar em profundidade, ou seja, escutar com amor. O fundamento bíblico do voto da obediência é a relação amorosa que existe entre Deus e o ser humano, pos vocação à vida religiosa é o encontro de dois amores, o Deus que chama por amor, e o chamado que responde com amor.

A obediência só tem sentido a partir da . Toda obediência esta ligada ao discernimento, visto que, obedecer é abrir mão dos planos pessoais em vista dos planos comunitários, por tanto, é preciso ver na voz do superior a vontade de Deus (Cf. cân. 601). Jesus no Getsêmani colocou sua vontade em segundo plano conformando plenamente à vontade do Pai por um bem maior. Meu Pai se é possível, afaste-se de mim este cálice. Contudo, não seja feito como eu quero, e sim como Tu queres.

Toda a obediência está vinculada a uma autoridade. A autoridade na igreja é uma missão nobre e sublime, desde que exercida como serviço desinteressado e não como ambição. Toda autoridade religiosa está vinculada a uma comunidade. É, em primeiro lugar, obediência ao Espírito, numa atitude constante de escuta e discernimento. Assim, a obediência dos membros de uma congregação religiosa passa pelas Regras. Estas Regras não são mortas, mas animadas pelo Espírito que vem de Deus.

Ver também[editar | editar código-fonte]