Criônica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Técnicos preparam um paciente para criopreservação.

Criônica (português brasileiro) ou criónica (português europeu) é o processo de preservação em baixas temperaturas de humanos e outros animais que não podem mais ser mantidos vivos pela medicina contemporânea, na esperança de que a cura e reanimação sejam possíveis no futuro. O termo é uma tradução do inglês cryonics, derivado da palavra grega κρύος (kryos), que significa congelado.

A criopreservação de pessoas ou animais não é reversível com a tecnologia actual. A razão para a criónica é de que as pessoas que são consideradas mortas pelos actuais critérios legais médicos podem não necessariamente estar mortas de acordo com a definição mais rigorosa de morte teórica de informação.[1] Supõe-se que as pessoas criopreservadas poderão um dia ser recuperadas usando tecnologia altamente avançada do futuro.[2]

As tecnologias de reanimação futura assumidas pela criónica ainda são hipotéticas e não muito conhecidas ou reconhecidas. Respondendo ao cepticismo de cientistas, como Steve Jones[3] , uma carta aberta de apoio à criónica foi escrita e assinada por 62 cientistas.[4] Até 2010, apenas cerca de 200 pessoas passaram pelo procedimento desde que foi proposto pela primeira vez em 1962.[5] [6] [7] Nos Estados Unidos, a criónica só pode ser legalmente realizada em seres humanos depois de terem sido pronunciados legalmente mortos, pois em contrário contaria como assassinato ou suicídio assistido.

Os procedimentos da criónica idealmente devem começar dentro de minutos após paragem cardíaca, com o uso de crioprotectores para evitar a formação de gelo durante a criopreservação. No entanto, a ideia da criónica também inclui a preservação de pessoas com atrasos post-mortem por causa da possibilidade das estruturas cerebrais que englobam a memória e personalidade poderem persistir. Se suficiente informação cerebral ainda existe para a criónica preservar, isso é algo que pelo conhecimento presente parece ser intrinsecamente improvável.[8] Portanto, a maioria dos defensores da criónica vê-lo como uma intervenção com perspectivas de sucesso que variam dependendo das circunstâncias.

Premissas da criónica[editar | editar código-fonte]

A premissa central da criónica é a de que a memória de longo prazo, personalidade e identidade são armazenadas em estruturas celulares duráveis ​​e padrões dentro do cérebro que não requerem a atividade cerebral contínua para sobreviver. Essa premissa é geralmente aceita na medicina; sabe-se que sob determinadas condições, o cérebro pode parar de funcionar e ainda assim mais tarde recuperar com retenção de memória de longo prazo.[9] [10] Premissas científicas adicionais da criónica[11] são que (1) estruturas cerebrais que codificam a personalidade e memória de longo prazo persistem por algum tempo após a morte, (2) essas estruturas são preservadas pela criopreservação, e (3) futuras tecnologias poderão restaurar as memórias, são teoricamente possíveis.

A criónica é controversa porque as tecnologias da premissa (3) são tão avançadas que as premissas (1) e (2) são consideradas irrelevantes pela maioria dos cientistas. Se vestígios biológicos de memória ou personalidade podem persistir após a morte clínica é obviamente uma questão de interesse. Da mesma forma, fora da criónica não há interesse na questão de saber se a codificação de memória pode sobreviver à criopreservação porque a questão é considerada como sem sentido até que a criopreservação possa ser revertida. Actualmente apenas as células, tecidos e alguns órgãos pequenos podem ser reversiveis após criopreservação.[12] [13] A ciência médica está principalmente preocupada com o que é comprovadamente concebível, não o que é teoricamente possível. Portanto não ha especialidades cientificas ou jornais directamente preocupados com a questão cientifica posta pela criónica.

Defensores da criónica afirmam que com a tecnologia actual é possível preservar as finas estruturas celulares do cérebro na qual a memória e a identidade reside.[14] Eles dizem que a preservação comprovadamente reversível não é necessária para atingir a meta actual da criónica, que é a preservação da informação do cérebro que codifica a memória e a identidade pessoal. Eles acreditam que os procedimentos criónicos actuais podem preservar a base anatómica da mente,[15] e que isso deve ser suficiente para impedir a morte teórica de informação até que o reparo no futuro seja possível.

Uma premissa moral da criónica é a de que criopreservando pessoas quando não ha mais nenhuma esperança, é a coisa certa a fazer, algumas vezes mesmo até debaixo de más condições que fazem as premissas cientificas da criónica altamente incertas. Alguns crionicistas acreditam como uma questão de princípio de que qualquer pessoa que normalmente seria considerada como morta, deveria ser um paciente permanente para o que quer que os avanços do futuro possam trazer.[16]

Obstáculos para o sucesso[editar | editar código-fonte]

Lesões de preservação[editar | editar código-fonte]

A criopreservação de longo prazo pode ser conseguida através do arrefecimento para perto de 77,15 Kelvin, o ponto de ebulição do nitrogénio líquido. É uma crença errada de que as células poderão sofrer lise (arrebentar) devido à formação de cristais de gelo dentro da célula, já que isso só ocorre se a taxa de congelamento exceder a perda osmótica de água no espaço extracelular.[17] No entanto, danos de congelamento podem ainda ser graves; o gelo pode ainda formar-se entre as células, causando danos químicos e mecânicos. As organizações criónicas usam crioprotectores para reduzir esse dano. Soluções crioprotectoras circulam através dos vasos sanguíneos para remover e substituir a água dentro das células com substâncias químicas que impedem o congelamento. Isso pode reduzir bastante os danos,[18] mas o congelamento de pessoas ainda provoca ferimentos que não são reversíveis com a tecnologia actual.

Quando usado em altas concentrações, os crioprotectores param completamente a formação de gelo. Arrefecimento e solidificação sem congelamento é chamado de vitrificação.[19] As primeiras soluções crioprotectoras capazes de vitrificar a taxas de arrefecimento muito baixas e ao mesmo tempo compatíveis com a sobrevivência dos tecidos foram desenvolvidas na década de 1990 pelos criobiologistas Gregory Fahy e Brian Wowk.[20] [21] Estas soluções foram adoptadas para o uso em criónica pela Alcor Life Extension Foundation, para o qual se acredita que permitem vitrificação de algumas partes do corpo humano, especialmente o cérebro.[22] Isso permitiu que cérebros de animais fossem vitrificados, aquecidos e examinados para procura de danos de gelo usando o microscópio normal e electrónico. Nenhum dano de cristais de gelo foi encontrado.[23] [24] A Cryonics Institute também utiliza uma solução de vitrificação desenvolvida por seus funcionários, o Criobiologista, Dr. Yuri Pichugin, aplicando-o principalmente no cérebro.[25]

Na criónica, a vitrificação é diferente da vitrificação em criobiologia porque a vitrificação na criónica não é reversível com a tecnologia actual. É apenas vitrificação estrutural. Quando bem sucedida, pode evitar lesões de congelamento em algumas partes do corpo, mas com o custo de intoxicação causada por produtos químicos crioprotectores. A natureza desta toxicidade é ainda mal compreendida. Crionicistas assumem que a toxicidade é mais subtil e reparável ​​do que os óbvios danos estruturais que poderiam ser causados ​​pelo congelamento. Se, por exemplo, a toxicidade é devido a proteínas desnaturadas, as proteínas podem ser reparadas ou substituídas.

Lesão isquémica[editar | editar código-fonte]

Isquemia significa inadequada ou ausência de circulação sanguínea que priva os tecidos de oxigênio e nutrientes. Pelo menos alguns minutos de isquemia é algo habitual no processo da criónica, devido à exigência legal comum de que os procedimentos para preservação criónica não podem começar até que a circulação sanguínea pare. O coração tem de parar de bater para que a morte legal seja declarada. Quando há um aviso prévio de morte clínica iminente, às vezes é possível chamar uma equipa de técnicos para realizar os preparativos para a criopreservação (processo ao qual se dá o nome de "Standby"). A equipa restaura artificialmente a respiração e circulação sanguínea usando técnicas semelhantes a RCP o mais rapidamente possível após o coração parar.[26] O objectivo é manter os tecidos vivos após a morte legal por analogia a procedimentos médicos convencionais em que órgãos e tecidos viáveis ​​são obtidos para transplantes de doadores falecidos legalmente. Morte legal não significa que todas as células do corpo morreram.[27]

Muitas vezes em criónica, o cérebro fica sem oxigénio por vários minutos em temperaturas altas, ou mesmo horas, se o coração pára inesperadamente. Isso causa lesão isquémica no cérebro e outros tecidos, o que torna impossível a reanimação por tecnologia médica actual. Crionicistas justificam a preservação em tais condições, observando os avanços recentes que permitem a reanimação cerebral após longos períodos de isquemia do que o tradicional limite de 4 a 6 minutos, e persistência da estrutura cerebral e até mesmo algumas células cerebrais funcionais após longos períodos de morte clínica.[28] [29] Eles argumentam que as definições de morte mudam conforme a tecnologia avança, e os estágios iniciais do que é actualmente chamado "morte" é realmente uma forma de lesão isquêmica que será reversível no futuro.[30] Eles afirmam que a sobrevivência pessoal durante longos períodos de morte clínica é determinada pelo critério teórico de informação.[1] [2] [31]

Reanimação[editar | editar código-fonte]

Aqueles que acreditam que o reanimamento pode algum dia ser possível, geralmente olham para a bioengenharia avançada, nanotecnologia molecular,[32] nanomedicina[33] ou upload da mente como tecnologias-chave. A reanimação exige reparação de danos por falta de oxigénio, toxicidade dos crioprotectores, stress térmico (fractura), danos de congelação em tecidos que não vitrificaram com sucesso e reverter os efeitos que causaram a morte do paciente. Em muitos casos, será necessária uma regeneração tecidual extensiva. Cenários hipotéticos de reanimamento geralmente imaginam reparos sendo realizados por um grande número de organismos microscópicos ou dispositivos.[34] [35] [36] [37] [38] Estes dispositivos iriam restaurar a estrutura ​​e química das células ao nível molecular, de preferência antes do aquecimento. Mais radicalmente, a transferência da mente também tem sido sugerida como uma abordagem de reanimamento possível se e quando a tecnologia já estiver desenvolvida para scanear o conteúdo da memória e o conteúdo de um cérebro preservado.

Por vezes tem sido escrito que o reanimamento criónico será um processo last-in-first-out (LIFO ou último a entrar, primeiro a sair). Neste ponto de vista, os métodos de preservação irão ficar progressivamente melhores até que, eventualmente, eles serão demonstrados reversíveis. Será então que depois a medicina vai começar a olhar para trás e reanimar as pessoas criopreservadas por métodos mais primitivos. Se realmente vier a ser possível, o reanimamento de pessoas criopreservadas pela tecnologia criónica inícial pode exigir séculos.[28] Pessoas criopreservadas no futuro, com melhor tecnologia, poderão necessitar de menos tecnologia para serem reanimadas, pois terão sido criopreservadas com melhor tecnologia que causa menos danos ao tecido. A visão criónica de "last in, first out" tem sido criticada porque a qualidade da criopreservação depende de muitos factores que não a era em que a criopreservação tem lugar.[39]

Tem sido afirmado que se as tecnologias de análise e reparo molecular alguma vez forem desenvolvidas, então, teoricamente qualquer corpo danificado poderia ser "reanimado".[40] Assim, a sobrevivência dependeria então se a informaçao cerebral preservada fosse suficiente para permitir a restauração de toda ou parte da identidade pessoal da pessoa original, sendo a amnésia, a linha final entre o sucesso e o fracasso.

Neuropreservação[editar | editar código-fonte]

Neuropreservação é a criopreservação do cérebro, junto com a cabeça, através de remoção cirúrgica e eliminação (geralmente cremação) do resto do corpo. Neuropreservação, às vezes chamada de "neuro", é uma das duas opções distintas de preservação na criónica, sendo a outra, preservação de "corpo inteiro".

A Neuropreservação é justificada pelo papel do cérebro como o repositório principal da memória e da identidade pessoal (Por exemplo, vítimas de lesão medular, pacientes de transplante de órgãos e amputados conservam a sua identidade pessoal). Também é motivada pela crença de que a inversão de qualquer tipo de preservação criónica é tão difícil e complexa que qualquer tecnologia futura capaz de, deve por sua natureza, ser capaz de regeneração do tecido, incluindo o crescimento de um novo corpo em torno de um cérebro reparado. Alguns cenários sugeridos de reanimamento para pacientes de corpo inteiro até sugerem mesmo dispensar o corpo original e regenerar um corpo novo, porque os tecidos estão muito danificados pelo processo de preservação. Essas considerações, juntamente com menores custos, transporte mais fácil em emergências e o foco específico sobre a qualidade de preservação do cérebro, têm motivado muitos pacientes a escolher a neuropreservação.

As vantagens e desvantagens da neuropreservação são frequentemente debatidas entre os defensores da criónica. Críticos da neuropreservação crêem que o corpo é um registro de muita da experiência de vida, incluindo as habilidades motoras aprendidas (memória muscular). Enquanto alguns crionicistas dúvidam de que um paciente neuro reanimado seria a mesma pessoa, há questões mais amplas sobre como um corpo regenerado pode sentir-se diferente do original.[41] Em parte por estas razões (bem como para uma melhor relação com o público), a Cryonics Institute preserva apenas corpos inteiros. Alguns defensores da neuropreservação concordam com estas preocupações, mas ainda assim sentem que os custos mais baixos e melhor preservação do cérebro justificam a concentração de esforços na preservação do cérebro. Cerca de dois terços dos pacientes armazenados na Alcor são pacientes neuro. Embora a American Cryonics Society já não ofereça a opção neuro, cerca de metade dos seus pacientes são "neuros".

Organizações criónicas para armazenamento de longo prazo[editar | editar código-fonte]

Actualmente existem 4 organizações criónicas de armazenamento de longo prazo para humanos e animais.[42] Estas organizações comprometem-se a armazenar o paciente durante os anos que forem precisos, até que seja possível reanima-lo quando a tecnologia o permitir. Os pacientes são colocados em Dewars com nitrogénio líquido a -190 graus.

Dewar para armazenamento dos pacientes
Organizações de Armazenamento Criónico
Organização Localização Criopreservação Corpo Inteiro Criopreservação Neuro Quota Anual Página
Alcor Life Extension Foundation Scottsdale, Arizona  Estados Unidos Sim
$200,000
Sim
$80,000
$800 http://www.alcor.org/
Cryonics Institute Logo.jpg Cryonics Institute Charter Township of Clinton, Michigan  Estados Unidos Sim
$28,000
Não $120 http://www.cryonics.org/
KrioRus Moscovo,  Rússia Sim
$30,000
Sim
$10,000
Não tem http://www.kriorus.ru/
Trans time San Leandro, California  Estados Unidos Sim
$150,000
Sim
$50,000
$96 http://www.transtime.com/

Vida pós reanimação no futuro[editar | editar código-fonte]

As pessoas que optam pela criónica, geralmente acreditam que no futuro, a medicina poderá dar-lhes juventude eterna (mesmo os que se criopreservaram já idosos, poderão rejuvenescer) e vida eterna. Esse assunto é geralmente chamado por "extensão da vida".

Presença na ficção[editar | editar código-fonte]

A criónica é mostrada em várias histórias de comédia, terror e ficção científica. Por exemplo, as histórias infantis de Mona, a vampira e Ricky Sprocket. Pode ser vista também no filme 'Avatar' (James Cameron, 2009), onde os tripulantes passam pela criogenia para viajar ao planeta Pandora (5 anos-luz).

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Whetstine L, Streat S, Darwin M, Crippen D. (2005). "Pro/con ethics debate: when is dead really dead?". Critical Care 9 (6): 538–42. DOI:10.1186/cc3894. PMID 16356234.
  2. a b Merkle RC. (September 1992). "The technical feasibility of cryonics". Medical Hypotheses 39 (1): 6–16. DOI:10.1016/0306-9877(92)90133-W. PMID 1435395.
  3. Lucky winner 'could cheat death', BBC News, 19 September, http://news.bbc.co.uk/1/hi/health/2268181.stm, visitado em 2011-01-24 
  4. Scientists Open Letter on Cryonics. Visitado em 2010-03-08.
  5. Complete List Of Alcor Cryopreservations Alcor Life Extension Foundation. Visitado em 2010-10-07.
  6. Cryonics Institute (CI) Patient Details Cryonics Institute. Visitado em 2010-10-07.
  7. Comparing Procedures and Policies Sizes of the Organizations Cryonics Institute. Visitado em 2010-10-07.
  8. Donaldson, Thomas. (February 1987). "Neural Archeology". Cryonics: 24–33. Alcor Life Extension Foundation.
  9. Guyton, Arthur C.. Textbook of Medical Physiology. 7th. ed. [S.l.]: W. B. Saunders Company, 1986. p. 658. ISBN 0-7216-1260-1.
  10. Wowk B. The Scientific Conquest of Death. [S.l.]: Libros En Red, 2004. 135–150 pp. ISBN 987-561-135-2. Visitado em 2010-03-12.
  11. What is Cryonics? Alcor Life Extension Foundation. Visitado em 2010-03-12.
  12. Fahy GM, Wowk B, Wu J. (2006). "Cryopreservation of complex systems: the missing link in the regenerative medicine supply chain". Rejuvenation Research 9 (2): 279–91. DOI:10.1089/rej.2006.9.279. PMID 16706656.
  13. Fahy GM, Wowk B, Pagotan R, et al.. (July 2009). "Physical and biological aspects of renal vitrification". Organogenesis 5 (3): 167–75. DOI:10.4161/org.5.3.9974. PMID 20046680.
  14. Platt, Charles. Effect of Human Cryopreservation Protocol on the Ultrastructure of the Canine Brain. 4. ed. [S.l.]: Alcor Life Extension Foundation, 1995. Visitado em 2006-03-17.
  15. Best BP. (April 2008). "Scientific justification of cryonics practice". Rejuvenation Research 11 (2): 493–503. DOI:10.1089/rej.2008.0661. PMID 18321197.
  16. Donaldson, Thomas. (February 1987). "Neural Archeology". Cryonics: 24–33. Alcor Life Extension Foundation.
  17. Mazur P. (September 1984). "Freezing of living cells: mechanisms and implications". The American Journal of Physiology 247 (3 Pt 1): C125–42. PMID 6383068.
  18. Platt, Charles. New Brain Study Shows Reduced Tissue Damage. 4. ed. [S.l.]: CryoCare Foundation, 1995. Visitado em 2006-03-17.
  19. Fahy GM, MacFarlane DR, Angell CA, Meryman HT. (August 1984). "Vitrification as an approach to cryopreservation". Cryobiology 21 (4): 407–26. DOI:10.1016/0011-2240(84)90079-8. PMID 6467964.
  20. Fahy GM, Wowk B, Wu J, et al.. (April 2004). "Cryopreservation of organs by vitrification: perspectives and recent advances". Cryobiology 48 (2): 157–78. DOI:10.1016/j.cryobiol.2004.02.002. PMID 15094092.
  21. (2005) "Corrigendum to “Cryopreservation of organs by vitrification: perspectives and recent advances” [Cryobiology 48 (2004) 157–178]". Cryobiology 50: 344. DOI:10.1016/j.cryobiol.2005.03.002.
  22. New Cryopreservation Technology Alcor Life Extension Foundation (October 2005). Visitado em 2007-04-29.
  23. Lemler J, Harris SB, Platt C, Huffman TM. (June 2004). "The arrest of biological time as a bridge to engineered negligible senescence". Annals of the New York Academy of Sciences 1019: 559–63. DOI:10.1196/annals.1297.104. PMID 15247086.
  24. Lemler J, Harris SB, Platt C, Huffman TM. Alcor Presentation at Cambridge University. [S.l.]: Alcor Life Extension Foundation, 2004. Visitado em 2006-03-31.
  25. CI-VM-1 Cryoprotectant and CI-Carrier Solution Used for Vitrification Cryonics Institute (2007). Visitado em 2007-04-29.
  26. Wowk B. Cardiopulmonary Support in Cryonics Alcor Life Extension Foundation. Visitado em 2007-04-29.
  27. National Human Neuronal Stem Cell Resource Frequently Asked Questions NHNSCR. Visitado em 2007-04-29.
  28. a b Donaldson, Thomas. A Brief Scientific Introduction to Cryonics. [S.l.]: Alcor Life Extension Foundation, 1976. Visitado em 2007-04-29.
  29. (March 1988) "The Cryobiological Case for Cryonics". Cryonics: 23–36. Alcor Life Extension Foundation.
  30. Donaldson, Thomas. (May 1990). "Prospects of a Cure for “Death”". Cryonics: 26–35. Alcor Life Extension Foundation.
  31. Crippen DW, Whetstine LM. (2007). "Ethics review: dark angels—the problem of death in intensive care". Critical Care 11 (1): 202. DOI:10.1186/cc5138. PMID 17254317.
  32. Nanofactory Collaboration http://www.MolecularAssembler.com/Nanofactory
  33. Robert A. Freitas Jr., Nanomedicine, Landes Bioscience; Vol I (1999), Vol IIA (2003) Nanomedicine.com
  34. Merkle, R. Molecular Repair of the Brain. [S.l.]: Alcor Life Extension Foundation, 1994. Visitado em 2006-04-04.
  35. Realistic Scenario for Nanotechnological Repair of the Frozen Human Brain. [S.l.]: Alcor Life Extension Foundation, 1991. Visitado em 2006-04-04.
  36. Drexler, E. Engines of Creation. [S.l.]: Ancor Press/Doubleday, 1986. ISBN 0385199732. Visitado em 2006-04-04.
  37. Darwin, M. Resuscitation: A Speculative Scenario for Recovery. [S.l.]: Alcor Life Extension Foundation, 1988. Visitado em 2006-04-04.
  38. Merkle, R and Freitas, R. (2008). "A cryopreservation revival scenario using MNT". Cryonics 29. Alcor Life Extension Foundation.
  39. de Wolf, Aschwin (2009-01-20). 5 dangerous idea about cryonics Depressed Metabolism. Visitado em 2010-03-07.
  40. How might cryonics fail? Alcor Life Extension Foundation. Visitado em 2010-03-07.
  41. O'Neal, Michael B.. The Case for Whole Body Suspension. [S.l.]: Alcor Life Extension Foundation, 1990. Visitado em 2006-03-16.
  42. Comparações entre Organizações Criónicas de Armazenamento

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]