Cordeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{subst:rec}}
Município de Cordeiro
"Cidade Exposição"
Bandeira de Cordeiro
Brasão de Cordeiro
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 31 de dezembro de 1943 (70 anos)
Gentílico cordeirense
Prefeito(a) Salomão Lemos Gonçalves (Partido da República -PR)
(2013–2016)
Localização
Localização de Cordeiro
Localização de Cordeiro no Rio de Janeiro
Cordeiro está localizado em: Brasil
Cordeiro
Localização de Cordeiro no Brasil
22° 01' 44" S 42° 21' 39" O22° 01' 44" S 42° 21' 39" O
Unidade federativa  Rio de Janeiro
Mesorregião Centro Fluminense IBGE/2008 [1]
Microrregião Cantagalo-Cordeiro IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Bom Jardim, Cantagalo, Duas Barras, Trajano de Moraes e Macuco
Distância até a capital 190 km
Características geográficas
Área 116,044 km² [2]
População 20 403 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 175,82 hab./km²
Altitude 485 m
Clima Tropical de Altitude Cwa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,729 (26º) – alto PNUD/2010 [4]
PIB R$ 174 972,750 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 8 838,35 IBGE/2008[5]
Página oficial

Cordeiro é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro. Localiza-se a uma latitude 22º01'43" sul e a uma longitude 42º21'39" oeste, estando a uma altitude de 485 metros. Sua população estimada em 2009 era de 19.902 habitantes. Possui uma área de 116,38 km².

História[editar | editar código-fonte]

Inicialmente ocupada por índios goitacases e coroados, a região de Cordeiro constou como rota para os colonos que se aventuravam à procura de ouro e pedras preciosas no interior da colônia, no final do século XVIII. A colonização de Cordeiro teve origem à margem esquerda do Rio Macuco, próximo da Fazenda Cordeiro, propriedade do bandeirante Manoel Rosendo Cordeiro, que cedeu parte de suas terras para a trilha de ferro Cantagalo. Em 1883, novos fluxos de colonização, lavradores e artífices chegaram à região, dando origem ao pequeno núcleo. O desenvolvimento da localidade proporcionou a criação, em 1890, do distrito de Cordeiro, subordinado ao município de Cantagalo.

O progresso apresentado pelo distrito motivou a criação do município de Cordeiro, em 1891, sendo a sede municipal elevada à categoria de vila. No entanto, essa autonomia durou pouco tempo, retornando o município de Cordeiro a sua antiga situação de distrito de Cantagalo. Em 1920, Cordeiro já era o mais importante centro comercial da região Centro-Norte Fluminense.

Esse fato determinou a instalação de um parque industrial, que teve início em 1922 com a Fábrica de Tecidos Nossa Senhora da Piedade. Em 1936, Cordeiro foi elevada à categoria de subprefeitura, no governo do almirante Protógenes Guimarães. Data, verdadeiramente, daí, o grande desenvolvimento de Cordeiro, com a execução de inúmeros serviços, dentre os quais se destacam os melhoramentos nos serviços de abastecimento de água, construção de várias linhas de esgoto, pontes, praças públicas, jardins, avenidas etc.

A reintegração na categoria de município somente realizou-se em 1943. Cordeiro era uma área eminentemente agrícola, cultivando, sobretudo café, que aos poucos foi substituído pela pecuária. A ocupação do núcleo urbano se processou em torno da antiga estação ferroviária. A expansão deu-se em direção às áreas planas nas margens do Rio Macuco, ao longo da linha férrea e em direção às principais vias de acesso.

Turismo[editar | editar código-fonte]

No aspecto turístico, Cordeiro é conhecida em todo o estado como a "Cidade-Exposição", devido à fama da Exposição Agropecuária, Industrial e Comercial de Cordeiro que todos os anos acontece no Parque Raul Veiga, um dos melhores do país. Além dos tradicionais concursos de animais, dos quais participam bovinos e equinos de todos os cantos do Brasil, os grandes shows atraem milhares de pessoas. A média diária de público atinge a casa de 10 mil pessoas.

A mais antiga exposição do país, inaugurada pela primeira vez em 1921, já serviu de palco para grandes nomes da música brasileira. Apesar de ainda não contar com uma rede hoteleira de grande porte, a cidade recebe muitos visitantes nos finais de semana. Os pontos turísticos são poucos ainda.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Conhecido no estado como “Berço de Artistas”, Cordeiro possui talentosos filhos. O saudoso pianista Henrique Duprat é um deles. Atualmente destacam-se artistas plásticos, compositores, cantores, músicos, artesãos, poetas e escritores. Nos concursos e festivais os filhos talentosos sempre elevam o nome da “Cidade Exposição”. Vários projetos são desenvolvidos, acontecendo em especial nos dois centros culturais locais, o Ione Pecly e a Sociedade Musical Fraternidade Cordeirense.

Depois de resgatado, o carnaval de Cordeiro voltou a ser o melhor de toda a região, recebendo um número expressivo de visitantes. Os desfiles de blocos e escolas de samba e os bailes de rua são os pontos altos da festa.

Os amantes do contato com a natureza também podem desfrutar de vários pontos turísticos de rara beleza. No centro da cidade o destaque é a Mata do Posto, um pedacinho de Mata Atlântica em contato com a civilização. Lá se pode praticar caminhadas e passeios em contato com a natureza.

A pedra do Campanati é outro ponto interessante, pois além do maravilhoso visual, permite a prática de esportes radicais, como o parapente e o rapel.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 29 de Julho de 2013..
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.