Conspiracy (Star Trek: The Next Generation)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Conspiracy"
25º episódio da 1ª temporada de
Star Trek: The Next Generation
O corpo hospedeiro de Remmick e o parasita gigante são destruídos por Picard e Riker.
Informação geral
Escrito por Tracy Tormé
História Robert Sabaroff
Direcção Cliff Bole
Código de produção 40271-125
Exibição original 9 de maio de 1988
Convidados

Henry Darrow como Savar
Ward Costello como Gregory Quinn
Robert Schenkkan como Dexter Remmick
Ray Reinhardt como Aaron
Jonathan Farwell como Walker Keel
Michael Berryman como Rixx
Ursaline Bryant como Tryla Scott

Cronologia
Último
Último
"We'll Always Have Paris"
"The Neutral Zone"
Próximo
Próximo
Lista de episódios

"Conspiracy" é o vigésimo quinto episódio da primeira temporada da série de ficção científica Star Trek: The Next Generation. Ele foi exibido pela primeira vez nos Estados Unidos no dia 9 de maio de 1988 em Syndication. O roteiro foi escrito por Tracy Tormé a partir de uma história de trinta páginas desenvolvida por Robert Sabaroff, que por sua vez foi originalmente baseada em uma premissa de uma frase chamada "The Assassins", criada por Gene Roddenberry. "Conspiracy" foi dirigido por Cliff Bole.

No enredo, após encontrar outro capitão, o estranho comportamento de altos oficiais faz Jean-Luc Picard e a tripulação da USS Enterprise desmascarar uma conspiração de membros da Frota Estelar possuídos por parasitas preparando uma invasão.

Vários efeitos de maquiagem foram criados pelo supervisor de maquiagem Michael Westmore, incluindo uma cabeça explosiva feita de carne crua. Existia certa preocupação entre os produtores de que alguns efeitos eram muito gráficos, porém eles decidiram exibi-lo sem cortes após o episódio ter sido assistido pelo filho de um membro da equipe. "Conspiracy" subsequentemente entrou em algumas listas de melhores episódios da série, vencendo um Primetime Emmy Award. Entretanto, sua exibição original foi controversa: ele foi banido no Reino Unido e um aviso foi colocado no Canadá.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Enquanto a USS Enterprise viaja para Pacifica, o Capitão Walker Keel da USS Horatio chama o Capitão Jean-Luc Picard e pede por um encontro particular. Ao chegarem em Dytallix B, a tripulação descobre a Horatio e outras duas naves da Federação, mas elas não respondem os chamados da Enterprise. Picard transporta-se para a superfície e encontra Keel e outros capitães. Keel fala sobre estranhas ordens e eventos no Quartel General da Frota Estelar, afirmando suspeitar de uma conspiração. Picard recusa-se a acreditar nisso sem provas. As naves partem do planeta e voltam para seus cursos originais. Picard faz Data rever as anotações da Frota à procura de anomalias. Enquanto aproximam-se de seu destino, a tripulação descobre os destroços da Horatio. Data termina sua revisão e relata várias ordens estranhas vinda dos altos níveis da Frota Estelar. Picard informa seus oficiais sobre a teoria da conspiração, e ordena que a Enterprise volte para a Terra.[1]

Ao chegarem, Picard e o Comandante William T. Riker são recebidos por três almirantes: Savar, Aaron e Quinn, junto com o assistente de Quinn, Tenente-Comandante Dexter Remmick. Eles surpreendem-se pela presença da Enterprise, porém convidam Picard e Riker para um jantar. Quinn pede para ser transportado abordo da Enteprise para um passeio, e, a pós uma conversa, Picard começa a suspeitar dele, contando isso a Riker. Picard transporta-se para a superfície para o jantar, e Riker visita Quinn nos seus aposentos, perguntando-lhe sobre a pequena caixa que ele havia trazido consigo. Quinn conta que a caixa contém uma criatura parasita. Quando Riker tenta sair, Quinn o joga longe. Uma equipe de segurança chega e, após vários disparos de faser, consegue subjulgar o almirante. A Dra. Beverly Crusher encontra uma pequena protuberância na parte de trás do pescoço de Quinn, e descobre que um parasita se apossou de seu cérebro e o estava controlando. A Dra. Crusher avisa Picard, que revela ter transportado-se desarmado para a superfície.[1]

Uma tigela de larvas vivas é servida no jantar, e Picard tenta fugir, porém Riker bloqueia seu caminho. Os almirantes veem uma protuberância prostética no pescoço de Riker e permitem que ele junte-se ao jantar, acreditando que ele também foi contaminado pelo parasita. Eles revelam que os parasitas querem dominar a Frota Estelar usando humanóides como hospideiros. Riker ataca os almirantes, usando um faser totalmente carregado para matar. Um a um, Picard e Riker matam os almirantes infectados, forçando os parasitas a deixar seus hospedeiros mortos. Um dos parasitas foge por uma porta fechada, e Picard e Riker o perseguem. Eles encontram Remmick ingerindo o parasita para que ele se junte a outros dentro de seu corpo. Picard e Riker atiram em Remmick, destruindo seu corpo mas libertando um parasita gigante; os dois continuam a atirar até destruirem o alienígena. A Dra. Crusher relata que outros parasitas, incluindo o que estava no corpo de Quinn, murcharam e morreram sem a criatura que estava dentro de Remmick. Enquanto ajudam na reorganização da Frota, eles descobrem que antes da morte de Remmick, a criatura enviou um sinal para um quadrante distante da galáxia, possivelmente para guiar outros alienígenas semelhantes até a Terra.[1]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Produção[editar | editar código-fonte]

Gene Roddenberry teve a ideia original deste episódio com uma proposta de uma frase chamada "The Assassins". Robert Sabaroff expandiu essa ideia para um argumento de trinta páginas, porém sua versão foi vista como muito cara. Tracy Tormé recebeu a tarefa de reescrevê-la, porém os produtores acharam essa versão muito sombria até que Roddenberry leu o roteiro e o aprovou. Em um dos primeiros rascunhos, os conspiradores eram uma facção da Frota Estelar ao invés de parasitas alienígenas, porém Roddenberry não gostatava de mostrar a Frota Estelar de maneira tão sombria.[2] A premissa foi baseada no Caso Irã-Contras.[3]

O diretor de "Conspiracy", Cliff Bole, era um antigo colega de escola do supervisor de maquiagem Michael Westmore.[4] A cena com Remmick no final do episódio foi adicionada durante a pós-produção, já que o roteiro originalmente pedia um confronto entre Riker e Picard contra uma enorme criatura parasita.[2] A cena em que um parasita é ingerido por Remmick demorou muitas tomadas para ser gravada; o efeito da garganta foi criado por Westmore bombeando ar para bexigas colocadas em um pescoço falso, e Bole ainda queria que o maquiador hiperventilasse o órgão durante o esforço.[4] Os próprios parasitas foram criados pela Makeup & Effects Laboratories a partir de um desenho feito por Rick Sternbach.[5] Um molde do rosto do ator Paul Newman foi preenchido com carne crua e então explodido para criar o efeito da morte de Remmick nas mãos de Picard e Riker, porém Rick Berman e Peter Lauritson acharam o resultado final muito gráfico. Dan Curry, supervisor de efeitos visuais, então chamou seu filho de seis anos e o convidou para assistir o episódio afim de testar como seria as reações do público infantil; ele disse que seu filho gostou tanto a ponto de sugerir a criação de um boneco de Remmick onde a cabeça explodiria quando um botão fosse pressionado. Isso fez Berman decidir exibir o episódio sem cortes.[4]

Vários objetos e efeitos foram reutilizados dos filmes de Star Trek, incluindo planos da Terra e da Doca Espacial, e uma pintura do Comando da Frota Estelar. As portas da sala onde o jantar é servido transformariam-se mais tarde, na segunda temporada, em parte do cenário do Bar Panorâmico.[6] "Conspiracy" também faz a apresentação das naves estelares da classe Ambassator na forma da USS Horatio, apesar de já ter sido estabelecido que a Enterprise-C pertencia a essa classe, e os bolianos,[6] espécie alienígena nomeada em homenagem ao diretor deste episódio.[7] Apesar de nunca terem aparecido novamente em algum episódio da franquia, os parasitas apareceram em romances com os personagens de Star Trek: Deep Space Nine, revelando-se como simbiontes trill mutantes.[7]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

O episódio foi exibido pela primeira vez nos Estados Unidos em 9 de maio de 1988.[1] Devido a natureza de seu conteúdo, um aviso foi colocado antes de sua transmissão no Canadá.[3] Ele foi inicialmente banido pela BBC no Reino Unido,[4] porém foi mais tarde exibido pela BBC Two em uma versão editada.[3] [8] "Conspiracy" foi indicado ao Primetime Emmy Award de Melhor Maquiagem junto com "Coming of Age", vencendo o prêmio, uma das três vitórias que Star Trek: The Next Generation teve em sua primeira temporada.[9]

Vários críticos assistiram The Next Generation após sua conclusão. Keith DeCandido do Tor.com descreveu "Conspiracy" como "um episódio desagradável", mas também afirmou que a série "não faz terror/ação frequentemente, e ele serve pelo menos como uma boa mudança de ritmo". Ele deu ao episódio uma nota quatro de dez.[7] Zack Handlen, avaliando o episódio para a The A.V. Club, achou que "apesar de difícil de ser esquecido", ele não era tão bom quanto lembrava e que não se "encaixa" com o resto da temporada. Handlen achou que algumas partes do enredo eram "idiotas", e que os almirantes lembravam "uma convenção de vilões de James Bond". Ele deu ao episódio uma nota "B", escrevendo, "dedos cruzados na próxima vez que encontrarmos um perigo tão sinistro, os roteiristas sabem como lídar com isso".[10]

"Conspiracy" foi incluido como menção honrosa na lista de Mike Antonucci, do San Jose Mercury News, dos melhores episódios de Star Trek: The Next Generation.[11] Ele também entrou na lista de melhores feita por Scott Thill da Wired, descrevendo-o como "polarizador" e sugerindo que o episódio seria um bom enredo para algum futuro filme da franquia.[3] James White da Total Film também achou que o enredo de "Conspiracy" tinha potencial para virar filme, e afirmou que ele era "facilmente um dos melhores episódios de Star Trek: The Next Generation".[12] Em 2012, David Brown da Radio Times afirmou que "Conspiracy" era "definitivamente um ponto alto" da primeira temporada; ele também o colocou em sua lista dos maiores momentos da série.[8]

Referências

  1. a b c d Conspiracy StarTrek.com. Visitado em 9 de novembro de 2012.
  2. a b Nemecek 2003, p. 68
  3. a b c d Thill, Scott (25 de setembro de 2012). The Best and Worst of Star Trek: The Next Generation’s Sci-Fi Optimism Wired. Visitado em 10 de novembro de 2012.
  4. a b c d Reeves-Stevens 1998, p. 69
  5. Block & Erdmann 2012, p. 111
  6. a b Nemecek 2003, p. 69
  7. a b c DeCandido, Keith (1 de agosto de 2011). Star Trek: The Next Generation Rewatch: “Conspiracy” Tor.com. Visitado em 10 de novembro de 2012.
  8. a b Brown, David (28 de setembro de 2012). Happy Birthday Star Trek: the Next Generation Radio Times. Visitado em 10 de novembro de 2012.
  9. STAR TREK: THE NEXT GENERATION Emmys.com. Visitado em 10 de novembro de 2012.
  10. Handlen, Zack (28 de maio de 2010). "We'll Always Have Paris"/"Conspiracy"/"The Neutral Zone" The A.V. Club. Visitado em 10 de novembro de 2012.
  11. (19 de maio de 1994) "Critic picks five favorite 'The Next Generation' episodes". Knight Ridder/Tribune.
  12. White, James (16 de junho de 2009). 9 Possible Plots For Star Trek 2 Total Film. Visitado em 10 de novembro de 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Block, Paula; Erdmann, Terry. Star Trek: The Next Generation 365. Nova Iorque: Abrams, 2012. ISBN 978-1419704291.
  • Nemecek, Larry. Star Trek: The Next Generation Companion. 3. ed. Nova Iorque: Pocket Books, 2003. ISBN 0-7434-5798-6.
  • Reeves-Stevens, Judith & Garfield. Star Trek: The Next Generation: The Continuing Mission. 2. ed. Nova Iorque: Pocket Books, 1998. ISBN 978-0671025595.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]