Construção (álbum)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Construção
Álbum de estúdio de Chico Buarque
Lançamento 1971
Gênero(s) MPB
Duração 31:10
Idioma(s) português
Formato(s) LP (1971)
CD (1988)
Gravadora(s) Phonogram/Philips
Produção Roberto Menescal
Opiniões da crítica

O parâmetro das opiniões da crítica não é mais utilizado. Por favor, mova todas as avaliações para uma secção própria no artigo. Veja como corrigir opiniões da crítica na caixa de informação.

Cronologia de Chico Buarque
Último
Último
Chico Buarque de Hollanda - Nº4
(1970)
Quando o Carnaval Chegar
(1972)
Próximo
Próximo

Construção é um disco do cantor e compositor brasileiro Chico Buarque, lançado em 1971 e composto em períodos entre o exílio de Chico na Itália e sua volta ao Brasil. Liricamente, o álbum é carregado de críticas ao regime militar vigente, principalmente no que concerne à censura imposta pelo governo ("Cordão") e pelo estado indigno no qual as condições individuais se encontravam no país ("Construção"), além de algumas canções mais clássicas e pessoais ("Valsinha" e "Minha História (Gesú Bambino)").

O disco marca o aguçamento da vertente crítica da poética do autor.[1] Se antes ele harmonizava Bossa Nova com composições veladamente críticas à ditadura brasileira, em "Construção" o cantor mostrou-se mais ousado - como indica os versos iniciais de "Deus lhe Pague", faixa que abre o LP ("Por esse pão pra comer, por esse chão pra dormir"). Em "Samba de Orly", parceria com Toquinho e Vinicius de Moraes, Chico canta abertamente sobre o exílio - o que fez com que a canção fosse parcialmente censurada. A faixa-título é uma crítica sobre um homem que trabalhou arduamente até sua morte. Não faltaram também o lirismo característico do artista, como demostrado em "Olha Maria" e "Valsinha". O álbum conta com arranjos de Magro, então integrante do grupo MPB-4, e do maestro Rogério Duprat.[2]

Faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Compositor(es) Duração
1. "Deus Lhe Pague"   Chico Buarque 3:19
2. "Cotidiano"   Chico Buarque 2:49
3. "Desalento"   C. Buarque, Vinicius de Moraes 2:48
4. "Construção"   Chico Buarque 6:24
5. "Cordão"   Chico Buarque 2:31
6. "Olha Maria (Amparo)"   C. Buarque, V. de Moraes, Tom Jobim 3:56
7. "Samba de Orly"   C. Buarque, Toquinho, V. de Moraes 2:40
8. "Valsinha"   C. Buarque, V. de Moraes 2:00
9. "Minha História"   Lucio Dalla, Paola Pallotino; versão de C. Buarque 3:01
10. "Acalanto"   Chico Buarque 1:38

Ficha Técnica[editar | editar código-fonte]

  • Participações especiais:
    • MPB-4 - vozes nas faixas 1, 3, 4, 7 e 9.
    • Tom Jobim - piano em "Olha Maria (Amparo)"
    • Trio Mocotó - percussão em ¨Samba de Orly ¨
    • Toquinho - violão em ¨Samba de Orly

Recepção e crítica[editar | editar código-fonte]

Construção teve grande sucesso comercial. Nas primeiras semanas após seu lançamento, o LP chegou a ter uma demanda de 10.000 discos por dia, o que levou a Philips a contratar duas gravadoras concorrentes para prensá-los, além de obrigar o trabalho em turnos de 24 horas por dia durante quase dois meses.[3] Até então, a gravadora nunca havia vendido tantos discos em tão pouco tempo - 140 mil cópias nas primeiras quatro semanas.[3]

Construção foi considerado um marco na música brasileira e na carreira do cantor. Em 1972, uma reportagem da revista revista Realidade elogiava o álbum, considerado "o melhor disco feito nos últimos vinte anos no Brasil", que "devolvia a Chico o sucesso de 'A Banda'" e o colocava como "nosso artista mais importante, na luta que se travava contra o 'som importado'".[3]

Na década de 2000, o LP foi eleito em uma lista da versão brasilieira da revista Rolling Stone como o terceiro melhor disco brasileiro de todos os tempos.[4] O álbum também se encontra no livro "1001 Discos Para Ouvir Antes de Morrer", feito por jornalistas e críticos de música internacionalmente reconhecidos.

Em 2012, após votação online feita pelo jornal Estadão, o álbum foi eleito o sexto melhor álbum de todos os tempos.[5]

Referências

  1. MENESES, Adélia Bezerra de. Desenho mágico: poesia e política em Chico Buarque. São Paulo: Ateliê Editorial, 2002. pp 144 a 154
  2. Entrevista: Rogério Duprat - Cliquemusic, 30 de abril de 2000
  3. a b c Chico põe nossa música na linha - Revista Realidade, número 71, fevereiro de 1972
  4. Os 100 maiores discos da Música Brasileira - Revista Rolling Stone, Outubro de 2007, edição nº 13, página 111
  5. Estadão. Qual o melhor disco brasileiro de todos os tempos?. Página visitada em 18 de outubro de 2012.
Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Chico Buarque é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.