Corrida de resistência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A corrida é uma prática que vem ganhando muitos adeptos no Brasil e no mundo. Isso porque, teoricamente, para correr bastam dois elementos: um tênis e força de vontade. No entanto, veremos que não se trata apenas disso, e que são necessários outros fundamentos para praticar esse esporte.

A origem temporal da corrida é localizada na pré-história, quando os homens precisavam se movimentar rapidamente para caçar ou fugir de seus predadores. Historicamente, a mais famosa das corridas teria sido aquela que deu origem à prova que conhecemos hoje como maratona: no ano de 490 a.C. um homem teria tido a incumbência de levar até Atenas a notícia de que os gregos haviam vencido os persas na batalha de Maratona. Para isso ele teria corrido 35 quilômetros e, ao dar a notícia, teria caído no chão, já morto. Claro que isso é apenas uma lenda e que não há indícios históricos de que isso tenha ocorrido realmente, mas o fato é que essa lenda impulsionou a entrada da prova de maratona já na primeira edição dos Jogos Olímpicos modernos, em 1896.

Atualmente, as provas de corrida são parte da modalidade “atletismo” e se dividem em provas de velocidade e de resistência. As provas de velocidade são aquelas de “explosão”, ou seja, percorre-se uma curta distância em um curtíssimo período de tempo possível. Já as provas de resistência são caracterizadas por serem de média e longa distância, de modo que a resistência física dos atletas é testada. As provas de velocidade são aquelas em que os atletas devem percorrer até 400 metros; as de meio fundo têm trajetória entre 800 e 1500 metros; e as de fundo vão de 3.000 metros até a maratona (42.195 metros), atingindo seu limite na ultramaratona (prova de 100.000 metros).

Até o momento, tratamos a corrida como esporte de competição. Agora pensemos na corrida como uma atividade que as pessoas praticam visando à manutenção de sua saúde. Será que a corrida só traz benefícios? Será que todas as pessoas podem correr? É dessa corrida que atinge a massa da população que trataremos agora.

Na década de 1980, houve a disseminação das ideias de Kenneth Cooper sobre uma corrida lenta, que ficou conhecida como cooper. Muitas pessoas aderiram a essa prática, mas o pensamento de que todas as pessoas deveriam percorrer a mesma distância, independente de sua condição física, logo ficou ultrapassado.

Atualmente, sabe-se que para a prática de qualquer atividade física é necessário que o praticante tenha consciência de seu preparo físico: se uma pessoa sedentária quiser iniciar a prática da corrida, ela sempre deverá passar por um período de transição por meio de caminhada moderada, passando para caminhada intensa, até iniciar o trote (corrida leve). Também é possível que se intercale caminhada intensa e trote, até que a capacidade cardiorrespiratória satisfaça uma corrida moderada ou mesmo intensa.

É sabido que a corrida auxilia no controle da massa corporal (aumentando a massa muscular e reduzindo a camada adiposa), que ajuda na manutenção do controle do diabetes, que ajuda a reduzir problemas de fundo emocional, dentre outras coisas. Porém, correr causa um impacto intenso sobre os joelhos. E para minimizar esse impacto é preciso utilizar um tênis com bom amortecimento e não estar muito acima do seu peso ideal. O sobrepeso aumenta o impacto sobre a articulação.

Outro cuidado necessário é consultar um cardiologista antes de iniciar a prática, com a finalidade de verificar se não há problemas cardíacos. Isso porque a corrida não é recomendada em casos de pressão arterial elevada e outros distúrbios, como a arritmia. Por isso, consulte sempre um cardiologista antes de iniciar a prática da corrida.

Por Paula Rondinelli Colaboradora Brasil Escola Graduada em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP Mestre em Ciências da Motricidade pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP Doutoranda em Integração da América Latina pela Universidade de São Paulo - USP

A corrida de resistência é um tipo de corrida que nos leva a aumentar a nossa resistência,sendo executada por longos períodos de tempo utilizando o metabolismo aeróbico. No grupo dos primatas, o ser humano é o único animal que apresenta tal capacidade. Assim, apesar dos homens estarem, filogeneticamente, no grupo dos primatas, em relação a sua aptidão à corrida de resistência, eles podem ser comparados a animais cursoriais, conhecidos como excelentes corredores.

Várias são as diferenças morfofuncionais presentes no corpo dos animais que lhes permitem desenvolver variadas formas de locomoção e habilidades. Considerando, principalmente, as dos primatas e principalmente dos homens é um tema amplamente estudado dada a sua grande diferença em relação à forma apresentada pelos diversos outros mamíferos. O bipedismo é possível devido a alterações morfológicas ocorridas no corpo desses indivíduos que foram ocorrendo ao longo do tempo. Registros fósseis tornam possível o estudo da evolução de tais características. No entanto não se conhece em fósseis muitos dos atributos morfológicos adquiridos, o que faz com que este estudo apresente algumas lacunas em relação a quando e em quais grupos as características apareceram primeiramente.

Ícone de esboço Este artigo sobre atletismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.