Contratorpedeiro português Tejo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.


Tejo
Modelo da canhoneira-torpedeira Tejo no Museu da Marinha
Carreira   Bandeira da marinha que serviu Bandeira da marinha que serviu
Construção Arsenal da Marinha - Lisboa
Lançamento 1904
Patrono Rio Tejo
Período de serviço 1904 - 1927
Estado Abatido ao serviço
Características gerais
Deslocamento 536 t
Comprimento 70 m
Boca 6,96 m
Calado 3,1 m
Propulsão 2 máquinas TE de 7 000 hp
Velocidade 27 nós
Tripulação 94

O Tejo foi o primeiro contratorpedeiro ao serviço da Marinha Portuguesa e o primeiro a ser construído em Portugal.

O navio foi começado a construir em 1901 no Arsenal da Marinha, em Lisboa. Estava incluído no plano de reequipamento da Marinha Portuguesa, levado a cabo durante o reinado de D. Carlos I. Classificado, inicialmente, como "canhoneira-torpedeira", o Tejo foi projetado para ser multifuncional e servir de canhoneira, de torpedeiro e de contratorpedeiro.

O Tejo entrou ao serviço em 1904 mas os seus testes prolongaram-se até 1906. O navio estava, inicialmente, armado com 1 peça de 100 mm, 1 peça de 65 mm, 4 peças de 47 mm e 2 tubos lança-torpedos. Os testes e a operação do navio levaram à conclusão que a sua mutifuncionalidade limitava cada uma das suas capacidades. Foi então decidida a sua transformação num contratorpedeiro, por inteiro.

Entretanto, a seguir à implantação do regime republicano, a designação do navio passou a ser NRP Tejo (indicativo visual: T).

Só em 1915 o navio entrou em estaleiro para ser convertido, por inteiro, em contratorpedeiro. Essa conversão ficou terminada em 1917, com o navio a ficar com uma silhueta totalmente nova. O armamento manteve-se, com excepção da peça de 65 mm que foi substituída por uma de 76 mm. Nos testes realizados o NRP Tejo bateu o recorde de velocidade, tornando-se o navio mais rápido da Marinha Portuguesa.

O contratorpedeiro Tejo foi abatido ao serviço em 1927.

De observar que a designação "Tejo" já tinha sido atribuída a uma canhoneira da Marinha Portuguesa, em 1868. A mesma designação voltou a ser atribuída a dois contratorpedeiros da Classe Vouga, construídos a partir de 1931 (o segundo navio substituindo o primeiro que tinha sido vendido à Colômbia).

Referências[editar | editar código-fonte]