Corinto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mapa parcial da Beócia, Ática e o Peloponeso, mostrando a posição de Corinto

Corinto[1] (em grego: Κόρινθος, transl. Kórinthos, AFI: Loudspeaker.svg? /ˈkorinθos/) é uma cidade e antigo município da Grécia, situado na Coríntia, na periferias do Peloponeso. Desde a reforma no governo local feita em 2011 passou a fazer parte do município de Corinto, do qual é tanto a sede quanto a unidade municipal.[2]

Foi fundada como Nea, ou "Nova" Corinto, em 1858, após um terremoto destruir o povoado já existente de Corinto, que havia se desenvolvido sobre e em torno do sítio arqueológico da Antiga Corinto, cidade-estado da Antiguidade.

Pré-História[editar | editar código-fonte]

A cidade surgiu na Era Neolítica, aproximadamente em 6.000 a.C.

Mitologia[editar | editar código-fonte]

Existem várias versões sobre a fundação da cidade. Os coríntios da época de Pausânias (geógrafo) diziam que a cidade havia sido fundada por Corintos, filho de Zeus, e que Éfira (filha de Oceano) fora a primeira moradora da região (que se chamava efireia)[3] .

História[editar | editar código-fonte]

Corinto foi uma das mais florescentes cidades gregas da antiguidade clássica, tendo sido autônoma e soberana durante o período arcaico da história da Grécia. Desde aqueles tempos, Corinto experimentou um notável desenvolvimento comercial devido à sua localização, o que trouxe benefícios sobre as artes (os seus famosos vasos de cerâmica) e a cultura de um modo geral, bem como a acumulação de riquezas pela aristocracia local. Contudo, no final dessa fase áurea, a pólis foi governada por um tirano denominado Cípselo, provavelmente entre 657 a.C. e 625 a.C., quando iniciou-se um curto período de expansionismo em que foram fundadas colônias no noroeste da Grécia.

Corinto tinha dois importantes portos que movimentavam sua economia, um ficava no golfo de Corinto, outro se localizava ao sul, no mar Egeu. Havia em Corinto também dois grandes templos, um templo de Afrodite (deusa do amor), e um templo de Apolo (deus da musica, canto, poesia e também representava o ideal da beleza masculina). Diz a história que, havia no templo da deusa Afrodite mil sacerdotisas que aos finais de tarde desciam até a cidade e vendiam seus corpos,sendo assim, elas cultuavam dessa maneira o sexo. Em Corinto havia aproximadamente 250 mil habitantes, e era muito conhecida pela sua luxuria e por sediar os jogos ístimicos.

Após anos de guerras de resistência ao domínio persa e de lutas entre os gregos pela hegemonia na península, quando chegou a ser rival de Atenas e de Esparta, Corinto, tal como as demais cidades independentes da Grécia, veio a fazer parte do Império Macedônio de Alexandre, o Grande, perdendo assim parte da autonomia plena antes existente.


Vencendo Filipe V da Macedônia, em 197 a.C., na Batalha de Cinoscéfalos o cônsul romano Tito Quíncio Flaminino, a princípio, declarou o respeito de Roma pela autonomia das cidades gregas, o que ocorreu nos Jogos Ístmicos, realizados no istmo de Corinto em 196 a.C.. Todavia, as guarnições romanas ainda se mantiveram presentes na cidade.

A batalha de Corinto foi lutada pelos romanos contra Corinto e seus aliados (Liga Aqueia) em 146 a.C. A cidade que era conhecida por sua imensa riqueza foi destruída pelos romanos liderados por Lúcio Múmio depois de estabelecerem um cerco a ela. Quando ele entrou na cidade, matou todos homens e vendeu as mulheres e crianças como escravos; depois disso, ele incendiou a cidade. Essa batalha marcou o fim da resistência grega contra Roma, e iniciou a era conhecida Grécia romana. Cem anos mais tarde, em 46 a.C., Júlio César decidiu reconstruí-la, tornando-se assim a capital da província romana da Acaia.

A cidade foi destruída por um terremoto em 375, e foi saqueada pelos bárbaros do norte em 395, tendo muitos dos cidadãos sido vendidos como escravos na ocasião. Esse ataque e o saque de Roma pelos Visigodos em 409 possivelmente motivaram a construção de um muro de pedra enorme, levantado do Golfo Sarônico ao Golfo de Corinto, protegendo a cidade e a península do Peloponeso de mais invasões bárbaras vindas do norte. O muro de pedra tinha cerca de 10 km de comprimento e foi chamado de Hexamílio (hexi = seis em grego), durante o reinado do imperador bizantino Justiniano I. Em 551, a cidade foi de novo destruída por um terremoto. Em 856, outro terremoto na cidade matou 45 mil pessoas estimadamente.

Nos século XII e XIII, a riqueza da cidade, gerada pelo comércio da seda aos estados latinos da Europa Ocidental, atraiu a atenção dos Normandos da Sicília, que saquearam a cidade em 1147. Em 1204, Godofredo I de Vilearduin, sobrinho homônimo do famoso historiador da Quarta Cruzada passou a ter Corinto como sua possessão depois de saquear Constantinopla, ganhando também o título de príncipe de Acaia. De 1205 a 1208, os coríntios resistiram a dominação do Império Latino a partir de um forte em Acrocorinto, sob o comando do general Leão Esguro. O cavaleiro francês Guilherme de Champlite liderou as forças cruzadas. Em 1208, Leão Esguro se matou se jogando do topo de Acrocorinto; mesmo assim, de 1208 a 1210, os coríntios continuaram a resistir às forças inimigas. Derrotada, Corinto se tornou parte do Principado de Acaia, governada pelos Vilearduinos de sua capital em Andravida de Elis. Corinto era a última cidade significante ao norte de Acaia, fazendo fronteira com outro Estado nascido das cruzadas, o Ducado de Atenas.

O Império Bizantino reconquistou a cidade e ela se tornou parte do Despotado da Moreia em 1388. O Império Otomano a capturou em 1395, mas os bizantinos a retomaram em 1403. Em 1458, cinco anos depois da queda de Constantinopla, os turco-otomanos conquistaram definitivamente a cidade e seu castelo. Os otomanos a renomearam Gördes. Só mais tarde, em 1687, os Venezianos a tomaram, mas os otomanos a reconquistaram em 1715.

O cristianismo em Corinto[editar | editar código-fonte]

Corinto é citada no Novo Testamento da Bíblia como uma das cidades visitadas pelo apóstolo Paulo em suas viagens missionárias.

De acordo com o livro de Atos, Paulo quando esteve nessa cidade, em sua segunda viagem missionária (At. 18:1-18), estabeleceu nela uma igreja e mais tarde escreveu provavelmente quatro das quais apenas duas estão no cânon a segunda (Icorintios) e a quarta (IIcorintios) epístolas aos cristãos dessa congregação cristã, dando-lhes vários conselhos pastorais (ver I Coríntios e II Coríntios).

Referências

  1. Fernandes, Ivo Xavier. Topónimos e Gentílicos. Porto: Editora Educação Nacional, Lda., 1941. vol. I.
  2. Lei de Kallikratis. Ministério do Interior da Grécia (em grego)
  3. Descrição da Grécia, 2.1.1, por Pausânias (geógrafo)
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Grécia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.