Corpo Santo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Corpo Santo
Informação geral
Formato Telenovela
Criador(es) José Louzeiro, Cláudio MacDowell, Wilson Aguiar Filho
País de origem  Brasil
Idioma original (em português)
Produção
Diretor(es) José Wilker (sob o pseudônimo de João Matos), Ary Coslov, Walter Campos
Elenco Christiane Torloni
Reginaldo Faria
Lídia Brondi
Maitê Proença
José Wilker
Nathália Timberg
Sérgio Viotti
Sílvia Buarque
Jonas Bloch
Otávio Augusto
ver mais
Tema de abertura "Um Lugar no Mundo" - Roupa Nova
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil Rede Manchete
Transmissão original 30 de março de 1987 - 2 de outubro de 1987
N.º de episódios 161 (original)
121 (primeira reprise)
94 (segunda reprise)
Cronologia
Último
Último
Mania de Querer
Carmem
Próximo
Próximo

Corpo Santo é uma telenovela brasileira produzida pela extinta Rede Manchete e exibida de 30 de março a 2 de outubro de 1987.[1] Escrita por José Louzeiro, Cláudio MacDowell e Wilson Aguiar Filho com a colaboração de Eliane Garcia, Maria Cláudia Oliveira e Leila Miccollis e dirigida por José Wilker (que adotou o pseudônimo de João Matos), Ary Coslov e Walter Campos.

Corpo Santo era divulgada como uma novela-reportagem, que abordava os aspectos da vida nos dias de hoje sem rodeios e polêmica.

Reapresentada pela Manchete em três ocasiões: na íntegra, de 5 de dezembro de 1988 a 20 de julho de 1989, às 13h; e em compacto, de 21 de janeiro a 15 de junho de 1991, às 19h30 em 121 capítulos, e de 2 de agosto a 27 de outubro de 1993, em 94 capítulos, às 18h30.

Trama[editar | editar código-fonte]

Ao enviuvar, Simone se muda com sua família de um bairro suburbano para o centro do Rio de Janeiro. Trava conhecimento com Téo, que se interessa por ela visando uma ponte para chegar a Lucinha, filha de Simone, em quem Téo vê uma nova ninfeta para figurar nos filmes pornográficos que produz.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Nacional[editar | editar código-fonte]

  1. "Amor Explícito" - Simone (participação especial Roupa Nova)
  2. "Um Lugar No Mundo" - Roupa Nova
  3. "Mensagem de Amor" - Léo Jaime
  4. "Condição" - Lulu Santos
  5. "Se Eu Soubesse" - Tim Maia
  6. "Lua do Leblon" - Fagner
  7. "Um Sonho a Dois" - Joanna & Roupa Nova
  8. "Segurança" - Engenheiros do Hawaii
  9. "Família" - Titãs
  10. "Coração Para Coração" - Fevers
  11. "Si Si, No No" - João Bosco
  12. "Passos no Porão" - Rádio Táxi

Internacional[editar | editar código-fonte]

  1. "Someday" - Glass Tiger
  2. "If I Could Hold On To Love" - Kenny Rogers
  3. "You Touched My Life" - Gwen Guthrie
  4. "(I Just) Died In Your Arms" - Cutting Crew
  5. "Get Your Love Right" - Sabiha Kara
  6. "I Can't Help Falling In Love With You" - Corey Hart
  7. "Standing On Higher Ground" - The Alan Parsons Project
  8. "I Got The Feeling (It's Over)" - Gregory Abbott
  9. "How Many Lies?" - Spandau Ballet
  10. "Easy" - Dora
  11. "The Future's So Bright (I Gotta Wear Shades)" - Timbuk 3
  12. "Late Evening" - Bernard Arcadio

Produção[editar | editar código-fonte]

Christiane Torloni brigou com a direção da novela, o que levou a emissora a "matar" sua personagem (Simone Reski) pelas mãos de Russo (Jonas Bloch). Daí para frente, a filha da protagonista, Lucinha (Sílvia Buarque) virou a personagem central da história, e o eixo dramático ficou entre a luta das duas quadrilhas, lideradas por Grego e Téo, o que elevou a audiência, ao contrário das expectativas.

Sônia Braga foi convidada para fazer uma participação especial, no papel de Adriana. Mas com a recusa, a personagem ficou com Maitê Proença, estrela da emissora, depois do estrondoso sucesso de Dona Beija.

Algumas histórias contadas na novela foram inspiradas em fatos reais. O assassinato de Renata (Bel Kutner), por exemplo, baseou-se na morte da jovem Cláudia Lessin Rodrigues, ocorrida no Rio de Janeiro em 1977.

Segundo José Wilker, a novela foi uma experiência inovadora na teledramaturgia brasileira:

"Foi uma novela-reportagem, quentíssima, escrita pelo Louzeiro, que ia sendo produzida no calor dos acontecimentos. Walter Carvalho na fotografia, tudo tratado de forma bem cinematográfica. Chegamos a filmar fatos que aconteciam no começo da noite e iam ao ar, na novela, às 21h30. Havia, claro, histórias de amor, mas o quente era o cotidiano da cidade."[2]

Audiência[editar | editar código-fonte]

A novela teve um relativo sucesso, garantindo a vice-liderança no Ibope com 14 pontos de média[3] .

Premiações[editar | editar código-fonte]

Corpo Santo ganhou os prêmios da APCA de melhor novela, melhor texto para novela, melhor ator coadjuvante (Sérgio Viotti), melhor atriz coadjuvante (Ângela Vieira) e melhor revelação masculina (Chico Diaz).

Referências

  1. Corpo Santo - Teledramaturgia teledramaturgia.com.br. Página visitada em 14 de maio de 2012.
  2. Entrevista à Revista de Cinema, janeiro de 1997
  3. Corpo Santo - Teledramaturgia teledramaturgia.com.br. Página visitada em 21 de janeiro de 2013.