Constantino, o Africano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Constantino examina urina dos seus pacientes

Constantino o Africano, (Cartago, 1020Montecassino, Itália, 1087) dedicou-se ao comércio das drogas orientais com Salerno e, ao observar a ausência de textos médicos, regressou por três anos ao Norte de África, onde recolheu diversos manuscritos árabes de medicina levando-os para Salerno em 1065. As traduções realizadas por Constantino foram de grande interesse, pois com elas entraram em Salerno novas vertentes do saber médico. Pouco depois cristianizou-se com a recomendação do arcebispo Alfano e ingressou na comunidade beneditina de Montecassino, onde permaneceu até à sua morte.

Realizações[editar | editar código-fonte]

Na qualidade de irmão leigo, traduziu várias obras médicas importantes do árabe para o latim, num total de cerca de três dezenas de textos, alguns terminados pelo seu discípulo Joanes Afflacius. Constantino era fluente em árabe, persa e grego e encorajou os seus alunos a traduzir para latim tudo o que lhes chegasse às mãos. Entre os textos traduzidos, Kitab al-Malaki, de Ali Abbas, Zād al mussāfir wa tuhfatu elqādim (Viaticum), de ibn al-Gazzar, Libri universalium et particularium diaeterum, Liber de urinis e o Liber febrium, de Ishaq al-Israili ou Isaac Iudaeus, Isagoge, de Hunayn ibn Ishaq, Aforismos, de Hipócrates, De coitu, de Alexandre de Trales. Constantino influenciou portanto o mundo médico europeu, uma vez que em vez de meros fragmentos dos conhecimentos clássicos surgiram sistematicamente obras completas de sabedoria.

Os tratados de Constantino o Africano tiveram um efeito considerável no século XII como conteúdo da coleção intitulada de Ars medicine ou Articella. O centro de Salerno não alargou somente a esfera prática da competência dos médicos de Salerno, mas também teve um efeito estimulante de organização do novo conhecimento médico.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • COWEN, David L., HELFOND, William H., Pharmacy an illustrated History, Harry N.Abrams, inc. Publishers, New York, 1988.
  • Dias, José Pedro Sousa, A Farmácia e a História - Uma introdução à história da Farmácia, da farmacologia e da Terapêutica, Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, 2005.
  • Gillispie, Charles Carlston et al, Dictionary of Scientific Biography cSc - VI, American Council of Learned Societies, Nova iIorque, 1981.
  • GUERRA, Francisco, Historia de la medicina, Madrid Ediciones Norma,S.A., Madrid, 1982.
  • KRUMERS and URDANG'S, History of Pharmacy, 4ª edição, J.B. Lippincott Company, Philadelphia, 1941.
  • PITA, Rui João, História da Farmácia, 2ª edição, Minerva, Coimbra, 2000.