Constança Manuel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Constança Manuel (ca. 131813 de Novembro de 1345) foi uma nobre castelhana, rainha de Leão e Castela, consorte do infante D. Pedro de Portugal e mãe do rei D. Fernando de Portugal.

Filha de Constança de Aragão, era neta materna de Branca de Anjou, princesa de Nápoles e de Jaime II de Aragão. O seu pai, D. João Manuel de Castela, príncipe de Vilhena e Escalona, duque de Peñafiel, tutor de Afonso XI de Castela, «poderoso e esforçado magnate de Castela»,[1] era neto do rei Fernando III de Castela.

Com apenas cerca de 7 anos e depois de ter «enviuvado» de um compromisso anterior, D. João Manuel casou Constança com o seu pupilo Afonso XI de Castela, que na época contava com 14 anos de idade e acabara de entrar na maioridade. Ratificada pelas cortes em Valladolid, a 28 de Março de 1325, a união não seria consumada. Interessado numa aliança com a coroa portuguesa, Afonso repudiou-a e prendeu-a no Castelo de Toro, desfazendo completamente o projecto em 1327 e casando-se no ano seguinte com Maria de Portugal, filha de D. Afonso IV.

Foi combinado assim novo casamento com o infante D. Pedro, irmão de Maria de Portugal e seu primo afastado (a mãe de Pedro, Beatriz de Castela, era bisneta de Fernando III de Castela). D. João Manuel tinha «um ensejo de compensar o procedimento do seu soberano»,[1] no matrimónio da filha com o infante português.

O rei castelhano teria disfarçado seu descontentamento e consentiu o casamento por procuração, mas não permitiu que Constança saísse de Castela. A cerimónia teve lugar no Convento de São Francisco em Évora, a 6 de Fevereiro de 1336. Estavam presentes o infante D. Pedro e os seus pais e, por parte de Constança, Fernão e Lopo Garcia. O dote da noiva, quantia de vulto, foi ajustado em 300 mil dobras.

A resolução de reter Constança deu origem a um conflito entre os dois reinos que, no contexto da Reconquista de então, seria aproveitado pelos inimigos mouros. Percebendo a situação, Afonso IV de Portugal e Afonso XI de Leão e Castela negociaram e assinariam uma paz em Sevilha, em Julho de 1340.

O casamento com a presença dos dois noivos foi então celebrado em Lisboa, a 24 de Agosto de 1339. As rainhas de Portugal contaram, desde cedo, com os rendimentos de bens adquiridos, na maioria, por doação. D. Constança recebeu como dote as vilas de Montemor-o-Novo, Alenquer e Viseu.

No séquito de aias de Constança vinha Inês de Castro, jovem galega, filha natural do poderoso fidalgo Pedro Fernandes de Castro. Por ela, o príncipe, «homem arrebatado, brutal e com seu quê de vesânico»,[1] se apaixonaria.

O romance de Pedro e Inês tinha implicações políticas: a influência que os irmãos desta, Álvaro Pires de Castro e Fernando de Castro, passaram a ter sobre o infante. Quando nasceu Luís de Portugal, primeiro varão de D. Pedro, Constança convidou Inês para ser a madrinha. De acordo com os preceitos da Igreja Católica de então, a relação entre os padrinhos e os pais do baptisando era de parentesco moral, e o seu amor seria quase incestuoso.

Mas Luís morreria em uma semana, o que fez aumentar as desconfianças em relação a Inês de Castro. O romance adúltero continuaria, vivido às claras, até que D. Afonso IV exilou a nobre galega em Alburquerque, na fronteira espanhola, em 1344.

No ano seguinte, a 13 de Novembro de 1345, a jovem Constança faleceu, de desgosto com a traição do marido, segundo o imaginário popular. Tinha dado à luz a infante Fernando de Portugal a 31 de Outubro. Não chegaria a ver o seu marido subir ao trono português.

Casamentos e descendência[editar | editar código-fonte]

O seu primeiro matrimónio (Valladolid, 28 de Março de 1325 - anulado em 1327) com Afonso XI de Castela não foi consumado, não gerando descendência.

Casou-se em segundas núpcias com o infante D. Pedro de Portugal em 24 de Agosto de 1339. Deste, nasceram:

Ascendência[editar | editar código-fonte]

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Afonso IX de Leão
 
 
 
 
 
 
 
Fernando III de Castela
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Berengária de Castela
 
 
 
 
 
 
 
Manuel de Castela, Senhor de Villena
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Filipe da Suábia
 
 
 
 
 
 
 
Beatriz da Suábia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Irene Angelina de Bizâncio
 
 
 
 
 
 
 
João Manuel de Castela
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Tomás I de Saboia
 
 
 
 
 
 
 
Amadeu IV de Saboia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Margarida de Genebra
 
 
 
 
 
 
 
Beatriz de Saboia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Barral de Baux
 
 
 
 
 
 
 
Cecília de Baux
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Sibila de Anduze
 
 
 
 
 
 
 
Constança Manuel
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Jaime I de Aragão
 
 
 
 
 
 
 
Pedro III de Aragão
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Iolanda da Hungria
 
 
 
 
 
 
 
Jaime II de Aragão
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Manfredo da Sicília
 
 
 
 
 
 
 
Constança da Sicília
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Beatriz de Saboia
 
 
 
 
 
 
 
Constança de Aragão
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Carlos I de Nápoles
 
 
 
 
 
 
 
Carlos II de Nápoles
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Beatriz da Provença
 
 
 
 
 
 
 
Branca de Nápoles
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Estêvão V da Hungria
 
 
 
 
 
 
 
Maria da Hungria
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Isabel da Cumânia
 
 
 
 
 
 

Referências

  1. a b c Nobreza de Portugal, Tomo I, página 207
Precedido por
Constança de Portugal
Armas
Rainha consorte de Leão e Castela

13251327
Sucedido por
Maria de Portugal