Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Corpo de Bombeiros Militar
do Estado do Rio de Janeiro
Brasão CBM RJ.PNG
Brasão do CBMERJ
País  Brasil
Estado  Rio de Janeiro
Corporação Bombeiro Militar
Subordinação Secretaria Estadual de Saúde e Defesa Civil
Missão Força Auxiliar e Reserva
do Exército Brasileiro
Sigla CBMERJ
Criação 1856
Aniversários 2 de julho
Patrono Imperador D.Pedro II
Marcha Canção Soldado do Fogo
Lema Vida Alheia e Riquezas Salvar
História
Condecorações Ordem Nacional do Mérito[1]
Ordem do Mérito Aeronáutico[2]
Ordem do Mérito Naval[3]
Logística
Efetivo Aprox. 15.500 militares
Sede
Comando Geral Rio de Janeiro
Bairro Centro
Endereço Praça da República
Internet Página oficial

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) é uma Corporação cuja principal missão consiste na execução de atividades de defesa civil, prevenção e combate a incêndios, buscas, salvamentos e socorros públicos no âmbito fluminense.

Ele é Força Auxiliar e reserva do Exército Brasileiro, e integra o Sistema de Segurança Pública e Defesa Social do Brasil. Seus integrantes são denominados Militares dos Estados pela Constituição Federal de 1988, assim como os membros da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Origem

O Corpo de Bombeiro Militar do Rio de Janeiro é o mais antigo do Brasil. Foi fundado pelo Imperador D.Pedro II em 1856, após a incidência de inúmeras tragédias, como os incêndios do Teatro São João, em 1851 e 1856. Nessa época o Imperador decidiu organizar o Corpo Provisório de Bombeiros da Corte,[4] reunindo sob uma mesma administração as diversas seções que até então existiam (nos Arsenais de Guerra e de Marinha, Repartição de Obras Públicas e Casa de Correção).

Em abril de 1860 foi publicado o primeiro regulamento, onde constava sua subordinação ao Ministério da Justiça.[5]

Em 1864 a Diretoria Geral foi instalada da Praça da Aclamação (atual Praça da República); endereço que permanece até os dias de hoje como sede do Comando Geral do CBMERJ.

Inicialmente a Corporação não possuía caráter militar, e os oficiais não podiam usar insígnias nem mesmo no quartel. Foi somente em 1880 que seus integrantes passaram a ser classificados dentro de uma hierarquia militarizada. O Diretor Geral recebeu a patente de Tenente-coronel; o Ajudante a de Major; os Comandantes de Seções as de Capitão; e os Instrutores, as de Tenente.[6]

Com a Proclamação da República em 1889, a Corporação passou a denominar-se Corpo de Bombeiros do Distrito Federal,[7]

Em 1917 passou a constituir Reserva do Exército Nacional.[8] Condição essa revertida em fevereiro de 1934, e readquirida em 1948.[9]

Fusão do Estado do Rio de Janeiro com o da Guanabara
Quartel do Comando Geral do CBMERJ
Praça da República - Rio de Janeiro.

Em 21 de abril de 1960 o Governo Federal transferiu-se do Rio de Janeiro para Brasília, e o antigo Distrito Federal foi transformado no Estado da Guanabara, passando a Corporação a denominar-se Corpo de Bombeiros do Estado da Guanabara (CBEG).[10]

Em 15 de março de 1975 realizou-se a fusão do Estado da Guanabara com o do Rio de Janeiro, por meio da Lei Complementar nº 20, de 1º de julho de 1974. Até então, no Estado do Rio de Janeiro o Corpo de Bombeiros estava subordinado à Polícia Militar, funcionando, via de regra, com pelotões destacados dentro dos quarteis da PM especializados em atividades de defesa civil. Após a fusão, o Corpo de Bombeiros fluminense foi desmembrado da PM e unificado com o guanabarino.

A Corporação passou então a designar-se como Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro (CBERJ),[11] com as prerrogativas do centenário Corpo de Bombeiros da antiga Capital Federal; mantendo a autonomia e subordinando-se diretamente à Secretaria de Estado.

Em 1983 foi criada a Secretaria Estadual de Defesa Civil;[12] sendo o Coronel BM José Halfed Filho, Comandante Geral do CBMERJ, o primeiro Secretário a tomar posse do cargo.

Em 1995 essa Secretaria foi extinta e transformada em Departamento Geral de Defesa Civil,[13] voltando o CBMERJ a ficar subordinado à Secretaria de Segurança Pública.

Com as mudanças inseridas na Constituição Federal de 1988, foi incorporado, também em 1995, o termo "Militar" à denominação; objetivando com isso reforçar sua condição de Reserva do Exército.

Estrutura Operacional[editar | editar código-fonte]

O CBMERJ está operacionalmente dividido em Grupamentos de Bombeiros Militar (GBM), subdividido em Destacamentos de Bombeiros Militar (DBM). O grupamento do quartel central é denominado Grupamento Operacional do Comando Geral (GOCG), e possui destacamento em Santos Dumont. O Complexo de Ensino Coronel Sarmento - CECS (CECS), em Guadalupe, também possui um destacamento operacional, o DBM/Escola - Guadalupe (DBM/Escola - Guadalupe).

1º Grupamento de Bombeiro Militar - Humaitá (1910)
Resgate do helicóptero do Corpo de Bombeiros de RJ na praia de Ipanema.

Unidades Especializadas[editar | editar código-fonte]

1º GSFMA Grupamento de Socorro Florestal e Meio Ambiente - Alto da Boa Vista
1° Destacamento de Socorro Florestal e Meio Ambiente - Santa Teresa
2º Destacamento de Socorro Florestal e Meio Ambiente - (Ilha Grande)
2º GSFMA Grupamento de Socorro Florestal e Meio Ambiente - Magé
GTSAI Grupamento Técnico de Suprimento de Água para Incêndio - Caju
GPrevE Grupamento de Prevenção em Estádios - Maracanã
GOPP Grupamento de Operações com Produtos Perigosos - Duque de Caxias
GBS Grupamento de Busca e Salvamento - Barra da Tijuca
GOA Grupamento de Operações Aéreas - Aeroporto de Jacarepaguá
1° Destacamento de Operações Aéreas - Lagoa
2° Destacamento de Operações Aéreas - Jacarepaguá
GOTA Grupamento Operacional de Tecnologias Avançadas - Ilha do Governador
1º GMAR Grupamento Marítimo - Botafogo
2º GMAR Grupamento Marítimo - Barra da Tijuca
3º GMAR Grupamento Marítimo - Copacabana
4º GMAR Grupamento Marítimo - Itaipu
GSE Grupamento de Socorro de Emergência - Catete

Notas e referências

  1. Concedida pelo Presidente da República, Juscelino Kubitschek, por ocasião do Centenário da Corporação em 1956.
  2. Concedida pelo Ministro da Aeronáutica, por ocasião do Centenário da Corporação em 1956.
  3. Concedida pelo Ministro da Marinha, por ocasião do Centenário da Corporação em 1957.
  4. Decreto Imperial n° 1.775, de 02 de julho de 1856.
  5. Decreto n° 2.587, de 30 de abril de 1860.
  6. Decreto n° 7.666, 15 de julho de 1880.
  7. Isso se deveu à mudança de condição da cidade do Rio de Janeiro, de Município Neutro da Corte para Distrito Federal.
  8. Lei Federal n° 3.216, Artigo 7°, de 03 de janeiro de 1917.
  9. Lei 427, de 11 de outubro de 1948.
  10. Decreto-Lei n° 3.752, de 14 de abril de 1960.
  11. Decreto-Lei nº 145, de 16 de junho de 1975.
  12. Lei n° 689, de 29 de novembro de 1983.
  13. Decreto Estadual n° 21.501, de 19 de junho de 1995.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro