Counter-Strike

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Logotipo CS
Logo
Produtora Valve Software
Editora(s) Vivendi (PC)
Microsoft Game Studios (Xbox)
Motor GoldSrc (até o 1.6) e Source Engine (Source)
Plataforma(s) Microsoft Windows
Mac OS
Xbox
Linux
Data(s) de lançamento 19 de junho de 1999
8 de novembro de 2000 (PC)
25 de março de 2004 (Xbox)
24 de janeiro de 2013 (Linux)
Gênero(s) Tiro em primeira pessoa
Modos de jogo Jogos multi-jogadores
Número de jogadores máximo de 32 por servidor
Classificação Inadequado para menores de 17 anos i CERO (Japão)
Inadequado para menores de 18 anos i DEJUS (Brasil)
Inadequado para menores de 17 anos i ESRB (América do Norte)
Inadequado para menores de 18 anos i PEGI (Europa)
Média CD ou Steam
Requisitos mínimos 500 MHz de processador, 96 MB RAM // Recomendados: 2048 MHz de processador, 256 MB RAM, 32 MB placa gráfica.[carece de fontes?]
Controles teclado e mouse

Counter-Strike (também abreviado por CS) é um popular[1] jogo de computador, mais especificamente um "mod" de Half-Life para jogos online. É um jogo de tiro em primeira pessoa baseado em rodadas no qual equipes de contra-terroristas e terroristas combatem-se até a vitória. É acessível através do Steam. O jogo inicialmente era para ser um mod para o Unreal Tournament, mas a Valve Software viu uma oportunidade no jogo e comprou-o.

O Counter-Strike foi um dos responsáveis pela massificação dos jogos por rede no início do século, sendo considerado o grande responsável pela popularização das LAN houses no mundo. O jogo é considerado um "desporto eletrônico". Muitas pessoas levam-no a sério e recebem ordenados fixos, existem mesmo clãs profissionais, e que são patrocinados por grandes empresas como a Intel e a NVIDIA.

Pelo mundo existem ligas profissionais onde o Counter-Strike está presente, como o caso da CPL (que encerrou suas atividades em 2008), ESWC,[2] ESL,[3] WCG[4] e WEG.[5] No caso da ESWC funciona da seguinte forma: cada país tem as suas qualificações no qual qualquer clã pode ir a uma qualificação em uma lan house em qualquer parte do mesmo país, passando depois às melhores equipes, as melhores equipes de cada país encontram-se depois no complexo da ESWC, localizado em Paris, para disputar o lugar da melhor equipe do mundo de Counter-Strike.

Com a chegada da sequência de Half-Life, Half-Life 2, o Counter-Strike ganhou uma versão com gráficos mais atualizados chamada de Counter-Strike: Source,[6] também acessível pelo Steam. Apesar de contar com gráficos mais bem elaborados e correção de erros, essa versão não é oficialmente utilizada nas maiores ligas competitivas principalmente devido a menor divulgação dessa versão e de inúmeras inovações consideradas negativas com relação ao ritmo de jogo, que nessa nova versão é sensivelmente mais lento do que nas antecedentes.

Em janeiro de 2013, um dia após o lançamento de Half-Life para Mac e Linux,[7] a versão 1,6 de Counter-Srtike foi também lançada para essas plataformas, novamente sem nenhum anúncio oficial da Valve.[8]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Counter-Strike iniciou no Brasil por iniciativa de dois servidores de jogos, Elogica e Unigames, inicialmente, o jogo pouco conhecido, um MOD do Half-Life, atraia poucos entusiastas que entravam nos servers desses dois provedores e aguardavam a entrada de outros jogadores, isso na versão Beta 1 do jogo. Aos poucos o game começou a atrair jogadores do Quake e outros jogos. No Beta 5 do mod já era o jogo online mais jogado no Brasil.

Cultura do jogo[editar | editar código-fonte]

Trapaças (Cheats)[editar | editar código-fonte]

O uso de trapaças no jogo sempre foi amplamente criticado pelos jogadores. É recurso quase tão antigo quanto o próprio jogo, e é feito através de programas especiais ou através da console do jogo, que modificam configurações do motor gráfico utilizado, GoldSrc. Algumas trapaças comuns incluem visão através de paredes , aumento da velocidade do jogador e mira automática .

A visão através de parede e outros objetos permite que um jogador veja outro escondido ou em outro ambiente. Isto garante a ele vantagem ao saber a localização do inimigo, permitindo que mire antecipadamente. Isto é feito alterando o motor gráfico do jogo para que os objetos sólidos sejam mostrados de forma semi-transparente.

A mira automática permite que um jogador mire automaticamente no seu oponente quando presente, geralmente em sua cabeça, o que aumenta as chances de eliminá-lo. Os programas mais modernos para essa trapaça leem dados temporários na RAM que armazenam informações sobre a posição dos jogadores. Se o programa identifica que o oponente está na tela do jogador em uma distância razoável, ele automaticamente altera a posição do jogador para mirar no local desejado. Algumas variações dessa trapaça também atiram automaticamente. Como o tempo de reação de um computador é muito menor que de um humano, o uso dessa trapaça torna o jogador quase invencível. Seu uso é facilmente reconhecível por outros jogadores já que o utilizador sempre irá acertar a cabeça dos oponentes, mesmo que não desejem. Outra variante dessa trapaça simplesmente atira automaticamente quando o inimigo está na mira do jogador.

As trapaças mais actuais continha protecções de antikick(até ser criado um programa anti hack desenvolvido pela Valve), ou seja, impossibilitava a desconexão do servidor do jogador através de votos dos jogadores da mesma equipe. Permitem também alteração dos céus dos mapas(cenários de jogo), extra-sangue (cada bala que se acerte no oponente, num ponto fraco, sai o dobro do sangue), enfim de certos gráficos do jogo.

Há também a implantação de novos radares com as trapaças, onde aparecem os elementos de todas as equipes, terrorista e contra-terrorista, distinguido através de cores (vermelho: Terrorista e Azul: Contra-Terrorista).

Outros tipos de trapaça incluem o famoso "telar" no qual o jogador olha outro computador ao lado do que ele está jogando, sabendo posição dos inimigos, bastante comum em lan houses.[1]

Usos de programas VoIP para avisar algum companheiro vivo, ou até mesmo utilização do próprio sistema de friends que a steam proporciona. Alguns servidores utilizam a possibilidade do espectador poder ver todo o jogo depois de morto, o que possibilita esse tipo de trapaça. normalmente esse tipo de atitude pode ser confundida com visão através das paredes , alguns servidores punem esse tipo de atitude com ban permanente.

Para tornar o jogo mais justo, a Valve lançou o programa VAC (Valve Anti-Cheat),[9] que desde sua segunda versão já está habilitado na maioria dos servidores. Quando os jogadores trapaceiam em servidores dotados de VAC 2 correm o risco de serem banidos permanentemente de todos os servidores que utilizam a tecnologia, seja no Counter-Strike ou não. A primeira versão do VAC bane o utilizador por um ano, sendo que até setembro de 2003 o tempo de banimento era de cinco anos. O atual sistema de detecção chamada-se VAC 2, e bane os infratores permanentemente.

Há um sistema paralelo ao VAC 2, o SteamBans,[10] que já reúne algumas comunidades de Counter-Strike e servidores privados. Não tem a mesma quantidade de utilizadores que a da própria Valve, mas está a crescer a olhos vistos.

Este sistema consiste na exclusão pelo método da Steam_ID (identificação alfanumérica única em cada conta), ou seja, ao conectar a um servidor com este tipo de protecção, o jogador entra e a sua Steam_ID é automaticamente comparada com a base de dados de utilizadores banidos, e se houver um resultado positivo, decorre a desconexão do jogador do servidor protegido pelo sistema.

Linguagem[editar | editar código-fonte]

A cultura dos jogadores de CS fomentou várias gírias e termos próprios para situações do jogo. Entre os acrônimos e abreviações mais famosos incluem-se os dois times distintos do jogo: T, abreviação para terrorista, e CT, abreviação para contra-terrorista. Outras abreviações referem-se a situações comuns do jogo. Por exemplo, as disputas individuais entre dois jogadores chamam-se X1. Já TK é o Team Killer, jogador que mata outro do mesmo time. HS é o acrônimo para Head Shot, tiro na cabeça. Além de TK, outra gíria negativa a um jogador é "block", que significa bloquear a passagem de um jogador do mesmo time, outras gírias de outros jogos também foi incorporada no Counter-Strike, como "Noob" derivado de Newbie do inglês novato, no jogo tem a intenção de chamar o player de lento ou lerdo Em mapas com prefixo "de_" a missão dos terroristas é armar e detonar uma bomba, enquanto os contra-terroristas devem evitar que isso ocorra. Armar a bomba é frequentemente chamado plantar a bomba, e deve ser feito em um de dois locais específicos do mapa do jogo, chamados B1 e B2. Após armada, a bomba entra em contagem regressiva para a explosão. Há também o neologismo "defusar" (do inglês defuse), que significa desarmar a bomba já armada.

Outros neologismos do jogo incluem "noob", jogador que irrita os demais participantes com ofensas, cometendo fogo amigo propositalmente e outras coisas, há também o "newbie", jogador novato e inexperiente; "rushar" (de rush), seguir com vigor para o objetivo da fase, como plantar a bomba ou salvar os reféns; "single", quando um jogador mata o adversário com somente um tiro; "ammo" (abreviação de ammunition), munição; "sniper" (do inglês), jogador que exerce a função de atirador especial; "xiter" (de cheater), é quem usa algum tipo de trapaça (explicadas acima); "kickar" (de kick), expulsar um jogador do servidor; "camper", jogador que fica escondido, para matar sem que se perceba sua presença.

Nos servidores Steam, é muito comum os servidores promoverem partidas mais serias chamados de mix, são partidas de 5X5. Outro tipo que existe também é o chamado fake, que também exige a TAG, mas é como um time falso, criado na hora apenas para jogar aquela partida.

Pelo Steam, existe os campeonatos mais sérios online, e portanto onde tem os jogadores mais experientes,onde treinam praticamente o dia todo.

A cultura do CS promove a formação de clãs, grupos de pessoas que se reúnem para jogar. Abrevia-se por CF ou PCW o confronto de clãs.

Sprays[editar | editar código-fonte]

Sprays são imagens digitais com o qual os jogadores pintam o cenário, em paredes, no chão ou em tetos baixos. Existem diversos desenhos incluídos com o jogo, e também podem ser importados do disco rígido. Em Source os jogadores podem importar qualquer imagem, já no Counter-Strike 1.6 não existe método oficial para importar imagens. Deve se usar um programa especial como o HL Tag Converter por exemplo.

Os sprays são geralmente usados no início da rodada, sobre o corpo de um oponente que o jogador abateu, ou em locais específicos para distrair os adversários. É comum o uso de imagens pornográficas, animadas ou até mesmo chocantes para distração. Existem também vários sprays com logotipos de diversos locais em que os players costumam jogar e assim acabam fazendo uma 'propaganda' do estabelecimento.

Mapas[editar | editar código-fonte]

Existem cinco tipos principais de mapas no Counter-Strike, além de inúmeras versões alternativas com regras distintas. Cada variação é distinta pelo prefixo do nome do mapa, como indicado abaixo. Um mapa representa um ambiente virtual no qual as rodadas são disputadas. Cada um oferece determinadas áreas específicas para compra de equipamentos, resgate de reféns, detonação de bomba, entre outros.[11]

Mapas oficiais[editar | editar código-fonte]

Mapas de reféns (prefixo cs_)

O mapa contém vários reféns mantidos sob a guarda dos terroristas. Estes últimos, devem impedir que os contra-terroristas tenham sucesso no resgate destes reféns. Este tipo de mapa não é muito bem recebido em campeonatos, por oferecer uma certa vantagem para o time dos terroristas. Se, no mínimo, metade dos reféns forem salvos, os Contra-Terroristas ganham a rodada, recebendo, no início do próximo turno, $2500 cada um. Em alguns servidores, o assassinato dos reféns (-$500 cada) pelos terroristas é uma atitude punida, sendo que geralmente o assassino de cinco reféns acaba sendo expulso do servidor. O primeiro contra-terrorista a entrar em contato com um refém recebe $50, e ao entregá-lo em um lugar seguro, recebe $500 por cada um salvo. Os mapas desse tipo mais conhecidos são : cs_assault, cs_mansion. O mapa cs_rio, apesar de ser famoso em nível nacional, não é um mapa oficial.

Mapas de assassinato (prefixo as_)

No início de cada rodada um dos contra-terroristas é escolhido para ser um VIP, não podendo comprar nenhuma arma, porém equipado com um colete especial de força "200" e uma pistola para defesa. Ele deve ser escoltado por seus companheiros de equipe até um ponto de entrega (geralmente na base dos terroristas). O time adversário deve localizar o VIP e eliminá-lo. A rodada termina imediatamente se isto ocorrer, dando a vitória aos terroristas. E, caso o tempo acabe e o VIP não estiver no ponto de entrega, os terroristas vencem, já que os contra-terroristas não conseguiram cumprir a missão de entregar o VIP.

Poucos jogam esses mapas, e por fim foram extintos do jogo. Motivos para seu repúdio incluem o fato de que o jogador escolhido para ser o VIP perde todas as armas e por causa da grande vantagem dos terroristas: caso eliminem o VIP, os terroristas ganham. Para que a rodada não termine rápido, dando a vitória a os terroristas, os contra-terroristas tem uma certa desvantagem: é proibido o uso de armas para franco-atirador.Os mapas mais conhecidos desse tipo são :as_oilrig e as_tundra.

Mapas de detonação (prefixo de_)

Nestes mapas o objetivo da equipe terrorista é detonar um artefato explosivo (bomba C4) num dos pontos de detonação possíveis (geralmente são dois pontos). A bomba C4 só pode ser colocada em uma dessas zonas pré-determinadas, também chamadas de bombs sendo o b1 e o b2. Se os Terroristas não conseguirem detoná-la ou se estes mesmos forem eliminados e a bomba não for plantada os contra-terroristas ganham a rodada.

Os contra-terroristas ganham se eliminarem toda a equipe adversária antes da armação da bomba, se desativarem a bomba (o que pode ser agilizado com o auxílio de um kit de desarmamento, o defuser) ou ainda se até o término da rodada os terroristas não conseguirem armar a bomba. Os mapas mais populares desse tipo incluem de_dust, de_dust2,de_aztec, "de_nuke", "de_inferno" e "de_train".

Mapas não-oficiais[editar | editar código-fonte]

Os mapas a seguir foram criados por fãs após a grande popularização do jogo em todo o mundo.

Mapas de Surf (prefixo surf_)

Modo de jogo baseado num "bug" descoberto por um jogador. Ele criou o mapa surf_the-gap utilizando o bug, e desde então, outros mapas foram criados e o surf tem cada vez mais jogadores. Hoje o mapa mais popular é o surf_ski_2, onde o objetivo é eliminar a equipe adversária. Existem inúmeros outros mapas, designados para "Freestyle", onde o objetivo é fazer manobras, ou para "Speedrun", mapas onde o jogador precisa passar de vários níveis e chegar no fim do curso o mais rápido o possível.

Mapas de atiradores de elite (prefixo awp_)

Nestes mapas só é permitido a arma awp e pistolas. Os mais conhecidos desse tipo são : awp_india e awp_dust.

Mapas de arma única (prefixo aim_)

Nestes mapas todos os jogadores recebem uma única arma e, assim como os mapas de luta, só ocorre resultado quando toda a equipe adversária é eliminada. Geralmente este tipo de mapa é usado por clãs para treinar a mira de seus membros com cada uma das armas (como o nome "aim", que significa "mira" em inglês, já sugere).

Normalmente, cada time só tem acesso a dois tipos de arma. Por exemplo: o time terrorista tem acesso ao seu rifle principal de guerrilha, a famosa Avtomatik Kalashnikov, modelo de fabricação ano 1947 (mais conhecida como AK-47), e também a Artic Warfare Magnum (comumente chamada de AWP), o time contra-terrorista por sua vez, tem acesso ao seu principal rifle, a famosa Colt M4A1 Carbine, e também tem acesso à AWP. Os mapas mais populares deste tipo são aim_ak_colt, aim_awp, aim_usp e aim_headshot.

Mapas de facas (prefixo ka_)

Nestes mapas somente o uso da faca é permitido, entretanto existem locais secretos no qual os jogadores podem trapacear comprando outras armas. Dentre os mais famosos, pode-se destacar ka_colosseum, ka_matrix e ka_radical.

Mapas de granadas (prefixo he_)

São mapas em que só é permitido usar facas e granadas de forte explosão (chamadas HE Grenade). Os mais conhecidos desse tipo são : he_glass e he_tennis.

Mapas de campo de luta (prefixo fy_)

Neste mapas não existe objetivo a não ser apenas eliminar os inimigos. Dependendo do mapa, os jogadores tem acesso a todas as armas do jogo, que já estão espalhadas pelo chão do cenário. A vitória só ocorre quando todo o time adversário é eliminado. Os mais populares mapas desse tipo são fy_pool_day, fy_iceworld e fy_snow.

Mapas de Regaste de Reféns e Detonação (prefixo csde_)

Mapa extremamente técnicos, quase nunca visto em servidores, devido a sua falta de aceitação por muitos jogadores, nesses mapas, o objetivo é duplo. Existem reféns para serem resgatados e um local ou mais locais de bomba a serem detonados, A principio a vitória caso nenhum dos objetivos seja cumprido é dos contra terroristas, porem caso os terroristas armem a bomba, os CTs são obrigados a desarmar ela ou resgatar todos os reféns antes que ela detone.

Contra terroristas não podem comprar kit de desarmamento nesse tipo de mapa;

Mapas de Zumbi (prefixo zm_)

Geralmente sao modificacoes de mapas originais como de_dust2 que se transformaram em zm_dust2 para os mods de zombie (Biohazard, Zombie Infection Mod, Zombie Mod, Zombie Swarm 2.4, Zombie Plague 3.88, Zombie 28 Weeks later), que contem alguns pontos seguros como caixotes altos onde zumbis nao alcançam.

Geralmente também há acessórios para humanos escondidos nos mapas, como coletes, que geralmente auxiliam na proteção contra eventuais infecções, há também granadas de destruição, e armas.

Mapas de DeathRun (prefixo deathrun_)

Mapas em que o terrorista deve matar seus inimigos derrubando-os com armadilhas espalhadas pelo mapa.Os contra-terroristas devem ir até o final do mapa, seja "Bunnando" ou normalmente.Existem coisas para auxiliar como: Gravidade, aumento de velocidade, Bunny hop e vidas extras.

Outros mapas[editar | editar código-fonte]

Mapas de fuga (prefixo es_)

Este tipo de mapa não foi muito popularizado, já que aparentemente foi cancelado antes do jogo ser lançado, entretanto, o objetivo dos times era quase o mesmo dos mapas de assassinato, porém os terroristas deviam escapar a um ponto de fuga, e os contra-terroristas deviam impedi-los. Se mais da metade do time Terrorista fugisse, ou todo o time CT fosse eliminado, a vitória seria dos Terroristas. Caso contrário, a vitória iria para o time CT.

Mapas de futebol (prefixo sj_)

Aparecido em 2006, já jogado por muitos, os mapas de "Futebol" tem como objetivo marcar golos no adversário, o jogador pode apenas usar uma faca, podendo matar também com a bola, existem poderes para ele, que são agi de agilidade, str de força, vit de vitalidade, disarm de disarmar o adversário e dex para dextreza.

Mapas de escalada (Kreedz, prefixo oficial kz_)

Consiste em mapas onde o objetivo é escalar até o final do mapa em menos tempo com apenas uma faca ou USP. É um estilo de jogo, uma variação do Counter-Strike original onde você descobre que se tornou outro jogo, com desafios, técnicas e estilo de jogo totalmente diferente.

Está cada vez mais famoso e jogado no mundo e principalmente no Brasil, onde cada vez mais temos mais jogadores ativos.

Os primeiros mapas foram criados pelo mapper Kreedz em 2004. Hoje existem pelo menos 574 mapas oficiais e 510 mapas não-oficiais. O sistema oficial do jogo consiste em gravar demos de você zerando em certo tempo e depois mandar essa mesma demo para sua comunidade e se for um tempo menor e mais rápida, você baterá o recorde. A demo será exposta na comunidade deixando a mostra para todos assistirem. Existem inúmeros sites, clans e comunidades de Kreedz hoje.

Hoje o Brasil conta com seis recordes mundiais, no rank #14 mundial.

Mapas de resgate de zumbis (prefixo cszm_)

Criado em 2008, nele os reféns são zumbis, geralmente usando os modelos de zumbi do Half-Life e objetivo é levá-los a um lugar mais seguro. O prefixo cszm é uma junção dos prefixos cs_(mapas de reféns) e zm_(mapas de zumbis).

Mapas de presídio(prefixo jail_)

Não se sabe ao certo quando esse tipo de jogo foi criado, ele consiste em um presídio onde os guardas tem de controlar a rebelião dos prisioneiros, quando controlada os guardas fazem brincadeiras com os prisioneiros.

No jogo existem vários tipos de itens para que os guardas e prisioneiros possam comprar, um exemplo deles são: armas, mais vida, colete, invencibilidade, invisibilidade, entre outros.

No presídio existe um dia especial chamado de Freeday, onde os guardas são obrigados a deixar o prisioneiros livres para fazer o que eles quiserem no mapa.

Outros tipos de mapas

Sempre estão inventando novo estilos de mapas como glass_(mapas de base de vidro) ou pb_(paintball) e etc.

Equipamentos[editar | editar código-fonte]

Um dos motivos do sucesso do Counter-Strike é o seu sistema de compra e seu grande arsenal. Por motivos legais, o nome de algumas armas teve que ser modificado no jogo, assim que o primeiro nome é o real, e o segundo, do 1.6 em diante. Algumas informações sobre as especificações das armas estão erradas no jogo. Os equipamentos do jogo consistem basicamente de armas de diversos portes e de utilitários bélicos. As armas estão divididas em pistolas, escopetas, sub-metralhadoras e rifles e metralhadoras. Os utilitários consistem de granadas(Que podem causar dano,cegar ou atrapalha o oponente), coletes de segurança, óculos de visão noturna e kits difusores (utilizados para desarmar a bomba). Um jogador pode carregar consigo uma pistola, um outro tipo de arma de grande porte e um número limitado de utilitários.

Versões Oficiais da Série[editar | editar código-fonte]

Lista de versões[editar | editar código-fonte]

Segue abaixo uma lista de versões do jogo e suas respectivas datas de lançamento.[12]

Counter-Strike: Condition Zero[editar | editar código-fonte]

Condition Zero é a sequela direta de Counter Strike, possuindo gráficos melhorados, bots com inteligência aprimorada, e um novo modo de jogo singleplayer que inclui missões, como "Matar 30 inimigos com bullpup" ou "Salvar 4 reféns". O jogo passou por várias fases de desenvolvimento envolvendo vários estúdios.

Counter-Strike: Source[editar | editar código-fonte]

Para alavancar as vendas de Half-Life 2, a Valve Software usou os seus direitos com a série Counter-Strike para criar uma versão melhorada, com a redução de alguns erros clássicos e novos gráficos. Inicialmente, Counter-Strike: Source foi disponibilizado em versão beta para LAN houses que tivessem feito uma pré-encomenda de Half-Life 2.[13] Quem comprou a versão mono jogador de Counter-Strike: Condition Zero, também ganhou o direito de conferir o jogo com exclusividade na fase beta, assim como alguns clientes da ATi Technologies.

Com o lançamento de Half-Life 2, o jogo ficou restringido apenas aos compradores de Half-Life 2. No início havia poucos servidores de Counter-Strike: Source, principalmente servidores brasileiros. Após a divulgação do jogo principal com altas notas na imprensa especializada, novos servidores locais brasileiros surgiram, migrando uma boa parte dos jogadores da versão anterior.

A tecnologia HDR foi introduzida no Counter-Strike: Source em 1 de dezembro de 2005, com o lançamento do primeiro mapa incluindo esta tecnologia, de_nuke. O mapa cs_militia foi lançado no dia 18 de janeiro de 2006.

Apesar de o Source ter tantas melhoras em relação ao Counter-Strike 1.6, este último ainda é mais jogado segundo a Steam.

Counter-Strike: Online[editar | editar código-fonte]

Counter-Strike: Online é um remake do Conter-Strike Condition Zero feito e distribuído pela Nexon Corporation com licença e supervisão da Valve Corporation. Essa versão é gratuita e só está disponível oficialmente em países asiáticos.


Counter-Strike: Global Offensive[editar | editar código-fonte]

Global Offensive conta com novas e clássicas armas, personagens e mapas. Novos aprimoramentos e novidades foram implantados, na mesma engine gráfica Source, utilizada nos últimos jogos de sua produtora, Valve.

O jogo já possui uma página no sistema de vendas digitais da Valve, o Steam.

Foi lançado em 21 de agosto de 2012 para as plataformas Xbox Live Arcade (Xbox 360), PlayStation Network (PS3), MAC e PC.

Counter-Strike: Online 2[editar | editar código-fonte]

É uma nova versão do Counter Strike Online com o motor Source Engine 2004 e 2007 melhorado. Por agora, está disponível para a Coréia e vai haver uma versão para Taiwan.

Proibição no Brasil[editar | editar código-fonte]

Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Counter Strike e EverQuest estão proibidos no Brasil

Entre 18 de Janeiro de 2008 e 18 de Junho de 2009, a comercialização de livros, encartes, revistas ou CD-ROM, contendo o jogo Counter-Strike foi proibida em território brasileiro por violência excessiva, conforme decisão da justiça do país.[14]

O juiz responsável argumenta que Counter-Strike e o jogo EverQuest "trazem imanentes estímulos à subversão da ordem social, atentando contra o estado democrático e de direito e contra a segurança pública, impondo sua proibição e retirada do mercado". A empresa responsável pelo jogo alegou que a fase que o juiz utilizou como motivo para proibir a venda, cs_rio, foi produzida por fãs, não estando contida no jogo original. Porém, o juiz Silva Costa Torta ganhou a ação e o jogo estava proibido de ser vendido. Ainda era possível, no entanto, utilizar o gerenciador Steam para comprar eletronicamente qualquer versão do jogo.

Entretanto, decisão de Junho de 2009 liberou a comercialização do jogo.[15]

Referências

  1. a b Carol Frederico (16 de junho de 2003). Counter Strike é de longe o jogo mais popular nas LAN Houses Folha Online. Página visitada em 10 de outubro de 2008.
  2. Carmac. ESWC - the Holy Grail of Counter-Strike (em inglês) SK Gaming. Página visitada em 10 de outubro de 2008.
  3. Sítio oficial do ESL (em inglês). Página visitada em 10 de outubro de 2008.
  4. Perfil do Counter-Strike 1.6 como jogo oficial do WCG (em inglês). Página visitada em 10 de outubro de 2008.
  5. Sítio oficial da WEG (em inglês). Página visitada em 10 de outubro de 2008.
  6. Counter-Strike: Source - Análise UOL Jogos (15 de outubro de 2004). Página visitada em 10 de outubro de 2008.
  7. Zimmerman, Conrad (25 de janeiro de 2013). Half-Life now available for Mac users on Steam (em inglês) Destructoid. Página visitada em 26 de janeiro de 2013.
  8. Monogenis, Harry (26 de janeiro de 2013). Counter-Strike 1.6 now available on Linux and Mac (em inglês) Destructoid.
  9. The Valve Anti-Cheat Module (em inglês) Counter-Strike.net. Página visitada em 10 de outubro de 2008.
  10. Sítio oficial do SteamBans. Página visitada em 10 de outubro de 2008.
  11. Mapas de Counter Strike (em inglês) Counter Strike Planet. Página visitada em 08 de Fevereiro de 2012.
  12. version history (em inglês) CS-Nation. Página visitada em 10 de outubro de 2008.
  13. Counter-Strike: Source beta begins (em inglês) GameSpot (11 de agosto de 2004). Página visitada em 10 de outubro de 2008.
  14. Folha Online - Informática - Justiça proíbe Counter Strike em todo Brasil; Procon tenta recolher jogos
  15. Justiça libera venda do game 'Counter-Strike' no Brasil G1 (website) (18 de junho de 2009). Página visitada em 19 de junho de 2009.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Counter-Strike

Ligações externas[editar | editar código-fonte]