Crane Wilbur

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Crane Wilbur
Nome completo Irwin Crane Wilbur
Nascimento 17 de novembro de 1886
Athens, Nova Iorque, EUA
Nacionalidade Estados Unidos Norte-americana
Morte 18 de outubro de 1973
Toluca Lake, Califórnia, EUA
Cônjuge Edna Hermance (? - 1914) (divorciados)
Florence Dunbar Williams (1917 - 1921) (divorciados)
Suzanne Caubert (1922 - 1928) (divorciados)
Beatrice Blinn (1928 - 1933) (divorciados)
Lenita Lane (1936 - 1973) (sua morte)
Atividade 1910-1962
IMDb: (inglês)

Crane Wilbur foi um ator de cinema e de teatro, cineasta e roteirista estadunidense que iniciou sua carreira na era do cinema mudo, alcançando a era sonora. Atuou em 88 filmes, dirigiu 37 e escreveu 79 roteiros para o cinema entre 1910 e 1962. Além de cinema, Wilbur foi um dramaturgo com relevante produção teatral, e esteve envolvido na produção de diversas peças entre 1920 e 1945.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Crane Wilbur e sua esposa em 1915.

Irwin Crane Wilbur nasceu em 17 de novembro de 1886, em Athens, Nova Iorque. Sobrinho do grande ator de teatro Tyrone Power Sr. e primo de Tyrone Power,[2] Wilbur fez sua estréia na Broadway como Erwin Crane Wilbur, em 3 de junho de 1903, na trilogia de William Butler Yeats, A Pot of Broth, Kathleen ni Houlihan, The Land of Heart's Desire, mas na Irish Literary Society e no Carnegie Lyceum.

Wilbur começou a aparecer no meio cinematográfico em 1910, seu primneiro papel foi no filme The Girl From Arizona, e fez seu nome como ator de cinema como protagonista em The Perils of Pauline, o popular seriado estrelado por Pearl White. Uma estrela durante a década de 1910, a carreira de Wilbur como ator de cinema começou a diminuir após Breezy Jim (1919). Wilbur voltou então ao palco e, entre 1920 e 1934 teve sete peças apresentadas na Broadway: The Ouija Board (1920); The Monster (1922; relançado em 1933); Easy Terms (1925); The Song Wtiter (1928); Border-Land (1932); Halfway to Hell (1933); e Are You Decent (1934). Ele também encenou Halfway to Hell e dirigiu Happily Ever After, de Donald Kirkley e Howard Burman, em 1945. Crane também atuou em The Ouija Board e Easy Terms e nove outras peças da Broadway de 1927 a 1932, incluindo A Farewell to Arms (1930) e Mourning Becomes Electra (1932).

The Perils of Pauline, um dos primeiros seriados estadunidenses, teve como ator principal Wilbur Crane.

Wilbur tinha dirigido vários filmes mudos, e fez sua estréia no cinema sonoro como diretor com o controverso Tomorrow's Children (1934), [3] apontado como “O mais ousado, sensacional drama já filmado!” ("The Most Daring, Sensational Drama Ever Filmed!"). O filme é uma exposição da ciência da eugenia, amarrada a uma história sobre a tentativa forçada de esterilização de um casal pelo Welfare Bureau. Tomorrow's Children expõe o fato de que muitas pessoas foram esterilizadas contra sua vontade e mesmo sem o recurso ao devido processo legal. O filme foi proibido no estado de Nova York, sob a alegação de ser “imoral” e um “incitamento ao crime”. A proibição foi desafiada, mas foi acolhida nos tribunais e na apelação, por divulgar informações sobre controle de natalidade, que era ilegal na época. Após essa polêmica, Wilbur prosseguiu uma carreira longa e produtiva, particularmente no gênero thriller de mistério, como um diretor e um roteirista. Ele co-escreveu produções como House of Max, The Bat (1959) (que também dirigiu) e Mysterious Island (1961).

Wilbur morreu em 18 de outubro de 1973, em Toluca Lake, Califórnia, devido a complicações após um derrame, e foi sepultado no Forrest Lawn Memorial Park, em Hollywood Hills.[4]

Vida familiar[editar | editar código-fonte]

Wilbur casou 5 vezes: Edna Hermance, com quem foi casado até 1914, quando se divorciaram; Florence Dunbar Williams, casados entre 14 de fevereiro de 1917 até 1921, divorciados; Suzanne Caubert, casados de 4 de abril de 1922 a 6 de janeiro de 1928, divorciados; Beatrice Blinn, casados de 12 de novembro de 1928 a 13 de novembro de 1933, divorciados; e Lenita Lane, casados de 18 de abril de 1936 a 18 de outubro de 1973 (sua morte).

Fimografia parcial[editar | editar código-fonte]

Referências Bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • The First Male Stars: Men of the Silent Era by David W. Menefee. Albany: Bear Manor Media, 2007.
  • Chats With the Players – Mr. Crane Wilbur, of the Pathé Frères Company. Motion Picture Story. New York: Harry E. Wolff, Publisher, Inc., 1914.
  • Crane Wilbur, Mutual Star. The Newark Advocate, November 18, 1916, page 8.
  • Classics of the Silent Screen. By Joe Franklin. New York: Cadillac Publishing Company, 1959.
  • My Life. By Crane Wilbur in Motion Picture Magazine. New York: M. P. Publishing Company, October 1915.
  • The Reminiscences of Crane Wilbur. The New York Times Oral History Program No. 25. Beverly Hills: American Film Institute, 1977.

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Outros trabalhos de Crane Wilbur
  2. Vazzana, Eugene Michael. Silent Film Necrology. 2nd ed. Jefferson, NC: McFarland, 2001. ISBN 0-7864-1059-0
  3. Tomorrow’s Children no IMDB
  4. Crane Wilbur no Find a Grave
  5. O filme de 16 minutos I Am an American, foi lançado nos cinemas estadunidenses como um curta-metragem, em conexão com "I Am an American Day" (agora denominado “Constitution Day”). I Am an American foi produzido por Gordon Hollingshead, escrito e dirigido por Wilbur, e apresentando Humphrey Bogart, Gary Gray, Gordon Hart, Dick Haymes, Danny Kaye, Joan Leslie, Mary Lee Moody, Dennis Morgan, Knute Rockne e Jay Silverheels. Veja: I Am an American no IMDB.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Crane Wilbur