Coxim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Coxim
"Portal Monçoeiro do Pantanal"
"Terra do Peixe"
"Cidade do Pé de Cedro"
Ponte Velha de Coxim à noite

Ponte Velha de Coxim à noite
Bandeira de Coxim
Brasão de Coxim
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 11 de abril
Fundação 11 de abril de 1898 (116 anos)
Emancipação 11 de abril de 1898
Gentílico coxinense
Padroeiro(a) São José
CEP 79.400-000[1]
Prefeito(a) Aluísio São José (PSB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Coxim
Localização de Coxim no Mato Grosso do Sul
Coxim está localizado em: Brasil
Coxim
Localização de Coxim no Brasil
18° 30' 25" S 54° 45' 36" O18° 30' 25" S 54° 45' 36" O
Unidade federativa  Mato Grosso do Sul
Mesorregião Centro Norte de Mato Grosso do Sul IBGE/2008 [2]
Microrregião Alto Taquari IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Corumbá, Sonora, Pedro Gomes, Alcinópolis, Camapuã, São Gabriel do Oeste e Rio Verde de Mato Grosso
Distância até a capital federal: 982 km
estadual: 255
km[3]
Características geográficas
Área 6 411,552 km² (BR: 229º MS: 9º)[4]
Área urbana 7,055 km² (MS: 12º) – est. Embrapa[5]
Distritos Jauru, São Romão, Silviolândia e Taquari
População 32 258 hab. (MS: 13º) –  est. IBGE 2011[6]
Densidade 5,031 hab/km²
Altitude 238 m
Clima tropical Aw
Fuso horário UTC−4
Indicadores
IDH-M 0,703 (BR: 1811°) – alto PNUD/2010[7]
Gini 0,51 PNUD/2010[7]
PIB R$ 499 640,000 mil (MS: 19º) – IBGE/2011[8]
PIB per capita R$ 15 488,38 (BR: 1276º MS: 43º) - IBGE/2011[8]
Página oficial
Prefeitura www.coxim.ms.gov.br (em português)
Câmara www.camaracoxim.ms.gov.br (em português)

Coxim é um município brasileiro da região Centro-Oeste, situado no estado de Mato Grosso do Sul. Situada numa região dominada antigamente por índios caiapós, Coxim é conhecida por denominações populares como "Portal Monçoeiro do Pantanal", "Capital do Peixe" e "Terra do Pé-de-cedro". Município situado na borda setentrional da Bacia do Alto Paraguai, Coxim é um dos principais pontos de pesca do país atraindo milhares de turistas, pescadores amadores, que buscam as águas piscosas dos rios Taquari, Coxim, Jauru e Piqueri. É um centro econômico e turístico regional, sendo nacionalmente conhecida por abrigar diversos ícones paisagísticos, como as cachoeiras Salto, Palmeiras e os Rios Taquari e Coxim.

É o maior município da região norte de Mato Grosso do Sul, sendo o mais populoso da região e um dos unicos da mesma conhecidos nacionalmente. Representa o 17º maior PIB do estado, estimado em aproximadamente R$ 400 milhões em 2008 (segundo o IBGE), e possui um dos maiores rebanhos de bovinos do estado. Contemplada por considerável número de hotéis, ranchos e pousadas, é um dos principais pontos de pesca do país. Vem se tornando um pólo universitário, sendo que nos últimos anos foram estabelecidas na cidade as Universidades Federal e Estadual de Mato Grosso do Sul.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localização[editar | editar código-fonte]

O município de Coxim está situado no sul da região Centro-Oeste do Brasil, no norte de Mato Grosso do Sul (Microrregião do Alto Taquari). Localiza-se na latitude de 18º30’25” Sul e longitude de 54°45’36” Oeste. Distâncias:

Geografia física[editar | editar código-fonte]

Solo[editar | editar código-fonte]

No município de Coxim os tipos de solos são variados. Na porção compreendida pela depressão pantaneira, verifica-se a ocorrência de solos Hidromórficos diversos. Na porção serrana são encontrados solos Litólicos e Luvissolos de textura variável ambos com baixa fertilidade natural. Já na porção central, verifica-se a dominância de Podzólicos e Latossolos de textura média associados a Neossolos, ambos álicos.

Relevo e altitude[editar | editar código-fonte]

Está a uma altitude de 312 m.

Clima, temperatura e pluviosidade[editar | editar código-fonte]

Está sob influência do clima tropical (AW) úmido e sub-úmido, sendo registradas variações anuais de temperaturas de cerca de 10 a 15°C no inverno e 30 a 45°C no verão. Na porção central do município, as temperaturas médias estão acima de 20°C e abaixo de 24°C, com período seco de três a quatro meses. Na porção que compreende a depressão pantaneira, apresentam-se duas estações bem definidas, período seco com duração de quatro a cinco meses, a precipitação anual oscila entre 900 a 1.100mm, as temperaturas ficam entre 23°C e 25°C.

A pluviosidade varia de 1.000 a 1.500mm anuais. o período de chuvas do município ocorre nos meses de setembro a março, sendo o inverno seco.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Está sob influência da Bacia do Rio da Prata. Os principais cursos d'água no município são os seguintes:

  • Rios: Coxim, Jauru, Piquiri e Taquari
  • Ribeirões: Bonsucesso, Cachoeirinha, Claro, Furna, Salto, São Bento, Torrinhas, Urutau.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

Se localiza na região de influência de Cerrados, encontrando-se ainda, pequenas manchas de campos limpos. Se apresenta nas suas diferentes fisionomias e em encraves com a Floresta Estacional. A pastagem plantada é expressiva na porção central do município. Pequenas áreas de cultura cíclica se integram à vegetação.

Geografia política[editar | editar código-fonte]

Fuso horário[editar | editar código-fonte]

Está a -1 hora com relação a Brasília e -4 com relação a Greenwich.

Área[editar | editar código-fonte]

Ocupa uma superfície de 6 411,552 km², o equivalente a 35,5% da microrregião e a 4,42% do total do Estado.

Pantanal

A Unesco reconheceu o Pantanal como uma das mais exuberantes e diversificadas reservas naturais do Planeta integrando-o ao acervo dos patrimônios da humanidade. Localizado no interior da América do Sul, é a maior extensão úmida contínua do planeta, possuindo cerca de 250 mil km². Destaca-se pelas inúmeras espécies de animais e vegetações decorrentes do ambiente contraditório que alterna entre períodos úmidos e de estiagem. O Pantanal entretanto não é um só. Existem dez pantanais na região com características diferentes: Nabileque - 9,4 %; Miranda - 4,6%; Aquidauana - 4,9 %; Abobral - 1,6 %; Nhecolândia - 17,8 %; Paiaguás - 18,3 %; Paraguai - 5,3 %; Barão de Melgaço - 13,3 %; Poconé - 12,9 %; Cáceres - 11,9 %.

A beleza proporcionada pela paisagem pantaneira fascina pessoas de todo o mundo fazendo com que o turismo se desenvolva em vários municípios da região. O desenvolvimento de um pensamento ambientalista e social para o pantanal tem levado vários pesquisadores a discutirem o impacto da ocupação humana neste ecossistema. Dentre os principais problemas ambientais destacamos: a pesca predatória; a caça de jacarés; a poluição dos rios da bacia do Paraguai; os garimpos do Estado de Mato Grosso e a poluição das águas pelo mercúrio; a hidrovia Paraguai-Paraná. Tais questões tem sido alvo de uma extensa discussão e algumas ações ambientais por parte dos órgãos ambientais e da comunidade tem coibido tais agressões.

Cerrado

O Cerrado é um bioma do tipo biócoro savana que ocorre no Brasil, constituindo-se num dos seis grandes biomas brasileiros. É uma forma de vegetação que tem diversas variações fisionômicas ao longo das grandes áreas que ocupam do território do país. É uma área zonal, como as savanas da África, e corresponde grosso modo ao Planalto Central. O Cerrado é o segundo maior bioma brasileiro, estendendo-se por uma área de 2.045.064 km², abrange 4 estados do Brasil Central (Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal), 2 estados da região Sudeste (São Paulo e Minas Gerais), 3 estados da região Nordeste (Bahia, Maranhão e Piauí) e 3 estados da região Norte (Tocantins, Pará e Rondônia). Cortado por três das maiores bacias hidrográficas da América do Sul, tem índices pluviométricos regulares que lhe propiciam sua grande biodiversidade. Há também os ecossistemas de transição com os outros biomas que fazem limite com o Cerrado.

A paisagem do Cerrado possui alta biodiversidade, embora menor que a mata atlântica e a floresta amazônica. Pouco afetado até a década de 1960, está desde então crescentemente ameaçado, principalmente os cerradões, seja pela instalação de cidades e rodovias, seja pelo crescimento das monoculturas, como soja e o arroz, a pecuária intensiva, a carvoaria e o desmatamento causado pela atividade madeireira e por frequentes queimadas, devido às altas temperaturas e baixa umidade, quanto ao infortúnio do descuido humano. Grande parte do Cerrado já foi destruída, em especial para a instalação de cidades e plantações, o que o torna um bioma muito mais ameaçado do que a Amazônia.[9]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Os distritos abrigam geralmente a população da zona rural, derivado das fazendas de gado de corte da região. Alguns contam com escolas, creches e postos de saúde. Com uma zona rural vasta, o município contém vários distritos ligados a ele, dentre eles os mais importantes são:

  • Jauru População estimada em: 600 habitantes. Distância de Coxim: 60 km
  • São Romão População estimada em: 500 habitantes. Distância de Coxim: 12 km
  • Taquari População estimada em: 1000 habitantes. Distância de Coxim: 4 km
  • Silviolândia População estimada em: 1100 habitantes. Distância de Coxim: 5 km

Arredores[editar | editar código-fonte]

Limita-se com Rio Verde de Mato Grosso, São Gabriel do Oeste, Camapuã, Alcinópolis, Pedro Gomes e Sonora.

História[editar | editar código-fonte]

Os irmãos Lemes, fugidos de São Paulo em 1719, chegaram à região da atual cidade de Cuiabá por Coxim. Em 1722 passa pela região o então Governador da Capitania de São Paulo Dom Rodrigo César de Menezes, que assinou a concessão de três sesmaria nos sertões do Taquari em 1727: uma em 4 de março, a favor de João de Araújo Cabral, a segunda sesmaria no Rio Taquari em 4 de abril, a favor do Sargento-Mor Manoel Lopes do Prado e uma terceira ainda no Rio Taquari, em 31 de dezembro, a favor de Domingos Gomes Biliago. Este último, unindo-se a Antônio de Sousa Bastos, Manoel Caetano e os Padres Antônio de Morais e José Frias, em 1729, fundaram o Arraial do Biliago, à margem esquerda do Rio Taquari, onde atualmente, na margem oposta, se situa Coxim, cujo finalidade era o de socorrer as monções que iam de São Paulo até Cuiabá. No ínício o arraial pouco se desenvolveu e, criado o Destacamento Militar do Piquiri, foi elevado à Freguesia em 1850, sendo Biliago incluído dentro dos seus limites. Por ficar às margens de um rio navegável e com a ligação terrestre que ligou a região ao interior de Goiás, o arraial foi se desenvolvendo e em 1862, mudou o nome de Núcleo do Taquari com criação no lugar, de uma Colônia Militar, pelo Governador da Província, Herculano Ferreira Penna. Em abril de 1865 o Núcleo é povoado por forças invasoras paraguaias e seu Comandante, Capitão Antônio Pedro, se retirou do Povoado com um contingente de 125 pessoas em direção a norte do Estado. Em 8 de maio do 1866, a notícia da ocupação local chegou à Cuiabá pelo cidadão Antônio Teodoro de Carvalho, morador na Fazenda São Pedro, distante oito léguas do Núcleo. Segundo um ofício do Capitão Antônio Pedro ao Presidente da Província, datado de 15 de maio de 1866, as forças invasoras que ocuparam o Núcleo eram de 400 a 500 soldados, com dois canhões que incendiaram o Povoado, saqueando e abandonando-o depois de seis dias de ocupação. Em 1872, o Núcleo foi elevado à categoria de Freguesia com a denominação de São José de Herculânia, em homenagem ao Presidente Herculano Ferreira Penna, que lhe dera os primeiros impulsos. Em 1892, a Assembleia Legislativa apresentou ao Presidência do Estado para ser sancionada uma Lei mudando o nome de Herculânia para Coxim, o que não foi aceito. Em 11 de abril de 1898 a localidade é elevada à categoria de vila e município, substituiu-lhe finalmente Herculânia por Coxim, restituindo em 1944, pelo Interventor Júlio Müller.[10]

Em 1913, Coxim foi elevada à categoria de Comarca, sendo presidido pelo Juiz Amâncio Ramos, conservando-se o nome e os mesmos limites. De 1916 a 1926, houve um período de turbulências, crimes e desgraças, com um maníaco subindo ao Poder, causando estrago na Comarca. Houve até a extinção da Comarca, restabelecida depois. Em 1977 Coxim passa a fazer parte do novo estado de Mato Grosso do Sul. E com a criação dos municípios de Camapuã, Rio Verde de Mato Grosso, Pedro Gomes e Alcinópolis, Coxim perdeu parte do seu grande território.[10]

Calamidade[editar | editar código-fonte]

No dia 2 de fevereiro de 1977, o rio Taquari, repentinamente extravasou de seu leito natural e inundou grande parte do município, causando uma enchente de proporções altamente calamitosa para a população e para a economia do município, o que obrigou o prefeito da época a declarar situação de emergência e a mobilizar todos os recursos disponíveis para socorrer as inúmeras vítimas do flagelo, no que foi auxiliado pelo 47º Batalhão de Infantaria (aliado as ações do Governo do Estado), através da presença do Chefe da Casa Civil, a Cemat e o Dermat.

Em janeiro de 1989, volta-se a repetir o mesmo fenômeno, desta vez com maiores agravantes, quando até a antiga ponte de concreto construída na administração de Alaor Garcia da Silveira, em 1948, sofreu danos estruturais. Até trechos da BR-163 que corta o município e a cidade, sofreu as consequências de desaterros em várias partes do seu percurso.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

Segundo Silveira (1995), a toponínia de Taquari e Coxim são:

Taquary ou Taquari

Nome de origem guarani, que se desdobra em dois elementos:

  • Taquara = Taquaral
  • Y = rio

Portanto, Rio dos Taquarais.

Coxim

Coxim, ou Dores de Coxim, era a denominação que lhe dava o Estado de Goiás que pretendia firmar posse nesta parte de Mato Grosso.

É derivado do dialeto Bororó, com o significado de peixe (Cojim = Peixe).

Economia[editar | editar código-fonte]

Sua economia baseia-se na agropecuária extensiva, cultura e turismo.

Coxim é um dos maiores produtores de soja do estado. A pecuária também aparece como principal atividade econômica, com quase duas mil cabeças de gado dedicadas ao abate ou à produção de leite. Município situado a leste do Pantanal, Coxim é um dos principais pontos de pesca do País atraindo diversos pescadores que buscam as águas piscosas dos Rios Coxim, Jauru e Taquari.

Potencial de consumo (2005): 0.01%

Centro de zona B[editar | editar código-fonte]

Coxim, com mais de 30 mil habitantes e um relacionamento direto, é um Centro de Zona B. Nível formado por cidades de menor porte e com atuação restrita à sua área imediata; exercem funções de gestão elementares. Coxim é uma das 364 cidades no Brasil com a classificação Centro de Zona B[11] .

Turismo[editar | editar código-fonte]

Com mais de quatrocentos ranchos de pesca, entre hotéis pesqueiros e áreas para camping, a cidade possui um dos maiores complexos pesqueiros do centro-oeste do Brasil e um dos maiores pólos ecoturísticos do pantanal. São dezenas de hotéis, pousadas rurais, fazendas, restaurantes, bares, lanchonetes, boates e clubes à disposição do turista, além de uma imensa variedade em artes e artesanato regional. A gastronomia local também é uma atração à parte, toda a base de peixes e especiarias do Pantanal e Cerrado.

Sua natureza exuberante, importância histórica, cultura popular, infra-estrutura em equipamentos e serviços, além de seus maravilhosos produtos ecoturísticos fazem de Coxim não apenas uma rota alternativa no Centro-Oeste Brasileiro, mas também um dos maiores centros de visitação e ecoturismo de Mato Grosso do Sul. Tudo isso faz com que o ecoturismo seja uma das mais importantes fontes de renda do município. Em seus rios encontram-se peixes como o pacu, o pintado, o dourado, o cachara, piaus, piraputangas e curimbas entre outros. Possui hotéis que vão desde simples estruturas familiares até os de padrão 3 estrelas. O município tem vários lugares agradáveis para visitar. É possível também conhecer pratos típicos do município em restaurantes tradicionais. Abaixo algumas atrações locais:

Atrações e lazer[editar | editar código-fonte]

  • Praça da Concha Acústica onde ocorrem eventos e shows
  • Praça da Matriz São José
  • Praça do Flutuante
  • Praça do Pescador
  • Praça do Senhor Divino
  • Praça do BNH
  • Praça dos Pequis
  • Praça dos Nordestinos

Turismo rural[editar | editar código-fonte]

  • Baías do Barranco Vermelho e Beira Alta: localizam-se nas proximidades do Rio Taquari, mantendo com ele comunicação por meio de canais com águas calmas e cobertas por grandes quantidades de vegetação flutuante (aguapés), proporcionam um belo espetáculo de fauna e flora e prática de passeios de barcos e outras pequenas embarcações.
  • Cachoeira das Palmeiras: grande cachoeira, cortando o Rio Taquari de uma extensão a outra. A margem direita existe uma grande quantidade de palmeiras, local que ainda preserva grandes núcleos de mata nativa.
  • Cachoeira do Salto: atrativo natural de águas cristalinas, medindo 35 metros de queda, excelente local para prática de rapel e escalada, observando fauna e flora.
  • Camping Palmeiras II: atrativo preservado no Rio Taquari, com boa infra estrutura de restaurante, hotel, gastronomia, trilhas, passeio de barco, banho de cachoeira, camping, pescaria,
  • Recanto Quero-Quero: situado na Fazenda Santa Tereza, possui trilhas, camping e descida de bóia nas corredeiras.
  • Trilhas Ecológicas da Serra das Araras e Pantanal: trilhas com observação de fauna e flora e práticas de esportes como rapel e escalada.
  • Usina do Salto: Primeira distribuidora de energia do município.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Por ser uma cidade histórica, Coxim é uma cidade culturalmente completa.

  • Biblioteca Pública Municipal Odilon Ferreira
  • Complexo da Casa do Artesão: a Casa do Artesão reúne trabalhos em bambu, argila com animais e aves, madeira, pintura, doces, licores e bordados. Já no MAHC/Museu Arqueológico Histórico de Coxim pode-se ver urnas e objetos indígenas, antigos utensílios domésticos, peles de animais e fosseis de peixes.
  • CTG Sentinela do Pantanal: espaço para expor a tradicional música e dança gaúcha
  • Memorial Henrique Spengler
  • Museu Parque Temátido do Pantanal
  • Museu Arqueológico e Histórico de Coxim
  • Museu Henrique de Melo Splenger

Eventos[editar | editar código-fonte]

Coxim ficou mesmo famosa na década de sessenta com o sucesso da música Pé de Cedro, de autoria de um dos mais ilustres filhos da terra, o poeta imortal Zacarias Mourão, e que lhe rendeu o apelido de Terra do Pé de Cedro, que perdura ainda hoje em função das constantes regravações deste sucesso por nomes como Irmãs Galvão, Milionário e José Rico e Sérgio Reis entre outros, e pela própria existência do Pé de Cedro original, que inspirou a música, localizado no centro antigo de Coxim. Os principais eventos culturais da cidade são:

  • Festa Do Divino Espírito Santo - mês de julho
  • Festa de São José - mês de março
  • Festa Do Peixe - mês de outubro
  • Expoxim - no inverno
  • Festa dos Nordestinos
  • Festa Clube de Laço

Pescaria artesanal[editar | editar código-fonte]

Muito comum na região, esse tipo de pesca é feita pelos moradores ribeirinhos, que a definem como ato de carrerear. O pescador sobe alguns km com sua canoa rebocada por uma chalana ou outro barco a motor e meticulosamente vem batendo pacus, sempre controlando com perfeição a velocidade e o trajeto da lagoa. Ele procura poços ou locais propícios a esse tipo de peixe: com a mão controla o remo e outra segue movimentando a vara. Assim que fisga o pacu, encosta na praia mais próxima e só então o tira da água.

Esporte[editar | editar código-fonte]

  • Estádio Municipal
  • Ginásios de Esportes Fernando Fontoura
  • Praça Poliesportiva com academia ao ar livre;

Demografia[editar | editar código-fonte]

Sua população é de 32.258 pessoas (IBGE/2011), mas estima-se que com a população flutuante, a cidade possua aproximadamente 40.000 habitantes.

Filhos da Terra[editar | editar código-fonte]

Religião[editar | editar código-fonte]

Conforme o Censo de 2010 do IBGE, a população de Coxim é formada por grupos religiosos como cristãos (89,49%), sendo católicos (66,77%), evangélicos de missão (3,60%), evangélicas de origem pentecostal (12,08%), restauracionistas (0,65%) e outros cristãos (6,39%) os seus representantes. Outros grupos presentes são os eeencarnacionistas (1,36%), orientais (0,22%), tradições esotéricas (0,26%), indefinidos (0,48%) e não religiosos (8,20%).[12] [13]

Cristãos[editar | editar código-fonte]

É de longe o maior grupo religioso presente em Coxim, totalizando 89,49% de sua população.[12] [13]

Católicos[editar | editar código-fonte]

Exemplo de uma imagem de São José, padroeira do município.

Coxim localiza-se no país mais católico do mundo em números absolutos. A Igreja Católica teve seu estatuto jurídico reconhecido pelo governo federal em outubro de 2009,[14] ainda que o Brasil seja atualmente um estado oficialmente laico.[15] .

A Igreja Católica reconhece como padroeiros da cidade São José. O município faz parte da Circunscrições eclesiásticas da Regional Oeste I (que atende Mato Grosso do Sul) e de acordo com a divisão resolvida pela Igreja Católica, o município de Coxim pertence à Província Eclesiática de Campo Grande, mais precisamente à Diocese de Coxim, sendo sede de 3 paróquias. Seu atual bispo é, desde 2000, Dom Antonino Migliore.

Grupo formado por 66,77% dos seus habitantes, sendo a Católica Apostólica Romana com 66,73%, Católica Apostólica Brasileira 0,04%.[12] [13]

Igrejas
  • Catedral São José
  • Igreja de São Francisco das Chagas
  • Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

Protestantes[editar | editar código-fonte]

Embora seu desenvolvimento tenha sido sobre uma matriz social eminentemente católica, tanto devido à colonização quanto à imigração, é possível encontrar atualmente na cidade dezenas de denominações protestantes diferentes. De acordo com dados do censo de 2010 realizado pelo IBGE, a população local era composta 21,66% de protestantes.[12] [13]

Evangélicos de missão[editar | editar código-fonte]

Os evangélicos de missão totalizam 3,60% dos habitantes. Destes, 0,17% são luteranos, 0,13% são presbiterianos, 0,03% são metodistas, 2,16% são batistas e 1,11% são adventistas.[12] [13]

Evangélicos neopentecostais[editar | editar código-fonte]

Os evangélicos neopentecostais totalizam 12,08% dos habitantes. Destes, 5,23% é da Igreja Assembléia de Deus, 1,94% da Congregação Cristã do Brasil, 0,03% da Igreja o Brasil para Cristo, 0,94% da Igreja Evangelho Quadrangular, 0,56% da Igreja Universal do Reino de Deus, 0,75% da Igreja Deus é Amor, 0,27% da Comunidade Evangélica e 2,36% de outras evangélicas de origem pentecostal.[12] [13]

Templos

Em Coxim existem diversos templos evangélicos pentecostais (Assembleia de Deus, IURD, Congregação Cristã do Brasil e outras),

Restauracionista[editar | editar código-fonte]

Representado por 0,65% dos religiosos. Abrange apenas a Testemunhas de Jeová.[12] [13]

Outros cristãos[editar | editar código-fonte]

Em Coxim existem também cristãos de outras denominações, representado por 6,39% dos habitantes. Destes 5,98% são de outras igrejas evangélicas e 0,41% são de outras religiosidades cristãs.[12] [13]

Outras denominações[editar | editar código-fonte]

O município é representada por variados outros credos, existindo também religiões de várias outras denominações tais como Testemunhas de Jeová, Maçônica, Messiânica, entre outras. São elas:

Reencarnacionistas[editar | editar código-fonte]

Possui 1,36% do total, sendo a espírita a única representante.[12] [13]

Asiaticas[editar | editar código-fonte]

Possui 0,22% do total, sendo o budismo o único representante.[12] [13]

Tradições esotéricas[editar | editar código-fonte]

Possui 0,26% do total.[12] [13]

Indeterminados[editar | editar código-fonte]

Opções indeterminadas respondem por 0,48% dos locais, sendo os mal definidos respondendo por 0,44% e 0,04% dos que não sabem que religião são.[12] [13]

Não religiosos[editar | editar código-fonte]

O Grupo das pessoas não religiosas respondem por 8,20% dos locais, sendo os sem religião convictos 7,80% e ateus 0,40%.[12] [13]

Urbanização[editar | editar código-fonte]

Domicílios[editar | editar código-fonte]

Domicílios de Coxim[16]
Total de domicílios 12 870 domicílios
Domicílios particulares 12 790 (99,38%)
Domicílios coletivos 80 (0,62%)
Domicílios por rendimento per capita[17]
Mais de 5 salários
3,38%
De 2 a 5 salários
10,11%
De 1 a 2 salários
21,38%
De 0,5 a 1 salário
35,41%
De 0,25 a 0,5 salários
21,06%
Até 0 25 salários ou sem rendimento
8,64%
Distribuição por classe sociai[17]
Classe A
3,38%
Classe B
10,11%
Classe C
56,79%
Classe D
21,06%
Classe E
8,64%
Classe alta (A - B)
13,49%
Classe média (C - D)
77,85%
Classe consumidora (A - B - C - D)
91,34%
Classe periférica (E)
8,64%

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Ensino e pesquisa[editar | editar código-fonte]

Ensino básico

Segundo o MEC, Coxim tem um total de 16 escolas de ensino infantil e fundamental. Possui 5 escolas estaduais as quais são: E. E. Pedro Mendes Fountoura, E. E. Viriato Bandeira, E.E. Padre Nunes, E.E. Semiramis Carlota da Rocha e E.E. Silvio Ferreira.

Ensino médio técnico
Ensino superior
Marco geodésico

O município de Coxim conta com um marco geodésico, que pertence à Rede Geodésica de MS. O Marco MS-11 está situado na rodovia BR-163 (Substação de Energia elétrica da ENERSUL). Tem como objetivo obter levantamentos planimétricos urbanos-rurais, topográficos e geodésicos executados, mapeamentos de pontos turísticos, obras de expansão de energia e telecomunicações, estudos ambientais, bases cadastrais e atividades agropecuárias.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Terrestre[editar | editar código-fonte]
Interurbano e interestadual

Atendida pelas rodovia BR-163, Coxim é atendida também por seu terminal rodoviário de passageiros, que faz a ligação da cidade com o resto do estado, da região e do resto do país. Registra um bom fluxo de passageiros para outras cidades, especialmente em datas comemorativas.

4 micro-ônibus que fazem percurso intermunicipal entre as cidades de Sonora, Pedro Gomes, Rio Verde, São Gabriel do Oeste e Campo Grande.

Dentro do estado Coxim é servido pelas seguintes empresas:

No transporte interurbano é atendida pelas seguintes empresas:

Transporte urbano
  • Moto-táxi: essa modalidade de transporte faz um estrondoso sucesso na cidade, sendo muito requisitado pela população, especialmente porque em Aquidauana não há opção de ônibus urbanos para atender a população. São ao todo 6 pontos de táxi.
  • Táxi: trata-se de uma opção de transporte mais exclusiva disponível à população, pois possui um preço mais elevado. Igual ao moto-táxi, também é muito requisitado especialmente porque a cidade carece de opção de ônibus urbanos circulando. São ao todo 7 pontos de moto-táxi.
Aéreo[editar | editar código-fonte]
Aeroporto de Coxim

Apesar de Coxim possuir seu aeroporto, não há vôos regulares por empresas de grande porte, visto que o mesmo está desativado. O aeroporto está situado próximo ao centro da cidade. O aeroporto foi um dos 10 aeroportos contemplados para receberem investimentos para voltar a operar
http://www.ivinhemaonline.com.br/politica/andre-pede-r-100-milhoes-para-obras-em-10-aeroportos-de-ms

Instituições financeiras[editar | editar código-fonte]

Comunicações[editar | editar código-fonte]

  • Edição de Notícias
  • Agência dos Correios
  • Rádio FM Pantaneira
  • Rádio Band FM
  • Rádio Vale do Taquari
  • Rádio Pantanal de Coxim
  • Jornal eletrônico Coxim Agora (www.coximagora.com.br)
  • Jornal Correio do Pantanal
  • Jornal Folha do Pantanal
  • Diário do Estado

Saúde[editar | editar código-fonte]

  • Hospital Regional Doutor Álvaro Fontoura
  • Hospital CASSEMS
  • Hemocentro Regional de Coxim
  • Centro Médico e Diagnóstico - CEMED
  • Clínica de olhos
  • Fisioclínica
  • Clínica Infantil
  • Interclínica
  • Clínica Carlos Chagas
  • Clinica IMED

Segurança pública[editar | editar código-fonte]

Ordem pública
Outras competências

Forças armadas[editar | editar código-fonte]

Comando do Exército
Organização Sigla
47º Batalhão de Infantaria 47º B I

Referências

  1. CEP de cidades brasileiras Correios. Página visitada em 31 de Julho de 2008.
  2. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  3. Mapas e rotas Guia 4 Rodas. Página visitada em 3 de novembro de 2011.
  4. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 de dezembro de 2010.
  5. Urbanização das cidades brasileiras Embrapa Monitoramento por Satélite. Página visitada em 30 de Julho de 2008.
  6. Estimativa Populacional 2011 Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2011). Página visitada em 13 de setembro de 2011.
  7. a b Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (2010). Perfil do município de Coxim - MS Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013. Página visitada em 28 de dezembro de 2013.
  8. a b Produto Interno Bruto dos municípios 2007-2011 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 17 de dezembro de 2013.
  9. - O Cerrado Brasileiro -.
  10. a b Título não preenchido, favor adicionar.
  11. Título não preenchido, favor adicionar.
  12. a b c d e f g h i j k l m Sistema IBGE de Recuperação Automática (Sidra) (2000). População residente por religião. Página visitada em 06 de abril de 2012.
  13. a b c d e f g h i j k l m Censo 2010 - Lista municípios e religiões, Exibir Registro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Página visitada em 14 de maio de 2013.
  14. Cristiane Agostine (8 de outubro de 2009). Senado aprova acordo com o Vaticano O Globo. Página visitada em 26 de março de 2010. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011.
  15. Fernando Fonseca de Queiroz (outubro de 2005). Brasil: Estado laico e a inconstitucionalidade da existência de símbolos religiosos em prédios públicos Jus Navigandi. Página visitada em 26 de março de 2010. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011.
  16. População do Brasil Domicílios particulares permanentes. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). Página visitada em 5 de agosto de 2011.
  17. a b Classes sociais do Brasil Domicílios particulares permanentes, por classes de rendimento nominal mensal domiciliar per capita - Resultados Preliminares do Universo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). Página visitada em 3 de agosto de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons