Construção (álbum)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Construção
Álbum de estúdio de Chico Buarque
Lançamento 1971
Gênero(s) MPB
Duração 31:10
Idioma(s) português
Formato(s) LP (1971)
CD (1988)
Gravadora(s) Phonogram/Philips
Produção Roberto Menescal
Cronologia de Chico Buarque
Último
Último
Chico Buarque de Hollanda - Nº4
(1970)
Quando o Carnaval Chegar
(1972)
Próximo
Próximo
Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
All Music Guide 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg[1]

Construção é um disco do cantor e compositor brasileiro Chico Buarque, lançado em 1971 e composto em períodos entre o exílio de Chico na Itália e sua volta ao Brasil. Liricamente, o álbum é carregado de críticas ao regime militar vigente, principalmente no que concerne à censura imposta pelo governo ("Cordão") e pelo estado indigno no qual as condições individuais se encontravam no país ("Construção"), além de algumas canções mais clássicas e pessoais ("Valsinha" e "Minha História (Gesú Bambino)").

O disco marca o aguçamento da vertente crítica da poética do autor.[2] Se antes ele harmonizava Bossa Nova com composições veladamente críticas à ditadura brasileira, em "Construção" o cantor mostrou-se mais ousado - como indica os versos iniciais de "Deus lhe Pague", faixa que abre o LP ("Por esse pão pra comer, por esse chão pra dormir"). Em "Samba de Orly", parceria com Toquinho e Vinicius de Moraes, Chico canta abertamente sobre o exílio - o que fez com que a canção fosse parcialmente censurada. A faixa-título é uma crítica sobre um homem que trabalhou arduamente até sua morte. Não faltaram também o lirismo característico do artista, como demostrado em "Olha Maria" e "Valsinha". O álbum conta com arranjos de Magro, então integrante do grupo MPB-4, e do maestro Rogério Duprat.[3]

Faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Compositor(es) Duração
1. "Deus Lhe Pague"   Chico Buarque 3:19
2. "Cotidiano"   Chico Buarque 2:49
3. "Desalento"   C. Buarque, Vinicius de Moraes 2:48
4. "Construção"   Chico Buarque 6:24
5. "Cordão"   Chico Buarque 2:31
6. "Olha Maria (Amparo)"   C. Buarque, V. de Moraes, Tom Jobim 3:56
7. "Samba de Orly"   C. Buarque, Toquinho, V. de Moraes 2:40
8. "Valsinha"   C. Buarque, V. de Moraes 2:00
9. "Minha História"   Lucio Dalla, Paola Pallotino; versão de C. Buarque 3:01
10. "Acalanto"   Chico Buarque 1:38

Ficha Técnica[editar | editar código-fonte]

  • Participações especiais:
    • MPB-4 - vozes nas faixas 1, 3, 4, 7 e 9.
    • Tom Jobim - piano em "Olha Maria (Amparo)"
    • Trio Mocotó - percussão em ¨Samba de Orly ¨
    • Toquinho - violão em ¨Samba de Orly

Recepção e crítica[editar | editar código-fonte]

Construção teve grande sucesso comercial. Nas primeiras semanas após seu lançamento, o LP chegou a ter uma demanda de 10.000 discos por dia, o que levou a Philips a contratar duas gravadoras concorrentes para prensá-los, além de obrigar o trabalho em turnos de 24 horas por dia durante quase dois meses.[4] Até então, a gravadora nunca havia vendido tantos discos em tão pouco tempo - 140 mil cópias nas primeiras quatro semanas.[4]

Construção foi considerado um marco na música brasileira e na carreira do cantor. Em 1972, uma reportagem da revista revista Realidade elogiava o álbum, considerado "o melhor disco feito nos últimos vinte anos no Brasil", que "devolvia a Chico o sucesso de 'A Banda'" e o colocava como "nosso artista mais importante, na luta que se travava contra o 'som importado'".[4]

Na década de 2000, o LP foi eleito em uma lista da versão brasilieira da revista Rolling Stone como o terceiro melhor disco brasileiro de todos os tempos.[5] O álbum também se encontra no livro "1001 Discos Para Ouvir Antes de Morrer", feito por jornalistas e críticos de música internacionalmente reconhecidos.

Em 2012, após votação online feita pelo jornal Estadão, o álbum foi eleito o sexto melhor álbum de todos os tempos.[6]

Referências

  1. AllMusic. link Chico Buarque: Songs, Reviews, Credits, Awards. Visitado em 01 de dezembro de 2014.
  2. MENESES, Adélia Bezerra de. Desenho mágico: poesia e política em Chico Buarque. São Paulo: Ateliê Editorial, 2002. pp 144 a 154
  3. Entrevista: Rogério Duprat - Cliquemusic, 30 de abril de 2000
  4. a b c Chico põe nossa música na linha - Revista Realidade, número 71, fevereiro de 1972
  5. Os 100 maiores discos da Música Brasileira - Revista Rolling Stone, Outubro de 2007, edição nº 13, página 111
  6. Estadão. Qual o melhor disco brasileiro de todos os tempos?. Visitado em 18 de outubro de 2012.
Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Chico Buarque é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.