Cortesão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde maio de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Cortesão Permanente por uma coluna, Adolphe-René Lefevre, c. 1860

O cortesão (play /ˈkɔːrtiə/; Francês: [kuʁtje]) é uma pessoa que frequentemente presente na corte nobre de um rei ou outra personagem real.[1] De forma geral, se trata do homem que compõe uma corte. Este pode exercer diversas funções, desde entreter os rei com músicas, conversas, facécias, jogos e danças, a exercer cargos diplomáticos, dar conselhos e ajudar na formação do príncipe. A mulher que tem tais funções é uma dama palaciana, devido ao sentido pejorativo agregado à idéia de cortesã.

Apesar de já existir há muito tempo, a imagem do cortesão - e suas diversas características ideais - foi construída de forma intensa a partir do Renascimento. Isso porque foi nesse período que Baldassare Castiglione escreveu "O Cortesão" (Il Libro del Cortegiano) onde se narram as discussões ocorridas na corte de Urbino acerca do cortesão perfeito.

"O Cortesão"[editar | editar código-fonte]

"O Cortesão" é composto por 4 livros, sendo que cada um narra uma noite dos diálogos ocorridos na corte de Urbino, na Itália.

Nos 2 primeiros há a construção do cortesão ideal e todos os seus atributos, sejam eles físicos, espirituais, artísticos, musicais, humorísticos, entre outros. No terceiro livro, devido a uma discussão acerca dos valores, capacidades e atributos das mulheres, há a construção da imagem da dama palaciana ideal. Essa parte do livro é marcada por uma discussão calorosa em que se propõe tanto que a mulher é um ser inferior, desvirtuado e impuro, quanto que é o oposto. No quarto livro há a idealização do "príncipe", ou governante ideal.

O livro exerceu uma grande influência na formação de cortes pela Europa, e é um documento que é rico em informações sobre a mentalidade, a estética e o gosto Renascentista.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.