Costa Campos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.


Costa Campos
Informação geral
Origem Luanda
País  Portugal
Género(s) Ópera

João Eduardo Costa Campos é um cantor lírico.[1] Aluno da insigne cantora norte-americana Grace Bumbry e da distinta Maestra Enza Ferrari, com quem actualmente trabalha canto e interpretação, de nacionalidade portuguesa, Costa Campos nasceu em Luanda, Angola, tendo-se licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa.

Passagens episódicas pelo teatro e cinema determinaram a frequência do curso de formação de actores na Escola Superior de Teatro e Cinema do Conservatório Nacional onde destaca o trabalho com Maria Germana Tânger e Águeda Sena.

Iniciou posteriormente os seus estudos de canto com Maria Cristina de Castro prosseguindo a sua formação com Hugo Casaes, Natália Viana, Elsa Saque (na Juventude Musical Portuguesa e no Conservatório Nacional) e Liliane Bizineche.

Membro efectivo do coro do Teatro Nacional de São Carlos aí aperfeiçoou a sua técnica com cantores como Ivo Vinco e Jeff Lawton. Com outros colegas gravou em CD os Madrigais Camoneanos de Luís Freitas Branco.

A sua estreia como solista aconteceu no Convento do Carmo (Lisboa) interpretando D. Basílio em “O Barbeiro de Sevilha” de Rossini sob a direcção do Maestro Jon Latham Koenig. Cantou o Judas de “O Nazareno” nos Coliseus de Lisboa e Porto, La Diva de “Zarzuelas Cabaret e Olé Olé” no Teatro São Luíz, o Marquês d’Obigny na produção de Pier Luigi Pizzi de “La Traviata” de Verdi no Teatro Nacional de São Carlos sob a batuta do Maestro Giuliano Carella e ainda o Senador Robert E. Lyons no musical de Gershwin “Of Thee I Sing” no Festival Internacional de Macau entre várias outras coisas.

No aperfeiçoamento do seu repertório trabalhou em Lugano – Suíça com o Maestro Jonathan Morris e em Salzburg – Austria com o Maestro Günter Bauer.

Iniciou-se na docência do canto no ano lectivo de 1998/1999 no Instituto de Artes do Espectáculo. Estruturou e dirigiu os cursos de canto da Casa do Artista e leccionou ainda na Academia de Marta Atayde.

Foi mentor do projecto Primo Canto Associação Cultural (uma associação sem fins lucrativos que tem como objectivos primordiais a promoção de espectáculos e recitais de canto com a finalidade de incentivar jovens cantores e cantoras em início de carreira, bem como proporcionar o seu aperfeiçoamento artístico) o que lhe permitiu expandir as suas capacidades não apenas como cantor mas como professor de canto,[2] encenador e director artístico de um projecto cénico-vocal.

Recentemente averbou um assinalável sucesso interpretando o Pai Cazumba na ópera portuguesa de António Leal Moreira "A Vingança da Cigana". Na presente temporada foi convidado a interpretar o Benoit em "La Bohème" de Puccini no Teatro Nacional São Carlos e a "encarnação" desse boneco valeu-lhe logo a seguir o Pretoriano da Agrippina de Haendel encenado por Michael Hampe.[3]

A convite da Meios de Cultura interpretou no C.C.C. o seu primeiro grande papel de Baixo-Profundo, Montesinos na ópera de Joseph Bodin de Boismortier[1], Don Quichotte chez la Duchesse onde arrebatou a plateia.

Referências

  1. Vila Galé Ópera promove mais uma iniciativa das Delícias da Ópera C&H. Página visitada em 26-04-2012.
  2. Hotel Avenida Palace acolhe projecto musical Hardmusica. Página visitada em 26-04-2012.
  3. AGRIPPINA Teatro Nacional de São Carlos. Página visitada em 26-04-2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]