Cordão sanitário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Cordão Sanitário (cordon sanitaire em francês; Pronúncia francesa: [kɔʁdɔ̃ sanitɛʁ]) é uma expressão francesa que descreve uma barreira criada para impedir a proliferação de um agente infeccioso ou epidemia[1] , e tem sido frequentemente utilizada em um sentido metafórico para se referir às tentativas de evitar a propagação de uma ideologia considerada indesejável ou perigosa, [2] tais como a política de contenção adotada por George F. Kennan contra a União Soviética.

Diplomacia[editar | editar código-fonte]

Essa expressão foi supostamente introduzida pelo ex-primeiro ministro francês Georges Clemenceau para descrever o isolamento da Rússia que deveria ser promovido por uma aliança dos países fronteiriços a ela[3] , os quais se haviam tornado independentes após a Guerra Civil Russa. Em março de 1919, ele exortou os Estados fronteiriços recém-independentes (também chamados de estados limítrofes) que tinham se separado do Império Russo e da Rússia Soviética para formar uma união defensiva e, assim, barrar o avanço do comunismo para a Europa Ocidental, no que chamou tal aliança de um cordon sanitaire.

As consequências da instituição do cordão sanitário pelos outros países foram parcialmente contornadas com a NEP (Nova Política Econômica), implementada por Lênin, em 1921.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências